29 maio 2010

de facto.... a internet é o diabo. e as ovelhas do rebanho, ao que parece, também.







Três mulheres italianas que mantiveram relações com padres escreveram uma carta ao Papa Bento XVI a pedir o fim do celibato.

Stefania Salomone, uma das signatárias disse, no entanto, que a carta conta com o apoio de dezenas de amantes que querem que os padres possam manter relações conjugais

Stefania Salomone, uma funcionária administrativa de Roma com 42 anos, já teve duas relações com padres católicos. Decidiu criar um site para encontrar mulheres com a mesma experiência e hoje está em contacto com cinco dezenas: 40 assinaram uma carta aberta dirigida ao Papa Bento XVI para lhe pedir o fim do celibato obrigatório.

Descrevem-se como "mulheres de todas as partes de Itália que estiveram ou estão numa relação com um padre ou um religioso", habituadas a viver "em segredo" e a experimentar "diariamente as dúvidas, os medos e as inseguranças dos nossos homens". Um padre, escrevem estas italianas, "precisa de viver com os outros seres humanos, experimentar sentimentos, amar e ser amado".
(...)
Antonella Carisio conta ter tido um caso com um padre brasileiro que dormia frequentemente em sua casa. Edecir Calegari, que conheceu quando ambos geriam o centro de juventude da sua paróquia, quis até ser apresentado ao filho dela e ao resto da família como seu companheiro. A relação acabou por ser descoberta e denunciada por outro padre e o seu amante foi transferido para Roma: "Quando ele se foi embora até me deu um anel de noivado".
.
atenção paroquianas: ainda há vagas na lista....

2 comentários:

Brancaleone, o auto exilado... disse...

Pois cá na Colônia, hoje direto da Capitania Hereditaria do Rio Grande do Sul a mais de 800 km de casa, posso afirmar que as furrupas sexuais da padrarada escandalizam a turminha hipócrita muitas mais que deveriam. Fizessem investigações sérias sobre o enriquecimento dos tais pastores evangélicos e as esbórnias com as fiéis a coisa seria sim de arrepiar...
Mas acontece que boa parte dos canais de tv e jornais lucram uma boa grana cedendo espaços para os evangélicos e dai que existe a famosa censura econômica...
Mas neste negócio ( muito lucrativo) de explorar a fé pública não existem inocentes...

Anónimo disse...

E não estará tudo muito melhor assim? Se não fosse o escurinho das sacristias, algumas nem se safavam...
Pedro C