30 junho 2010

evitar as antipatias e obedecer às simpatias. nem mais.


«As antipatias e as simpatias de Hoje, as súbitas afinidades como o amor à primeira vista e as súbitas hostilidades que aparentemente não fazem sentido, deviam-se, todas, a relações existentes nalgum Ontem sepultado no tempo, enquanto as do Amanhã se podiam prever e, portanto, ser reguladas pelas acções de Hoje. Até mesmo as mais ínfimas....» (...)
Os seus olhos tinham percorrido a página em que o livro estava aberto, ao cair, e fora assim que lera as palavras que tinham constituído para ela uma orientação súbita, as mesmas palavras que repetia agora baixinho, no pátio de mármore que ficava defronte do seu quarto, naquele estranho e belo palácio erguido no meio de um lago cor de esmeralda, na Índia.
«As antipatias e simpatias de Hoje, as súbitas afinidades...»
Apropriara-se daquelas palavras, escritas por um inglês que já morrera, e a partir dessa noite em Edgartown evitara as antipatias e obedecera às simpatias, que a tinham levado primeiro à Índia e depois ali, não sabia com que objectivo.
Mandala, Pearl Buck

1 comentário:

Álex disse...

...há taaantos anos