30 julho 2009

A ler

Sem imagens porque o assunto é sério fica o link para uma entrevista a Gabriel Olim, Presidente do Instituto Português do Sangue, que tem estado no centro da polémica. Uma entrevista em que tudo é dito de forma clara, directa e sem floreados.
Esta entrevista ainda me convenceu mais do que já estava da sua imensa razão.


E, por favor, não vejam no que digo discriminação.Sou totalmente a favor de direitos iguais para homossexuais embora tenha reservas quanto à adopção. Não por eles e elas mas pela restante sociedade que faria um escarcéu danado. Também afirmo, quanto a adopção, que não serão os pais no topo da lista. Só deverão adoptar se não houver casais hetero que reúnam as características desejáveis para a criança específica em questão.

Também me irrita como o caraças ter sentido a necessidade de escrever o parágrafo anterior...

18 comentários:

dalloway disse...

Não percebi porque é que o Pêndulo sentiu necessidade de escrever o parágrafo.

Quanto á entrevista. Gostei especialmente da forma directa como respondeu a algumas perguntas.
Continua a ser dificil ler e saber que, relativamente ao VIH, Portugal está no 52º de 53 paises da Europa.

Faço parte daquele grupo de pessoas que não vê nesta decisão uma discriminação.

Pêndulo disse...

Cara Dalloway
Senti porque, infelizmente, paira um maniqueísmo aterrador na sociedade portuguesa. Se se exprime alguma opinião de acordo com os homossexuais é-se mimoseado com insultos de "paneleiro", "bicha" e coisas piores. Se se expressa algo em desacordo com os arautos dos homossexuais é-se "homofóbico", "atrasado" e outros mimos.
Veja, como exemplo do segundo caso, os links em baixo do Jugular. Quanto ao primeiro caso nem é necessário mostrar nada.
Além disso suspeito que haverá entre os leitores e leitoras do Contracapa elementos da comunidade LGBT e eu, neste tempo de reacções insensatas, quis precaver-me.

Link 1
Link 2
Link 3

dalloway disse...

Pêndulo,
Obrigada pelos links e por ter explicado a razão do seu parágrafo. Seria bom que fossemos capazes de respeitar a opinião dos outros, mesmo quando é contrária à nossa mas mais dificil se torna quando a base da questão é o comportamento sexual.
Sexo é sempre um assunto complicado de debater.

Quanto ao links e respectivos comentários, gostaria de deixar dois:

"Neste caso parece-me assustador que a hipotese de haver sangue contaminado nos hospitais possa depender da honestidade dos dadores. " (Rui Herbon)

"Só para dizer que sou homossexual e não me sinto discriminado. Mais: gostei da entrevista. É uma entrevista responsável e não tem nada de homofóbica." (aorta)

Piotr Kropotkine disse...

esta questão mereceu o reflexo pavloviano dos "activistas" que partem duma premissa implícita que é a de que tudo o que se refere à homossexualidade releva de um desígnio superior e duma escatologia final.... portanto intocável e quem não concordar é um ultramontano troglodita e tal e coisa...

a questão deve ser colocada (como é na entrevista e em geral pelos médicos) não há um direito a dar sangue ...há um direito a receber sangue limpo... o resto é obeççaçãoe de militante .....

Piotr Kropotkine disse...

e eu como já recebi litradas dele....até se me arrepelam os cabelos por pensar que o que recebi depndia da candura dos dadores .... e em face de declarações dos "militantes" que "ameaçam" responder com tangas às perguntas de triagem até me arrepia a espinha.....

só não os mando levar adonde levam as galinhas por que é redundante..... (mas o insulto é pra valer...)

Rosalina Simão Nunes disse...

Alô.

Imagina, Pêndulo, que te confundi com a Cristina. :))))

Hoje, de manhã, quer dizer não foi bem de manhã... Ou melhor já não devia ser mesmo manhã, manhãzinha...Comentei no FaceBook este post, esquecendo que o post poderia ter tido outra autoria, sem ser a da Cristina.

Apercebi-me disso agora, pelo que peço as devidas desculpas, e transcrevo para aqui as palavras que lá deixei, substituindo a referência inicial à Cristina pelo do teu nick.

Aqui vai:

Também li a entrevista, Pêndulo. E acho que nesta matéria é mesmo preciso responder assim. Não se pode brincar com a vida dos outros. De lamentar seria que alguém no lugar de Gabriel Olim tivesse outra atitude.

Para mim, o melhor da entrevista, aquilo que prova que não há discriminação é esta pergunta e resposta, já na recta final da entrevista:

"Não prevê nenhuma mudança?... Ler mais

No dia em que for possível detectar uma infecção no mesmo dia o problema ficaria resolvido."

É tão transparente o raciocínio que irrita mesmo teres tido necessidade de escrever o tal parágrafo.

Pêndulo disse...

Rosaqlina, eu para ser Cristina tenho falta de umas coisas e outras a mais :)

Cristina e comentadores

Já repararam que há "muito boa gente" (como se costuma designar) que não se importa nada de colocar a vida de outros em risco apenas para defesa de uma suposta igualdade? É a génese dos Stalin, Mao e Hitler, capazes de matar.

Cristina disse...

P

penso que isso é o que temos que ter como mais certo. tenho a certeza disso até pelo dia a dia e pela inconsciencia que vejo pairar e a leveza com que se diz "não tenho nada que informar ninguém, os outros que se defendam". é isso mesmo que vês pessoas com responsabilidades e que até fazem opinião dizer e defender.
tudo isto para dizer que, esta atitude só reforça em mim a ideia de que TODOS, mas todos, os cuidados são poucos com esta malta. quanto à sua orientação sexual, OBVIAMENTE que pouco me importa qual seja desde que não coloque em risco a vida dos outros. e só.

Fado Alexandrino disse...

Não é preciso dizer mais nada, a Cristina já disse tudo, mas podem ler aqui um interessante apontamento.

Rosalina Simão Nunes disse...

Bom dia.

Nós 'olhamos' para as coisas consoante a nosso percepção das mesmas e somos mais ou menos assertivos, dependendo da nossa capacidade de ler objectivamente os factos.

Julgo que mesmo sem o conhecimento pessoal da situação que a seguir vou relatar, a minha leitura da situação seria idêntica àquela que faço. No entanto, e em relação ao que se está discutir, tenho a certeza de que a minha leitura é influenciada por essa ocorrência.

Em tempos tive um primo que poderia ter hoje a idade do meu irmão, 38 anos. Poderia, ou não, estar casado, poderia ou ter uma filha, como o meu irmão já tem.

Mas não está.

Morreu.

E morreu com Sida. Tinha 18 anos.

Tinha comportamentos de risco? Não.

Recebeu transfusões de sangue? Sim.

Era hemofílico. Recebeu sangue contaminado.

Portanto, só tenho a lamentar, em nome da mãe, pai e irmãs do João, que, na altura, quem estivesse à frente do Instituto Português de Sangue, não procedesse como Gabriel Olim.



1986
Maio

A Associação Portuguesa de Hemofílicos (APH) envia uma carta ao Ministério da Saúde, tutelado por Leonor Beleza, pedindo análises ao Factor VIII (substância necessária à coagulação do sangue, utilizada pelos hemofílicos) por suspeitas de contaminação pelo HIV.



1987
Fevereiro

Leonor Beleza manda retirar o Factor VIII contaminado do mercado português.

francis disse...

Não era mais fácil recolher o sangue, analisá-lo e aceitar ou não ?
Não é o que se faz aos que são aceites em candidatura ?
Ou é bom ou não. Isto é independente das nossas orientações sexuais.

Cristina disse...

Rosalina

pois é, quando lidamos de perto com as consequencias, tornamo-nos menos tolerantes com alguns comportamentos desculpabilizantes.

Cristina disse...

Piotr

também a mim, podes crer. só não entendo porque raio os homossexuais, e falamos dos masculinos, resolveram agora embirrar que tinham que dar sangue!, xiça, isso já diz bem do que vai naquelas cabecinhas, ja que deviam ser os primeiros a dizer que na duvida não dariam. isto se fossem pessoas de bem, mas não é o que mostram, os que fazem barulho, claro.

Cristina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Piotr Kropotkine disse...

eu tenho alguns amigos homemssexuais daqueles que acham as parades coisa de muito mau gosto e de exibiçiunismo bacoco e que não tem "parceiros" porque vivem com o mesmo gajo há tanto tempo quanto eu vivo com a minha mulher e se manifestam pouco e acham que a declaração de orgulho por ser gay tão idiota como um gajo declararçe orgulhosos por ter pé de atleta ou coisa açim ....um ou dois deles (com quem falei ultimamente) acham estes marmelos dos "activistas" e seus defensores histriónicus à la bloco umas bestas que seriam os primeiros a perguntar de quem era o sangue em caso de precisarem dele.....

Cristina disse...

Francis

mas isso faz-se, deus nos livre que não se fizesse. a questão é: os testes são muito caros, embora não se fale nisso. portanto, não podes recolher sangue de TOOODA a gente e fazer milhares de analises. isto ultrapassa-se com uma triagem porque muitos ficam excluidos à partida.

e, os excluidos à partida, são aqueles que têm maior probabilidade de ter infecções. se tens duvidas sobre o risco, podes aceitar e fazer os testes. mas....e se os testes são negativos e tu tens ali um individuo que diz que ja teve relações com homens?

essa é a questão. os negativos.

porquê excluir?

porque tal como diz o outro mongas de que eu falei ha uns posts atrás, os homosexuais têm maior indice de infecções por virus da hepatite, por exemplo. e, não sei se sabes mas nós sabemos, ha pessoas com hepatites (A B C D E etc,) que ha uns anos nem se sabia que existiam. percebes? há muitos virus, que estas pessoas têm em maior percentagem que as outras, que não se detectam. e o Olim explica bem que, de entre as praticas sexuais, ha umas mais violentas que outras, nomeadamente as anais. facil de entender, acho eu.
mais ainda, ha tempos também, deixei um link sobre um estudo em relação ao comportamento sexual dos homossexuais. se falares com eles percebes isso e nem precisas de estudos. quase todos referem, em alguma fase da sua vida, um comportamento promiscuo,mesmo que agora não o tenham.
ora isso eleva substancialmente as hipoteses de terem apanhado uma infecção viral qualquer não detectada no momento da colheita.

isto ja vai longo, portanto estás a ver que são tantas duvidas que não sei porque raio os gajos embirraram que haviam de dar sangue quando qualquer cidadão hetero, perante as duvidas e uma recusa, aceita pacificamente. sem dramas.

é uma questão de risco.

e digo-te que cada vez me irrita mais esta malta que se acha acima de tudo e não tem o minimo respeito pela vida dos outros. porque o facto é que não tem.

Cristina disse...

Piotr

desses também conheço, uma minoria.

o resto, são exactamente esses histéricos que seriam os primeiros ratos a fugir, é que nem duvides.

francis disse...

My mistake, eu quando digo recolher e analisar, digo todo. Ok, não dá, é caro. Tenho que aceitar.

De todo o modo obrigado pela explicação. Foi esclarecedora.