14 junho 2010

belo patuá...



Língu di gente antigo di Macau
Lô disparecê tamên. Qui saiám!
Nga dia, mas quanto áno,
Quiança lô priguntá co pai-mai
Qui cuza sä afinal
Dóci papiaçam di Macau?

A língua da gente antiga de Macau
Vai desaparecer também. Que pena!
Um dia daqui a alguns anos
A criança perguntará aos pais
O que é afinal
A "língua doce" de Macau?

Poema em patuá e tradução para o português
(fonte: poema e texto adaptado do "brasileiro", Macau, uma China em português)

A ocupação portuguesa de Macau não fez com que o português se tornasse uma língua falada entre a população local. Porém, o contacto entre portugueses e chineses deu origem a um dialecto que ficou conhecido como patuá ou crioulo de Macau. Crioulo é o nome que se dá aos idiomas que nascem do contacto entre duas outras línguas, em especial formados no período das colonizações europeias na África e na Ásia. Os crioulos são erradamente considerados como um modo incorrecto de falar a língua europeia adoptado pelos nativos das áreas colonizadas ou os descendentes mestiços dos colonizadores. A palavra “patuá”, por exemplo, vem do francês patois que significa “língua rude”. No entanto, os linguistas atribuem imenso valor cultural a esses dialectos e línguas.

O patuá de Macau teve origem no século XVI e tem influências de diversas línguas além do português, do mandarim e do cantonês. Era usado como meio de contacto entre os navegadores portugueses e a população local. Gramaticalmente simplificada, a língua foi se desenvolvendo e conquistando adeptos que a achavam mais funcional e fácil de entender que o português ou o chinês, por exemplo.
Apesar de sua popularidade entre os macaenses e os comerciantes chineses, o patuá não tinha status de língua na época de seu apogeu, no século XIX. As autoridades portuguesas não reconheceram o patuá oficialmente e, por isso mesmo, a população usava a língua em oposição aos poderosos. Porém, os registos escritos são poucos e o único literato a usar o patuá foi José dos Santos Ferreira, o Adé, o qual escreveu, inclusive, uma gramática da língua.

Actualmente, a doci papiaçam de Macau está em vias de extinção. Em Macau, apenas os mestiços macaenses mais velhos falam a língua. Há falantes de patuá em outras áreas de alta imigração de macaenses, inclusive no Brasil. Porém, há estimativas de que o número total de falantes não passe 8 mil. Estudiosos e amantes da língua estão tentando transformar o patuá em Património Imaterial da Humanidade, uma forma de salvar a língua da extinção.

9 comentários:

Francis disse...

Boa viagem.
depois de 8 anos seguidos a viajar para Macau, estou há 3 anos sem lá ir...mas para o ano vou lá outra vez. em 2/3 dias, está feito.

Hong Kong, cidade brilhante.
http://donodaloja.blogspot.com/2009/03/vou-viajar.html

China, tanto mas tanto para ver.

já agora
http://61226.com/self/macau.htm

Cristina disse...

Francis

caramba, és a pessoa ideal para me dar indicações de o que ver, os melhores sitios para comprar o quê e principalmente onde comer! :))))

please..


obrigada

Francis disse...

combinado.
vou tratar disso. dou noticias.

Cristina disse...

Francis

muito obrigada,

um beijo

Francis disse...

Questão,

Que locais da China vais visitar ? Para saber se te posso ajudar em algum deles.

Cristina disse...

Pequim, Xangai, Xian. mas aí, temos guia. :)

Francis disse...

Devias ir a Guillin e Yangshuo.

Xian, reza para que não esteja a chover...
Xangai é alucinante...
Pequim não conheço.

ps; estou a tratar da informação. qual é o dead-line ?

Cristina disse...

faltam 3 semanas


não posso ir a todo lado de uma vez pá. teria que fazer como uma colega que pediu 6 meses de licença sem vencimento e foi prá Asia.... :)

Francis disse...

pois, tá certo.