01 agosto 2009

Do CalgaryHerald (link)


R ed Deer RCMP have taken the rare step of charging a man with aggravated sexual assault for allegedly having unprotected sex and failing to tell the woman he is HIV positive.
The Calgary man faces 11 counts of aggravated sexual assault, which allege the accused endangered his partner's life.
Spokeswoman Cpl. Kathe Deheer said the man and woman knew each other for a couple of weeks.
After the woman learned the accused had HIV, she went to the RCMP on July 29.
"I think people who have it (HIV) already know that they have to disclose, but I think the greater message is for people who might meet somebody, that they should have a dialogue with the other person and discuss their history and some of the intimate detail about them and straighten this out before," said Deheer.
Deheer said she could not elaborate on the couple's relationship or whether the woman has contracted HIV, the virus that can lead to AIDS.
"This kind of case is using sex as a weapon," said Danielle Aubry, executive director of Calgary Communities Against Sexual Abuse. "When you knowingly do this, you are committing a crime."
Gilles Marchildon, spokesman for the Canada HIV/AIDS Legal Network, said there have been about 90 cases in Canada in the past decade where such criminal charges have been laid. There have been five cases in Alberta since 1993, he said.
Former Roughriders linebacker Trevis Smith was famously accused of a similar crime and was later convicted of aggravated sexual assault for not disclosing to sexual partners that he is HIV-positive.

.
ora aí está uma atitude potencialmente dissuasora de comportamentos irresponsáveis, embora Gilles Marchildon, da Canada HIV/AIDS Legal Network diga o contrário, que não, que não é prevenção mas sim castigo.
É um castigo, sim. Mas não é exactamente essa a forma como a sociedade lida com quem tem comportamentos desadequados contra terceiros? Porque há-de aqui ser diferente? E se incentivamos a denuncia da violência doméstica e da pedofilia e dos maus tratos a crianças, na esperança de que a perspectiva da punição leve o potencial criminoso a pensar duas vezes, porque não se incentiva a denûncia em relação a este crime? Em que é que é diferente? Pergunto. Embora tema a resposta.

6 comentários:

Pêndulo disse...

A pergunta até é parva porque a resposta é tão óbvia. É só tirares os "se" e os pontos de interrogação do teu texto.

dalloway disse...

Acho as suas perguntas muito pertinentes. Aliás, o post é pertinente e caustico!
As respostas até podem parecer obvias como diz o Pêndulo, mas não me parece que sejam e acho mesmo que a Cristina tem toda a razão em temer a resposta.

São perguntas que nos remetem para problemas transversais da sociedade e quando o assunto roça a intimidade (sexo, poder, abuso "entre quatro paredes"), mais complicado se torna a justiça fazer-se ouvir ou criar precedentes. Foi assim com a violência doméstica e com a pedofilia. Foi preciso muito tempo para percebermos que a violência doméstica era crime punivel por lei, idem com a pedofilia...

"...using sex as a weapon". Só de imaginar até onde pode ir a falta de escrupulos de certas pessoas é assustador. Angustiante.
Não tenho qualquer tipo de dúvida em achar que se deve denunciar este tipo de crime que deve ser punido como outros citados. Não vejo diferença. Caramba!!

Mas depois de ouvir falar de dadores de sangue, de represálias e comportamentos pouco dignos de confiança, é caso para dizer que as suas questões acabam por ser representativas do mundo que vivemos, onde a palavra de ordem parece ser: 'salve-se quem puder'!

Cristina disse...

Pendulo

pois é....agora vai lá dizer isso às associações de defesa dos direitos dos seropositivos...

Cristina disse...

Dalloway

justamente. basta passarmos pelas caixas de comentarios de blogues tipo Jugular e lê-se coisas em que nem se acredita. do tipo, já que são discriminados deviam era mentir e esconder a sua condição de seropositivos, por exemplo. porque coitadinhos são discriminados. aliés, como se defendeu no caso do cozinheiro cujo contrato não foi renovado depois de saber que ele queria esconder a doença do patrão..

é extraordinário o sentimento de vingança nos proprios e nos que os defendem. é a loucura e a insanidade total.

é exactamente por isso, como percebeu, que até tenho medo das respostas. porque há-de haver quem defenda que a culpa é de quem não tem doença e não se protegeu e que têm direito à confidencialidade. sim, ELES têm direitos.


acho que tenho que deixar de falar nestes assuntos, que me faz mal ao estômago. ou mudar de profissão...

Pêndulo disse...

Falaste no Jugular e eu já o tinha referido anteriormente pois também fiquei estarrecido. Lêem-se por lá coisas de perfeitos criminosos e de incitadores ao crime. Eu nem me atrevi a comentar, achei inútil. Aquela gente tem mentalidade de bulldozer sem se desviar um milímetro e atropelando todos.
Sabes o que vem ao pensamento ao ler?
"Havias de ter um acidente, levares uma transfusão e apanhares uma dessas doenças que te fizesse morrer aos bocados, bem dolorosamente".
E não me agrada quando penso coisas assim. O que vale é que o meu desejo não se concretiza porque ainda há um Olim há frente do Instituto Português do Sangue.

Pêndulo disse...

E também não me agrada aquele "há" em vez de "à".
Enfim, sou um desagradado :p