15 fevereiro 2010

se vê televisão, informe-se noutro lado.

Ao contrário do que alguns pensam, acompanhar a séries norte-americanas que se passam com médicos ou em hospitais pode não ser a melhor forma de aprender a socorrer alguém. Nomeadamente, alguém que tem uma convulsão.
.
Uma pesquisa realizada pela Universidade de Dalhousie, no Canadá, mostra que médicos e enfermeiras prestam os primeiros-socorros de forma errada em cerca da metade dos casos de convulsões mostrados na TV.

Os especialistas analisaram 327 episódios das séries "Grey's Anatomy", "House, M.D.", "Private Practice" e "E.Room".
Os programas têm grande audiência na TV dos EUA e são exibidos em vários outros países, incluindo Portugal. De acordo com a pesquisa, nos episódios estudados houve 59 convulsões, das quais 51 ocorreram dentro de hospitais, e quase todos os primeiros-socorros foram prestados por enfermeiras e médicos.
Os procedimentos utilizados, contudo, fogem do recomendado pelos profissionais da saúde.
Conclusões: em 25 casos os médicos tentavam segurar a pessoa, impedindo os seus movimentos involuntários, ou colocavam algo na boca do doente. Em apenas 17 convulsões os primeiros-socorros foram prestados de forma adequada, e em 15 casos não foi possível sequer determinar se os procedimentos eram correctos, informa o estudo.
.
.
Então, como agir?
A primeira lição no caso de convulsões é não tentar segurar a pessoa que está a sofrer um ataque. Deve-se afastar objectos que possam magoar a vítima. Colocar algo macio sob a cabeça para evitar traumatismos protegendo a cabeça da pessoa com a mão, roupa, travesseiro, etc.
NUNCA tentar pôr nada dentro da boca boca e, sobretudo, não dar qualquer medicação pela boca. A fazê-lo, use a via rectal (supositorio de diazepam, por exemplo)
Para facilitar a respiração e evitar a aspiração de saliva e alimentos, recomenda-se colocar a pessoa de lado.
Desapertar roupas.
Reduzir estimulação sensorial (diminuir luz, evitar barulho); Permitir que a pessoa descanse ou até mesmo durma após a crise;
Procure o médico assistente logo que possivel.

Segundo a fundação, e é verdade, embora seja algo assustador para quem vê, convulsões não são emergências médicas.
Só é necessário levar a vítima ao hospital ou chamar uma ambulância quando a pessoa é portadora de diabetes, está grávida ou tem febre. Ou se se repetirem.
O caso também pode ser considerado emergência quando a convulsão é causada por algum problema externo grave, como insolação, pancadas na cabeça ou envenenamento.

3 comentários:

san(T)os disse...

não sabia disto! interessante... obrigadíssimo por partilhar :)

Observador disse...

Mas passa pela cabeça de alguém aproveitar as séries de/sobre medicina para aprender a matéria?
Tenho a certeza que não.
Da mesma forma que ninguém vê os CSI's para aprender a resolver casos de polícia.

Cristina disse...

é evidente que não! as pessoas não vêm PARA aprender, aprendem, PORQUE estão a ver.