26 abril 2010

não é todos os dias que bronzeia a pele e a alma :)


(...) Foi inclusivamente publicado na China uma vez. Ao receber o livro, cheio de caracteres para mim tão incompreensíveis como hieróglifos, pensei que se tratava de uma propaganda maoista. Para me tirar as dúvidas, levei-o ao dono de um restaurante chinês, perto da minha casa. «Pelfume de goiaba», leu o homem com certa cautela, depois de pôr os óculos. E a seguir perguntou: «É algum liblo de cochina?»...
Plínio Apuleyo Mendoza,
escritor e amigo de uma vida de Gabriel Garcia Marquez, com o qual escreveu "O aroma de goiaba", "uma ideia do caraças" porque "dessa forma" poderia "dar por despachadas para sempre as entrevistas".
.
.
foi assim, esta tarde.

3 comentários:

dalloway disse...

Pois deve ter sido uma tarde bem interessante mas faça o favor de não me desencaminhar até porque não gosto mesmo nada de ler e da última vez que a Cristina falou de Gabriel Garcia Marquez fartou-se de deixar aqui algumas passagens de 'o amor nos tempos de colera' e eu lá tive que ler o livro para não parecer mal. Foi só por isso que o li.

Agora volta à carga com GGM e vem dizer que 'o aroma de goiaba' bronzeia a pele e a alma!!! Oh Cristina tamem...pffff...depois diga que eu ando desaparecida!

Ai a minha vida!

Cristina disse...

querida Dalloway

tenho paixão pelo Gabriel! (ó a intimidade! :P) Mesmo.


acho que vou ler tudo outra vez para depois voltar ao aroma de goiaba. é fascinante, e explica todo o mecanismo de criação de toda a obra. vou deixar outras passagens.



mas minha amiga, nunca me disse o que achou do Amor em tempos de cólera! e já viu o filme? ouviu a fantastica banda sonora?


beijos, muitos.

dalloway disse...

É um prazer imenso quando um escritor ou um livro nos faz sentir essa paixão que fala a Cristina.

Pensei que na altura tinha feito algum comentário ao livro 'amor em tempos de colera'.

Gostei particularmente do livro. Momentos houve que me apetecia sublinhar, escrever e não sair de determinadas frases, pensamentos e sensações.
Uff..

A banda sonora foi a primeira coisa que comprei mesmo sem ter lido o livro e visto o filme e comprei porque a Cristina colocou no CC e falou do cd. O meu primeiro contacto foi com o 'hay amores' e 'la despedida'

Vi o filme e não gostei. Não sei se fiz mal tê-lo visto logo após ter lido o livro ou não mas não me encantou. Fora poucos os momentos e cenas que gostei do filme e outros que achei maçador mas fiquei rendida com a interpretação de Javier Bardem.

Já se deu conta do que fez?!
- comprei a banda sonora,
- comprei o livro,
- e vi o filme.
E eu aue até nem sou de me deixar influênciar. Imagine se fosse :))

Se a Cristina for assim na sua profissão, Sintra e arredores deixará de ter doenças cronicas ou isso :)

Obrigada