15 outubro 2009

preparai os corpos e protegei o espírito

juro que quando li o texto da Laurinda Alves, pensei que estava a ler o César das Neves. Nada de novo ou surpreendente, até que o der terrorist resolveu perturbar-me a mente e atrapalhar a tranquila monotonia dos dias. É o que vale.

“Na boca ou na mão, eis a questão (…)”
“Depositar (…) na mão faz muito mais sentido hoje em dia do que metê-la na boca. Por questões de saúde e higiene, naturalmente, (…) mas também porque receber (…) na mão é tão digno como recebê-la na boca.”
“Acontece que esta liberdade paroquial permite que muitos paroquianos insistam em receber (…) sem lhe tocar com as mãos, obrigando o padre ou o leigo que dá (…) a depositá-la directamente sobre a língua.”

.

Entretanto, ocorreu-me outra coisa.......que vibrações obscuras dominarão Miguel Sousa Tavares na escolha das mulheres??

3 comentários:

Fado Alexandrino disse...

que vibrações obscuras dominarão Miguel Sousa Tavares na escolha das mulheres??


Cá por mim acho que é simples.
Fecha os olhos estica a mão e aquela em que tocar está escolhida.
Isto sou eu a divagar com o meu lado invejoso.

francis disse...

ostia coño... ;)

Anónimo disse...

Provavelmente semicerra logo os olhinhos deixando de ver logo no inicio :-)))

Um abraço grande Doutora..

intruso