16 junho 2010

Tranquilo Deco!





.
E vão dois.
Primeiro, a «dispensa» de Nani em circunstâncias ultra duvidosas quando aparentemente, naquele mundial, o que não falta é gente a jogar lesionada e a permanecer nas selecções apesar de fisicamente menos bem. Agora Deco, a mostrar o seu desconforto mais que evidente, sobre a forma com decorre a orientação da equipe. Depois as declarações dos dois. E nos dois casos, a serem obrigados a emendar o texto.
Uma coisa é certa: com este treinador os jogadores parecem sempre desconfortáveis. E não é só de agora, é desde a fase de preparação. Sem alma. Entediados. A falar sempre com a mesma cassete do acreditar, e dos bons jogadores que têm, e no próximo jogo é que vai ser e por aí fora. Estou-me nas tintas para o treinador que idealizou a geração de ouro há 500 anos atrás. E que diz foi professor do Mourinho. Conversa de merda. Não quero um treinador que fez uma coisa bem há muitos anos e vive à pala disso, porque a partir daí só fez bem o que não foi ele a decidir.
Quero um treinador que saiba fazer bem agora, mesmo que seja a primeira vez que encare uma selecção. Que dê força e transmita alegria, orgulho e querer. Que os alucine a eles e que nos alucine a nós. Que saiba tirar de cada um, o máximo que cada um pode dar. Que tenha um bocadinho de Scolari e um bocadinho de Jorge Jesus. Que ganhe, ou que perca, mas que corra riscos. Que enfrente. Que lute. Que não tenha medo. Que puxe por eles e por nós. Que nos faça acreditar sem passar a vida a dizer que temos que acreditar. Que não tenha um sorriso amarelo. Que tenha aquele brilhozinho nos olhos. A chama. O sal. E no fim de tudo, que não faça aumentar mais o nosso trauma em campeonatos do género: prometer muito e cumprir pouco.

1 comentário:

Fado Alexandrino disse...

Que não tenha um sorriso amarelo.
És mesma mazinha.
Olhe que a próxima luta é exactamente com aqueles que não só têm esses sorrisos como ainda por cima são amarelos, pois cá para mim japoneses, chinocas e coreanos é tudo igual.
Como é que se pode ganhar a uma equipa que tem dois jogadores com o mesmo nome (os Nam Chol) e ainda mais um Kum Chol e outro Chol Yok.
Claro que o Professor pode mandar marcá-los pelos números mas será que todos os nossos sabem contar até onze?