04 novembro 2009

e na hora de festejar, cada um deve contar apenas com o fígado que tem.


Li que o governo vai avançar com a proposta de legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Faz bem. Se a maioria absoluta já lhe conferia legitimidade para tal, a maioria relativa obriga a consenso com outros partidos e em consequência, alarga o leque da base eleitoral. Tanto de um modo como de outro, era obrigatório resolver o problema. Referendo? Considero ridículo. Os deputados estão lá para isso, para decidir sobre questões relacionadas com a vida dos cidadãos e responder às necessidades dos mesmos. E vendo bem, este assunto tem uma caracteristica excelente: não prejudica ninguém além de, por vezes, os próprios. Tal como nos casamentos hetero. Sendo assim, haja unanimidade na conjugações de ilusões, apenas.

5 comentários:

papoila disse...

Concordo.
Fica o assunto resolvido.

Mas, sempre achei curiosa esta vontade dos gays se quererem casar...porque os heterosexuais fogem do casamento como o diabo da cruz :) :) :)

Fado Alexandrino disse...

Mas, sempre achei curiosa esta vontade dos gays se quererem casar

Os gays não se querem casar, querem usar um símbolo para serem iguais eles que tanto querem ser diferentes.

Cristina disse...

Fado

eu cá aco que o que eles querem mesmo mesmo é ser iguais.

no meio de meia duzia de palhaços que gostam de folclore, há pessoas que gostavam mesmo é de fazer a sua vida sem serem notadas nem olhadas de lado.

o tal direito à indiferença. ;)

Fado Alexandrino disse...

Bem iguais temos que ser realista nunca serão, a Natureza é como é e não há volta a dar.

Agora mal a lei seja aprovada vamos assistir a um ilustre folclore nos primeiros três ou quatro casamentos.

Vai ser um pratinho para as televisões, se realmente fossem como dizes eles próprios mostrariam o seu desagrado por isso.

Veremos.

aNa disse...

Cristina
bem hajas por essa cabeça tão arejada!