12 dezembro 2010

História dos Tecidos –1: Idade Antiga

Por Juliana Sayuri no MODASPOT.COM

Desde a pré-história, os tecidos foram fundamentais para a história do homem. No Egipto, os faraós eram embalsamados com o linho, símbolo de poder e riqueza. Na Mesopotâmia, a lã ganhou importância, com a domesticação de carneiros e ovelhas. Saiba um pouco mais sobre cada um desses períodos a seguir.

4000 a.C.: Linho Mesopotâmia e Egipto

Da família das lináceas, o linho é um dos tecidos considerados mais nobres na história da moda, pela sua tradição. No Egipto antigo, os faraós eram embalsamados com o linho, o que era um símbolo de poder e de riqueza. As planícies do rio Nilo servem de leito para o linho há milhares de anos.

Segundo Dinah Bueno Pezzolo, o tecido vestia faraós e rainhas egípcias e, quando plissado, ficava ainda mais gracioso e belo devido à transparência de sua textura fina. O fio nobre espalhou-se pela Europa graças aos fenícios, comerciantes e navegadores ilustres que o levaram para a Irlanda, a Inglaterra e a Bretanha. No entanto, foram os romanos que iniciaram o cultivo no norte europeu.


De acordo com Gilda Chataignier, o linho já prenunciava pinceladas de moda na Antiguidade (ainda que o conceito só tenha se definido no fim da Idade Média), pois o linho branco era usado para realçar as sumptuosas jóias dos faraós, Reis e rainhas. Nascido em planícies áridas, o linho conquistou o status de fibra nobre, pelo seu toque macio e delicado.

Lã Mesopotâmia
A Mesopotâmia (actual Iraque) foi pioneira na domesticação de carneiros e ovelhas, essenciais para a trama das lãs. Antes da Mesopotâmia, porém, os povos nómadas já usavam a lã, mas de uma outra maneira: na Idade da Pedra, os homens alimentavam-se da carne de carneiro selvagem e depois usavam sua pele como agasalho.
Escavações arqueológicas na Mesopotâmia, no Oriente Médio, revelaram fragmentos dos primórdios da lã. Na Idade Antiga, as lãs da Mesopotâmia tornaram-se famosas, passando a circular por centros importantes do Oriente, até que se tornaram a principal fibra da Europa boreal. A trama era usada como ornamento nas roupas de diversas culturas do Oriente Médio e, na Idade Média, conquistaram as cortes europeias.
Actualmente, a lã fina, do carneiro merino, originário da Espanha, destina-se especialmente a alta-costura e prêt-à-porter de luxo. Enquanto isso, a lã de raça cruzada volta-se para peças mais acessíveis do prêt-à-porter .


Do Oriente ao Ocidente, o algodão teve forte influência sobre várias culturas. Já a seda, nascida na China, ganhou fama e tornou-se cobiçada no Ocidente. O trajecto entre China e Roma tornou-se a Rota da Seda, com 7 mil km de extensão, atravessando territórios da Rússia, Índia, Afeganistão, Paquistão, Iraque, Irão, Síria, Turquia e Arménia.


3000 a.C.: O algodão no Paquistão e na Índia


A Índia e a Etiópia lideraram as primeiras peças tecidas de algodão.

Antes conhecido como “lã de madeira”, “lã de árvore” e “ouro branco”, o algodão tornou-se a fibra mais usada do mundo. O algodão cultivado no Egipto tornou-se mundialmente famoso, por ser incrivelmente forte e macio. Às margens do Rio Nilo, o clima e o solo são ideais para essa cultura. Assim, o Egipto conquistou um capítulo à parte na história dos tecidos.


Actualmente, há quatro tipos de algodão para fins têxteis: upland (América Central e Caribe), egípcio (Egipto), sea-island (ilhas no sudeste norte-americano e ilhas nas Índias Ocidentais, como Barbados) e asiático (Ásia meridional).
De acordo com Dinah Bueno Pezzolo, Heródoto dizia no ano 445 a.C. sobre o que vira na Índia: “Ali encontramos grandes árvores em estado selvagem cuja fruta é uma lã melhor e mais bonita que a de carneiro. Os indianos utilizam essa lã de árvore para se vestir”. O algodão egípcio é considerado o melhor e mais fino do mundo. No século VIII, o linho tornou-se o principal tecido europeu. No século XIII, despontavam as “baptistas”, tecidos finos de linho em vestidos, camisas e roupas íntimas.

Na América, o algodão selvagem era cultivado desde 5800 a.C., segundo vestígios descobertos em uma gruta perto de Tehuacan, no México. A fibra era uma fonte importante de recursos para os maias.
“Assim, muitos antes da chegada dos conquistadores ao novo continente, o algodão já fazia parte da vida de seus habitantes. Há quem diga que o fato de Cristóvão Colombo ter visto os habitantes das olhas de Barbados usando roupas de algodão fez com que ele pensasse ter descoberto o caminho para as Índias”, aponta Dinah Bueno Pezzolo.

2700 a.C.: A seda na China
Diz a lenda que uma princesa chinesa apanhou um casulo de uma amoreira e encantou-se com os fios brilhantes e finos desenroladas das lagartas. O segredo foi preservado nas muralhas e, tempos depois, seria descoberta a seda. Assim, o tecido nasceu sob o signo do luxo e do poder, conquistando logo as atenções ocidentais. A seda foi inventada na época do Imperador Huang Ti, cerca de 2697 a.C.

A Rota da Seda

Posteriormente, o Império Bizantino (395 a 1453) passou a produzir uma das sedas mais cobiçadas. Os romanos eram adoradores de seda, importando-a do Extremo Oriente. De acordo com Gilda Chataignier, o trajecto entre China e Roma tornou-se a Rota da Seda.


Foi sob a dinastia Han (206 a.C. a 220 d.C.) que a China firmou as trocas comerciais com o Ocidente, via a rota de 7 mil km de extensão, atravessando territórios da Rússia, Índia, Afeganistão, Paquistão, Iraque, Irão, Síria, Turquia e Arménia. A Rota da Seda é considerada a mais importante ligação comercial e cultural entre Oriente e Ocidente por centenas de anos – e pode ser considerada uma precursora da ideia de comércio mundial
Na época do Renascimento (1300 a 1650), a descoberta do caminho marítimo para as Índias ampliaria os horizontes e o Ocidente se apaixonaria pelo brilho dos tecidos bordados a ouro, das sedas finas e outras belezas orientais.
Para Dinah Bueno Pezzolo, a seda tanto pode se mostrar macia e sedosa, quando cetim, como áspera e armada, quando shantung. “É o tecido dos nobres, como nobre foi o seu surgimento e como rainha dos tecidos se mantém”, diz Dinah.

Sem comentários: