30 março 2010

falemos claro, sobre a selva que é a contratação de médicos,


a ver se nos entendemos. (noticia público)


Os médicos têm tanto direito ao trabalho e á reforma e às leis do mercado como todos os profissionais. E os doentes,obviamente, têm direito a ser vistos por um médico quando necessitem dele. Até aqui, é linear. Então qual é o drama, ou o desequilíbrio, da nossa sociedade??
O drama, é que a politica de formação e manutenção dos profissionais por parte de quem nos tem governado, lixou tudo. E com "tudo", entenda-se quem precisa de cuidados.


A geração de cursos com centenas de médicos a que se assistiu no pós 25 de Abril, está em idade de reforma. Têm, portanto, todo o direito a sair dos hospitais e a ir para casa, ou continuar a trabalhar onde bem entendam a nas condições que entendam aceitar. Note-se bem, como qualquer cidadão.
As portas das Faculdades foram praticamente fechadas.
O mercado tornou-se mais feroz nas contratações. O que significa, em consequência, que vai buscar os profissionais onde eles estiverem oferecendo mais dinheiro ou melhores condições de trabalho. Como nas outras áreas profissionais.
O Estado, que tradicionalmente tinha o monopólio do emprego médico, e se aproveitava disso ( toda a gente se lembra de quando bancos de 24 horas nem sequer eram pagos), felizmente, já não é o único empregador. As razões que levavam os médicos a manter-se no público, o lugar vitalicio e a formação continua, deixaram de existir. Os privados já oferecem as duas coisas. Entendamo-nos: os privados oferecem melhores condições e mais dinheiro. E sobram lugares para os médicos portugueses contratáveis. Logo, é fácil de perceber o que aconteceu: como em qualquer outra profissão, quem não está bem muda-se. E muda-se para melhor.

Portanto, vivemos um drama. Ou melhor, quem precisa de cuidados, vive um drama preocupante. Ou o Estado se torna competitivo, ou vai ter que explicar muito bem ao povo porque é que chegamos à situação ridícula de centros de saúde com 1 médico, ou com nenhum, ou urgências com 24 horas de espera, ou preços hora exorbitantes (não é que não o mereçam, um tipo que faz 3 ou 4 vezes 24 horas numa semana, até merecia o ordenado do Vara...). Não culpem é os médicos, porque esses continuam a trabalhar. Agora e sempre.

8 comentários:

papoila disse...

Pois acho muito bem que tenha escrito este post!
Nós, os utentes, sempre descontentes e com razão, trocamos conversas, expomos as nossas experiências, esperamos, sofremos e revolta-mo-nos.
Só sabemos, que nos marcam consulta para as 14h e às 16h aparece a enfermeira a dizer "o Dr, já não dá consultas hoje...teve um caso dfícil..., para marcar nova consulta pode ser mais um mês de espera, etc, etc, etc,Há milhares de situações caricatas, e indignas que curiosamente tanto acontecem no Público como no privado!
As consultas particulares em o médico nos deixa à espera 3h...
Acompanhei um amigo a Londres para uma operação. Foi-nos dito, que as consultas eram exactamente à hora marcada, o médico não atendia NINGUÉM atrasado. Durante dois meses, nem médico nem doente se atrasou!
Neste processo, a verdade é que nunca sabemos o que Têm a dizer os médicos?????
Dá para ver, que as condições em que trabalham (hospitais), são muitas vezes deficientes e muito longe do ideal!
Enfim, FALEM, DIGAM COMO SÃO TRATADOS, ao fim e ao cabo, estamos do mesmo lado, não uns contra os outros.
É uma profissão que todos queremos respeitar, mas parece-me que se colocam muito longe de nós...
Para os que cumprem e nos respeitam o meu agradecimento, pois tenho a sorte de conhecer alguns.
xx

Cristina disse...

Papoila

este estado de coisas não beneficia ninguém. nem medicos se sentem bem tratados, nem doentes. basta perguntar a um doente que esteja 10 anos numa consulta hospitalar por quantos medicos já passou. são poucos os que se fidelizam, as pessoas estoiram-se, desesperam, mudam, trabalham cada vez mais, têm doenças para resolver e não doentes. são devorados por essa ferocidade de que falei.

Brancaleone disse...

É, mas no tempo em que o estado pagava mamatas e molezas a médicos que nunca trabalhavam eles não reclamavam né? A moleza era boa então.
Médicxos tambem são muito chatos. Se acham bons demais. São arrogantes e pior que eles só os advogados...

Cristina disse...

Branca~

definitivamente, vocês não tem conhecido bons mádicos.....é tudo assim no Brasil???

Cristina disse...

Branca~

definitivamente, vocês não tem conhecido bons mádicos.....é tudo assim no Brasil???

Fado Alexandrino disse...

Na PT há um centro médico na Rua do Actor Vale e depois dezenas de médicos convencionados por Lisboa e arredores fora.
Há além disso um centro só para estomatologia.
Hoje tinha consulta de ortopedia com o nosso especialista de mão.
Tenho tido ultimamente dificuldades derivadas de tantas palmas ter batido, culpa do Benfas.
A consulta estava marcada para as 11:30, foi atendido dez minutos depois, já o conhecia é de uma simpatia e qualidade técnicas fora do normal.
Não posso pôr o nome que ele não gostaria.
No centro de Saúde tenho também uma médica de família que é uma verdadeira preciosidade (parece que se vai reformar).
Chego lá e marco consulta para quatro ou cinco dias depois, até se pode fazer pelo telefone.
Sou, nestes assuntos, uma pessoa com sorte.

dalloway disse...

Até podia dar exemplos de casos vividos em Londres mas prefiro roubar a frase do Fado e dizer que em Lisboa 'sou uma pessoa com sorte'

Melancia disse...

bom, sou uma pessoa de azar!
não aos médicos, que acho que grande parte trabalha que se farta (exceptuando uma estupida, à qual criei um odiosinho de estimação).
já no que se refere ao serviço nacional de saúde... honestamente funciona muito mal, basta que se diga que desde os 17 anos que fiquei sem médico de familia... tenho 37. sou, portanto, uma 'sem médico'. quanto aos serviços privados, não funcionam melhor. tenho tido experiências rídiculas e quando se marcam consultas de 10 em 10 minutos... não há o que comentar, devem pensar que um médico nem sequer pode ir ali fazer uma 'mija'... e que um tipo paga bem, para esperar 3 horas por algo que marcou com bastantes antecedência... fico-me por aqui...