30 outubro 2010

Olhando a janela..... E se fizessem um spray com efeito Flor de Lotus?


Efeito Flor de Lotus.

Reverenciada por vários povos, a flor sagrada dos hindus -As flores de lótus- são belíssimas, mas, alem de belas, tem outra particularidade: as suas folhas estão sempre limpas.

As folhas do Lótus, como em algumas outras plantas, apresentam a propriedade da superhidrofibicidade, o que significa que a superfície permanece seca e limpa, e as gotas de água deslizam rapidamente não permanecendo em contacto íntimo com a superfície do material.

A superhidrofibicidade é um aspecto que interessa diversas áreas da produção industrial, em especial da produção de tintas, que vem tentando imitar o efeito com algum sucesso. O problema ainda está em obter uma destas superfícies que conserve a superhidrofobicidade por longos tempos após a aplicação.
A imitação da natureza também une o lótus e a arquitectura, inspirando o design de linhas harmónicas e orgânicas

Como se produz o Efeito de Lotus?
O segredo por trás do efeito lótus, como é conhecido, está na microestrutura de minúsculos nódulos existentes sobre as folhas da famosa planta. Os micronódulos não oferecem superfície suficiente para que a água se apoie - então, esta contrai-se em gotas e rola sobre a superfície. Em superfície normais, a água cobre a superfície e assume uma estrutura hemisférica, deixando o material "molhado".
Ao contrário do que se costuma imaginar - que as superfícies lisas são as mais limpas -, a flor-de-lótus é coberta por milhares de poros microscópicos. É exactamente essa porosidade que impede que partículas se acumulem, sendo facilmente arrastadas pela chuva. Surpreendente também, é que nem mesmo substancias "pegajosas" como o mel, aderem à superfície. Os pingos unem-se e rolam como mercúrio de um termómetro partido.

Mas melhor que isso, as gotas escorrem pelas folhas levando consigo qualquer grão de poeira que esteja pelo caminho.
Há anos que os cientistas se inspiram nessas estruturas, em busca de materiais que possam significar o fim da limpeza em janelas, casas e até carros.
Imagine uma cidade onde a sujidade e a poluição escorressem como água das paredes dos edifícios, da pintura dos carros, dos móveis, etc... Pois é o que promete uma tecnologia baseada na microestrutura da flor-de-lótus, que se mantém sempre limpa, apesar de nascer no meio de pântanos.
Do ponto de vista industrial, há dois interesses básicos em materiais que possam repelir fortemente a água: roupas e tecidos que não se molham e materiais autolimpantes. Se a água da chuva, por exemplo, conseguir levar consigo toda a sujidade acumulada, as despesas com limpeza de janelas e edifícios envidraçados poderão ser praticamente eliminadas.


Algumas aplicações praticas:
Desenvolvida pelo botânico alemão Wilhelm Barthlott, da Universidade de Bonn, a tecnologia está a ser utilizada em vários produtos. O primeiro é uma tinta, baptizada por Lotusan e fabricada pela alemã Ispo. Quando aplicada nas paredes externas de edifícios, a tinta repete a estrutura da superfície das pétalas e torna-se, surpreendentemente, autolimpante.
Outra empresa alemã, a Erlus, começa a produzir em escala comercial, no segundo semestre de 2000, outro produto com a mesma tecnologia. Desta vez é uma telha, a Lótus-Rot. Como na caso da tinta, o efeito lótus é reproduzido na superfície da telha, que também é auto-limpante e repele a água.
A gama de aplicações potenciais da tecnologia baseada na flor-de-lótus parece ser infinita. Instrumentos médicos ou talheres, que estão sempre limpos, móveis externos que não sujam com a poluição, um verniz autolimpante para automóveis... enfim, são os mistérios da natureza desvendados e transformados em produtos de consumo.

3 comentários:

Anónimo disse...

Parabéns por mais este hino à mãe natureza cada vez mais maltratada. Também tenho encontrado esta propriedade em algumas couves, embora talvez não tão pronunciado.
Pedro C.

Anónimo disse...

Aprendendo sempre!
Relativamente ao comentário do Anónimo das 12:51 verifica-se aparentemente o mesmo efeito nas couves, mas suponho ser devido a um pó branco e que uma vez removido desaparece o efeito de repelência da água.Talvez esse pó seja semelhante à pruína(uma camada cerosa) que ocorre em alguns frutos como, por exemplo as uvas.
Se assim for não será o mesmo descrito pela Cristina.
Duarte Marques

dalloway disse...

É verdade: "Aprendendo sempre!"
Fiquei encantada com as caracteristicas e particularidades desta planta e o quanto pode servir de inspiração nas mais diversas areas.

Pois é Cristina, lá vou eu agradecer-lhe novamente por mais um momento de partilha de conhecimento. Obrigada.

Tá bem, tá bem: um beijinho na ponta do nariz. :)