17 julho 2009

a ignorância e a irresponsabilidade desta gente, é de vómitos



felizmente, ainda alguém continua a manter o bom senso, porque quando ele acabar estaremos mais perdidos ainda do que já estamos, em termos de infecção HIV e outras viroses nomeadamente da Hepatite.

O Coordenador Nacional para Infecção VIH/Sida , Monteiro Barros, garante que os homossexuais não são grupo de risco na doação de sangue. ESPANTOSAMENTE, diz o senhor, Enquanto grupo, os homossexuais têm prevalência mais alta de algumas infecções, nomeadamente de hepatite. Isso é um facto (diz o próprio!!!). Mas não podem atacar as pessoas por grupos, por segmentos, mas apenas ver individualmente se têm comportamentos de risco.
Ora, tendo em conta que ter prevalência mais alta de hepatite é UM FACTOR DE EXCLUSÃO na doação de sangue, e tendo em conta que pode haver hepatites virais não detectadas na análises habituais, é assim que, por exemplo, pessoas com alterações das enzimas hepáticas vulgo transaminases não podem dar sangue, precisamente porque não sabemos o que pode "sair dali", mas mesmo não tendo, e se o risco está aumentado, faz com-ple-ta-men-te todo o sentido que grupos com esse risco aumentado, por precaução, não dêem sangue! É difícil de entender? Mas quando é que esta malta percebe que tem que ajudar a proteger a população que recebe sangue?? Jesuss!! Lá vamos nós com mais uma onda de desculpabilização. Lindo.

E alegremente nos primeiros lugares da infecção HIV e Hepatites, na Europa. Claro.
.
[...É ainda importante que se perceba que se dar sangue não é um direito inalienável de qualquer pessoa, receber sangue com a menor probabilidade possível de conter algum destes riscos infecciosos é um direito de todos e um dever dos responsáveis de saúde.

Não se trata de discriminação dos comportamentos ou das escolhas de orientação sexual, trata-se de usar os meios aos dispor da comunidade científica para a redução máxima do risco de um acto médico, que tem sempre riscos....]

15 comentários:

Pêndulo disse...

Ui! Se a Câncio lê isto morde-te nas canelas eh eh eh.
Ela e mais o "lobby gay"

Nota: "lobby gay" refere-se ao grupo de pessoas que sublima a homossexualidade ao ponto de parecer um estado mais avançado da evolução humana e não, como é, uma forma diferente da maioritária mas totalmente legítima de sentir a sexualidade.Com os seus horizontes e limitações específicos.

Cristina disse...

Pendulo

é verdade, são seres superiores.

os que alem disso são doentes, coisa que não aceitam, têm todos os direitos dos outros, saudaveis.

e mais. é que ja quase conseguiram convencer o povo de que quem tem culpa de se infectar são os outros. eles têm todos os direitos de fazer tudo, de se calar sobre a sua doença,e de fazer tudo o que a população normal faz. e se te infectares..... o culpado és tu que não te protegeste.

nem duvides.

Pêndulo disse...

Já veio o Miguel Vale de Almeida, no Jugular,exigir a demissão do presidente do Instituto de Sangue por ter dito aquilo que até poderíamos chamar "verdades de La Palisse" como “Por razões anatómicas, os homens estão mais expostos a doenças graves que possam ser transmitidas”, afirmou»"

http://jugular.blogs.sapo.pt/1052493.html

Cristina disse...

loooooooooooooooooooooool

o problema, é que como não querem de forma nenhuma aceitar o que a comunidade cientifica tem como certo, que são potencialmente doentes e transmitem doença, metem sempre os pés pelas mãos. e como não sabem do que falam, pior ainda. estes são os representantes dos grupos de risco, uma miséria e um perigo publico.

dalloway disse...

Isto faz-me lembrar o debate que tivemos no CC acerca de alguns serviços de sangue recusarem doadores homossexuais masculinos. Na altura a palavra de ordem era DISCRIMINAÇÃO.

Termino com palavras da Dra Cristina Vieira

"Em medicina, existem estatisticas, estudos de prevalência, estudos de comportamento e de risco. E é a partir daí que se estabelecem critérios e tomadas de decisão."

Pêndulo disse...

Pronto, a Câncio já já fez o seu post>

A este trecho :

uma coisa é dizer-se que existem normas internacionais com as quais portugal tem (terá?) de se conformar, outra é afirmar bizarrias como 'por razões anatómicas, os homens estão mais expostos a doenças graves que possam ser transmitidas'. como é que é???!!!!

Valerá a pena explicar-lhe a "bizarria" com detalhes ou, para que compreenda mesmo bem, muito simplesmente dar-lhe este conselho?

Cristina disse...

P

a Cancio não aguenta uma discução técnica, que é o nível em que eles querem defender-se, logo, como já assististe, é impossivel discutir com ela, até porque ela não reconhece a ninguém autoridade para a contrariar..

Pêndulo disse...

Estive a ler a notícia que citas

Será que o "jornalista" que escreveu isto:

"Dados estatísticos desmentem Gabriel Olim

De acordo com o último relatório da Coordenação Nacional para a Infecção por VIH/sida, relativo ao ano de 2008, foram recebidas no Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge notificações de 2668 casos de infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH), dos quais 1201 (45%) diagnosticados nesse ano.

Dos casos notificados em 2008 (total de 1201), a categoria de transmissão "heterossexual" representou mais de metade (57,6%), a transmissão associada à toxicodependência representou 21,9% e os casos homo/bissexuais apenas 16,8%. "

não pensa uns breves segundos antes de escrever que as estatísticas desmentem?
1- Só está a analisar o HIV, Gabriel Olim falou de "doeças" no plural. Como bem disseste também há a as hepatites.
2- Mesmo que a estatística abrangesse todas as doenças colocar-se-iam as seguintes questões:
a)Qual a percentagem de homossexuais que ocultaram a sua tendência sexual?
b)Mesmo que nenhum tivesse ocultado para se poder afirmar o que o jornalista afirma teria o estudo de ter sido feito com um grupo constituído por 50% de homossexuais masculinos e 50% de heterossexuais masculinos. Sendo os homossexuais masculinos um grupo minoritário na sociedade só se houver entre esse grupo uma taxa de dadores de tal forma elevada que os igual em número aos heterossexuais é que o estudo permitiria tirar tal conclusão e apenas para o HIV.

Fado Alexandrino disse...

Bem, para em férias teres perdido uma parte preciosa de tempo para escreveres isto, devias ter ficado altamente chateada.
Com razão diga-se, cá fora é tudo muito bonito mas quem tem que lidar com os problemas é que sabe.

Fado Alexandrino disse...

Uma tristeza.
Em dois ou três blogs onde o assunto aqueceu e havia gente com imensas ideias e certezas contra a medida tomada esforcei-me por indicar o teu blog dizendo que aqui podiam colher muita informação e tirar dúvidas.
Provavelmente por erro disse que a autora era médica.
Vejo que ninguém quis vir aqui esmagar-te com os argumentos de mesa do café.

Anónimo disse...

Portanto estamos "nos primeiros lugares da infecção HIV e Hepatites, na Europa. Claro." Mesmo à frente daqueles países onde não existe esta proibição?

Cristina disse...

sim, em grande parte pelo comportamento verdadeiramente assassino de uma grande parte dos infectados com virus Hepatite B, C e HIV

Anónimo disse...

Significa, então, que a proibição não faz sentido. Pois a incidência é menor em países onde ela não existe. As explicações são outras.

Cristina disse...

Significa que, à luz da ciencia actual,em que cada vez se descobrem mais virus da hepatite, a proibição faz todo o sentido. TODO. Há mais explicações, obviamente, e esperamos não acrescentar às "mais explicações" mais esta desgraça especifica de não fazer esta TRIAGEM. Já basta o resto.


fiz-me entender?

Anónimo disse...

Aconselho a ler estes statements do Reino Unido e dos EUA..

http://www.blood.co.uk/pdfdocs/position_statement_exclusion.pdf
http://www.fda.gov/BiologicsBloodVaccines/BloodBloodProducts/QuestionsaboutBlood/ucm108186.htm
http://www.blood.co.uk/pdfdocs/msm_summary_of_policies.pdf