23 julho 2009

Look Good...Feel Better

Tomem nota:
Look Good...Feel Better.
Uma ONG cujo trabalho consiste em ajudar a levantar a auto estima de mulheres que sofrem de cancro através de workshops que ensinam as doentes a melhorar o visual, que muitas vezes sofre com os tratamentos de quimioterapia.

"Após o choque do diagnóstico de cancro, muitas mulheres ficam devastadas com os efeitos colaterais do tratamento, que podem alterar dramaticamente a sua aparência e auto-imagem, como a perda de cabelo, sobrancelhas e pestanas. Estas alterações podem ser particularmente difíceis de lidar", diz a ONG.
A organização acredita que uma auto estima em ordem ajuda as mulheres que batalham contra o cancro a sentir-se melhor, o que por sua vez ajuda no tratamento.
Nos workshops, que são gratuitos, as doentes recebem orientações de profissionais de estética sobre como cuidar da pele e das unhas, que ficam fracas durante a quimioterapia, como se maquilhar e como amarrar lenços na cabeça ou escolher perucas para quem quiser esconder a falta de cabelo.
Além disso, ganham como presente uma "goody bag" com produtos doados por várias empresas da área de beleza.
A ideia não pode ser melhor...a Look Good...Feel Better já existe em 20 países.
Mas há uma versão espanhola, como sempre.
fonte BBC

8 comentários:

dalloway disse...

Fantástico!

Passamos a vida a dar as coisas como adquiridas e quando o cabelo cai, as sobrancelhas, pestanas e todo um turbilhão de sensações psicológicas...é que percebemos melhor o quão importante é esta ajuda.

Rapei o cabelo à tia antes mesmo da quimioterapia para mais tarde começarmos a brincar às manicures e maquilhadoras. Os olhos azuis ficaram mais expressivos, o sorriso mais terno e os lenços (só em deterrminadas situações) eram cheios de vida e vontade própria.

O corpo fica com outro cheiro e a pele vai escamando ou, como dizia a tia, "parece a cobra quando muda de pele". Os cremes eram escolhidos com todo o cuidado, especialmente pelo cheiro e possiveis reacções adversas mas bom mesmo eram as conversas que surgiam ao longo deste processo de produção. Senhora gaja que se preze sabe rir e mandar passear a tristeza e caminhar porque o caminho faz-se andando.

Cristina disse...

"Passamos a vida a dar as coisas como adquiridas "

eu não Dalloway. sempre tive noção pelo contexto profissional e infelizmente por experiencia propria que tudo é extremamente fragil. horrivelmente fragil.


na pediatria do IPO, ha um barbeiro que faz uma visita aos novos hóspedes. dificilmente poderei descrever essa visita...

dalloway disse...

É isso Cristina. Por vezes precisamos de sentir na pele para finalmente percebermos que tudo é horrivelmente fragil.

Cristina disse...

ha lições que não se aprendem de outro modo, de facto.

um beijo

dalloway disse...

dois beijos

Cristina disse...

Baby, bye bye /Abraços na mãe e no pai / Eu acho que vou desligar /As fichas já vão terminar

dalloway disse...

Ainda por cima é poeta!

:)

Melancia disse...

é sempre bom saber disto...
vou divulgar pelos meus lados.
e, infelizmente, dar conta disto a uma amiga.