12 setembro 2010

Quando é que os advogados se livram deste nojo?










E assim, repentinamente,numa manhã de domingo,o Dia do Senhor, ficamos a conhecer que um novo Messias desceu à Terra. As pistas estavam lá, no nome Cruz. Estão ver ? Cristo, Crucificação, Cruz. Mas nós não víamos. Precisávamos de alguém que nos mostrasse a Luz Divina.. Dizem os muçulmanos " Alá é grande e Maomé o seu Profeta".
Nós podemos dizer "Carlos Cruz é grande e Marinho Pinto o seu Profeta"
Há dois mil anos, na Palestina, um Nazareno inocente foi condenado à morte por uma multidão de pessoas fanatizadas naquele que é até hoje o mais famoso julgamento da história da humanidade. O que mais me impressiona nesse julgamento não é o facto de o arguido estar inocente, pois sempre houve e haverá inocentes condenados; também não é a brutalidade da sentença, pois a pena máxima sempre foi a preferida das multidões; não é sequer a certeza irracional da turba sobre a culpabilidade do acusado, pois todas as multidões (as massas, como dizem alguns) são sempre irracionais e só têm certezas (por mim fujo sempre delas, seja nos estádios de futebol, seja nas procissões políticas ou sindicais, seja nas manifestações públicas de qualquer religião)(...).

9 comentários:

Cristina disse...

revê o link porque não abre para pagina nenhuma....

Pêndulo disse...

Thanks. Link revisto.

Miguel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Miguel disse...

Quem é o nojo?

A Justiça?
O Marinho?
O Carlos Cruz?
O país?

Ou tenho que pôr por ordem?


Agora mais a sério...
O que ele diz, teoricamente, está tudo certo e não é mentira nenhuma. Aliás, é mais ao contráio até: cria-se a duvida suficiente para que ninguém seja culpado de nada!

Enfim, o balde é muito grande e apesar de haver muita merda lá dentro, ainda não dá para chegarmos à borda do dito cujo para sairmos lá de dentro.
Vai ter de encher mais...

Pêndulo disse...

Miguel
O que ele diz está muito bem a partir de :
"Por isso eu só acredito na justiça dos homens quando ela é feita no respeito por princípios que a relativizam e lhe impõem, como regra fundamental, o respeito absoluto por todas as pessoas envolvidas8...)
Até este ponto do texto faz uma indecente comparação entre Carlos Cruz e Cristo. Claro que não menciona o nome de Carlos Cruz, mas ele está presente até mais de metade da crónica. E está presente não sendo referido, coisa assaz esclarecedora sobre o autor.
Sim Miguel mal vai a Justiça, também porque uns dos actores, os advogados, têm esta pessoa a comandar os destinos da sua Ordem.

Miguel disse...

Discordo, Pendulo!

É óbvio que ele tomou posição sobre o caso, e isso ficou claro no programa Pros e Contras, e isso fica-lhe mal e, para qualquer pessoa isenta, descridibiliza a fundamentação dele.

E concordo com o que diz sobre o texto e a comparação que faz. Ridiculo.

Agora, muita da teoria que está nestes conceitos está certissima, o que até torna o texto mais engraçado porque ele toma exactamente a posição que critica mas só que do outro lado.
Enfim, este tipo de situações só descridibiliza as pessoas e num pais como deve ser ele teria um batalhão de criticas e seria demitido.

Quanto ao facto dele ser bastonario, tem apontado muitos dos podres que regem o mundo da advocacia e até apontado criticas a pontos que a classe defende só por uma questão de coorporativismo.

Há muitos bastonarios, desta ordem e de outras, que se limitam a defender poderes instituidos mas que toda a gente sabe que não têm razão de existir!
A maior parte dos advogados vivem de esquemas e de muita actividade feita às escuras, é bom que se diga!

Basicamente, este artigo só lhe fica mal!

Fado Alexandrino disse...

Este é um assunto de paixões e quando ela entra em acção a razão sai porta fora.
Houve crianças abusadas e abusadores. Só eles detêm a verdade do que aconteceu.
Outro dia num blog uma senhora escrevia que tinha a certeza disto e daquilo.
O dono do blog felicitou-a pois a ser assim estava mais feliz do que ele.
Para quem acompanha o que se sabe as dúvidas acumulam-se todos os dias.
É isto.

Pêndulo disse...

Fado,
Apesar de todas as "paixões" que rodearam este caso , ele não é, nem nunca foi, uma questão de paixões. É apenas uma questão criminal igual a tantas que todos os dias são e foram investigadas e julgadas pelas mesmas pessoas que intervieram na tramitação deste processo, e não foram poucas.
Claro que toda a dúvida é legítima mas para além da dúvida há que ter coerência. Se alguém acha que todos os cinco juízes, os procuradores e os investigadores que, sucessivamente, analisaram este caso fizeram parte de uma cabala monstruosa, só tem uma coisa a fazer- a mesma que muitos fizeram em frente à prisão de Caxias uns dias a seguir ao 25 de Abril, reclamar a liberdade para todos os presos, agora para violadores, assassinos, assaltantes, burlões, esclavagistas, agressores e toda a restante população prisional, pois eles foram presos pelo mesmíssimo sistema (e muitos pelas mesmas pessoas) que condenou Carlos Cruz(que ainda pode recorrer etc.).

Fado Alexandrino disse...

Não acredito em ninguém, por vezes nem em mim próprio acredito.
Não vejo também muita oportunidade na comparação, uns estavam lá dentro por provas materiais estes vão lá para dentro por provas orais (apetece aqui fazer uma brincadeira mas não é o caso).
Não é por um caso passar por uma bateria de juízes, investigadores, procuradores e outros que tais que obrigatoriamente temos que aceitar que o acusado fez mesmo aquilo que outros dizem que ele fez.
Neste caso palpita-me que entre as duas mil páginas da sentença vai haver tanta contradição e provas que depois se vai verificar que mal resistem a uma brisa que tudo o que foi na opinião de muitos demonstrado sem equívoco vai empalidecer.

Volto a repetir a minha posição, há violados e logo tem que haver violadores.
Aqueles sabem a verdade estes tentam que ela desapareça.
Desejo que em tribunal os primeiros a tenham dito para os segundos sofrerem as penas correctas.
Não acuso nem defendo ninguém.
Espero.