10 julho 2009

Gin, das ruas da amargura ao tratamento da malária.


Vem a propósito do Dry Martini e de como o Gin "é quem manda" nesta e num monte de outras bebidas famosas. No entanto, foi, de facto, imortalizado pelo Dry Martini, e resulta da redestilação de bagos de zimbro, seguida de aromatização com vários tipos de ervas e plantas. O vapor do álcool dos cereais passa por esses ingredientes que contribuem com oleosidade, aroma, frescura e a maciez necessárias para fazer um Gin de qualidade.
O principal elemento na elaboração do Gin é então o zimbro, uma fruta azul-esverdeada altamente aromatizada de um arbusto cultivado no norte da Itália, Croácia, Estados Unidos e Canadá. Os elementos adicionais botânicos mais usados são erva-doce, angélica, canela, casca de laranja, coentro e cardamomo. Cada produtor de Gin possui a sua própria combinação de elementos, em segredo, o que confere a cada marca um produto diferenciado.
O Geneve Gin é feito principalmente de "malt wine" (uma mistura de cevada maltada, trigo, milho e centeio) que produz um spirit encorpado semelhante ao malt whisky cru. Um número pequeno de Geneve Gin na Holanda e Bélgica é destilado directamente das bagas do zimbro fermentadas, produzindo um spirit de aroma particular .
A Destilação do Gin
Os Gins de alta qualidade são produzidos de uma única maneira: depois de uma ou mais destilações o spirit básico é redestilado mais uma última vez. Durante esta destilação final o vapor do álcool flutua por uma câmara na qual as bagas de zimbro e botânicos secos são suspensos. O vapor extrai os elemento aromáticos, óleos das bagas e temperos e depois passa pela câmara para chegar ao condensador. O spirit aromático resultante tem um grau notável de complexidade.
O controle de qualidade é feito através de amostragens regulares para verificação do grau alcoólico e por meio de testes de olfacto . É uma bebida que não necessita de envelhecimento e possui um grau alcoólico entre 40° e 47°.
A HISTÓRIA (daqui)
Tudo começou na Holanda, por volta do século XVII, quando o médico e cientista alemão Franciscus Sylvius começou a desenvolver um remédio para curar doenças do aparelho digestivo, lumbago, problemas de fígado, e outros. O remédio, feito à base de álcool de grãos e uma "frutinha" chamada zimbro, espalhou-se rapidamente pelas farmácias Amsterdão.

Em 1688, ocorreu na Inglaterra a Revolução Gloriosa, que destronou o rei James II e o substituiu pelo holandês Guilherme de Nassau e Orange, que se tornou então no rei James III da Inglaterra, Irlanda e Escócia. Após a sua ascensão ao trono, seguiu-se um período de abertura de mercado para produtos holandeses, tendo o remédio do Dr. Sylvius passado a ser consumido na boa e velha Albion.
Esse remédio/bebida era até então conhecido como "Genever", por causa da palavra francesa para zimbro (foto), que é "genévrier". Até hoje, na Holanda, se produz o Genever, com álcool de centeio e zimbro, e envelhecido em tonéis de madeira, o que deixa a bebida com um colorido semelhante ao do whisky escocês. A sua graduação alcoólica é relativamente baixa, e o sabor é bem diferente do Gin como o conhecemos hoje em dia.
Quando o Genever começou a popularizar-se na Inglaterra, o governo liberou a produção e impôs altas taxas de importação para destilados de origem estrangeira. A ideia era incentivar a economia local e também, criar uma utilidade para o cereal de baixa qualidade que não servisse para fazer cerveja. Por volta de 1740, a produção de Genever na Inglaterra já era seis vezes maior do que a de cerveja, e o baixo custo da bebida fez dela a favorita das classes mais desfavorecidas.

Nessa época, havia em Londres mais de 15.000 casas de bebida, e mais de metade delas vendia Gin. Foi então que surgiu a sua péssima fama: mergulhados em depressão e miséria, os pobres londrinos começaram a "afogar-se" no Gin, em bares que anunciavam "1 centavo para ficar bem, 2 centavos para ficar óptimo, com 3 centavos você desmaia" e ofereciam camas de palha para os clientes caírem com conforto. Desde essa época até hoje, os ingleses chamam aos bêbados "gin-soaked", e referem-se ao Gin como "Mother's Ruin" (Ruína de Mãe).
Sem a obrigação de seguir nenhuma espécie de regulamentação ou leis, os produtores de Gin criavam as misturas mais estapafúrdias para suprir a procura crescente por bebidas fortes e baratas. Para obter um sabor levemente semelhante ao do Jenever original, misturavam terebentina e outros solventes com água não-tratada e impurezas de todo tipo, criando verdadeiras bombas tóxicas na forma de bebida. A ingestão de solventes e produtos químicos pode trazer vários efeitos colaterais, entre eles a cegueira e a loucura. Por isso não é à toa que os bebedores de Gin faziam tanta confusão e tragédia: não era o zimbro que provocava isso nas suas mentes, mas sim a terebentina e outras porcarias que ingeriam pensando que era Gin.
Depois de tanto estardalhaço, não é de espantar que o Gin se tivesse tornado o bode expiatório de todas as mazelas sociais da Inglaterra. Apesar de não ser culpado pela pobreza daquele país, o Governo colocou nele a culpa de tanta tragédia, impondo leis e impostos proibitivos que quase interromperam sua produção. Isso deu origem a revoltas populares nas ruas, no que ficou conhecido como "A Revolta do Gin".
Logo após esses levantes, o governo começou a diminuir as restrições, e fez o que deveria ter feito desde o começo: restringiu a produção da bebida aos estabelecimentos que cumprissem determinadas regras de produção, e colocou as "Gin Shops" sob a jurisdição dos magistrados. Isso também minimizou a principal causa dos problemas causados pelo Gin naquele período: a péssima qualidade das bebidas produzidas.
.
No final do século XIX, já tinha sido criado o London Dry Gin, que é a bebida que chamamos Gin hoje em dia. Diferente do seu antepassado Genever, o Gin londrino é transparente, tem um teor alcoólico mais alto (por volta de 38 graus, assim como a vodka) e não é envelhecido em tonéis de madeira. Essa nova bebida tornou-se socialmente aceitável, e passou a ser vendida em lojas mais elegantes do que as Gin Shops de outrora. Nascia assim um dos destilados mais importantes do mundo das bebidas, que logo se espalhou por todo o mundo.
As colónias inglesas foram invadidas pela novidade, e o Gin passou a ser consumido em países tão distantes quanto a Índia, o Egipto e a Jamaica. Foi nos países tropicais que os colonizadores ingleses tiveram a brilhante ideia de usar o Gin para deixar mais agradável o amarguíssimo remédio que precisavam tomar para se prevenir da malária. Diluído em água carbonatada, o quinino deu origem à água tónica, que acrescida de Gin e limão se veio a tornar uma das bebidas mais clássicos e tradicionais do mundo: o Gin-Tónico.

14 comentários:

TH disse...

Parece que o Gin afinal tem uma história de vida :O

estou impressionado , obrigado pelo post :)

Ka disse...

ahhhhhh eu confesso que não li o post inteiro mas sou fã de um bom gin tónico ao fim da tarde e é uma coisa que lá em casa se toma por expl num dia como hoje :)

A fotografia está fantástica pois tem em destaque aquele que considero de longe o melhor Gin tendo apenas o senão se de ser um bocado mais caro que os outros.

E já agora falando em aperitivos há outro parecido com o Gin e delicioso: o Pim's!

Um excelente fim-de-semana!

dalloway disse...

Não fazia ideia que o Gin tinha tanto sumo!
Obrigada

(quando a Cristina começa a postar a estas horas...hum...não sei não...)

*não sei se é correcto dizer postar :(

Fado Alexandrino disse...

Adorei este post que bebi ontem à noite.
Fez-me lembrar o meu saudoso amigo Sjoerd Canninga que bebia (e ensinou-me) um cálice de genebra intercalando com uma cerveja bem fresca.
Era aquela que vinha naquelas botijas de barro.
Já gora fez-me também lembrar que a frase “a laranja mecânica” refere-se à cor e claro a cor refere-se à casa de Orange.
Á vossa saúde e aí vai a pergunta dos cinquenta euros.
“Porque é que a equipa italiana é chamada de esquadra “azzurra”.

dalloway disse...

Se eu começar a beber aquilo que vocês falam e já provaram...bem...é possivel que faça pior figura que o tal padre italiano!!!

Como se issso não bastasse, a malta no CC quando lhe dá prós copos fica cinéfila.

Esta capacidade alucinante e associativa do Fado (botijas de barro + cor da casa Orange = "a laranja mecânica") só é compreensivel porqueu ele bebeu o post ontem à noite.

Eu só do cheiro estou zonza e sou capaz de visualizar algumas cenas do "laranja mecânica" (não confundir com a equipa holandesa)

Eu sei a resposta à pergunta do Fado, tra la la la....vou ganhar cinquenta euros. Talvez dê para algumas destas garrafas (digo eu que não percebo desta destilaria)

Cristina disse...

não é por ser azul??

Cristina disse...

também encontrei isto:
Desta forma, a real família italiana, pertencente a Casa de Savoia, apresentava, desde as batalhas da Idade Média, as cores azul e branco em suas bandeiras e brasões. Como forma de homenageá-la, todas as seleções italianas em todas as atividades esportivas, coletivas ou não, utilizam o azul e branco. Assim, ficaram conhecidas como Azzurri.


ou há outra justificação alternativa?

Fado Alexandrino disse...

não é por ser azul??

Enganei-me, quer dizer não me enganei, tinha bebilido de mais.
A pergunta é porque é que equipa de azul?

dalloway disse...

Faducho, decida-se! e se conduzir não beba

Fado Alexandrino disse...

Cum diabo, ainda não passou, afinal a riquita já tinha dado a resposta antes de a pergunta ser feita.
Mudando de assunto, a laranja mecânica é um dos filmes sobre o qual já nada há a dizer, mas eu digo, aquela cena (entre centenas) quando o fulano chega todo pimpão à cadeia e pisa a linha amarela é fantástica.
Aquele guarda só quem conheceu ingleses pode perceber o lindo daquilo tudo e como a conversa é como as cerejas a linha amarela foi recuperada pelo Zappa no disco Joe’s Garage que já postei.
À Vossa!

dalloway disse...

Este Fado é uma preciosidade!

Cristina disse...

é meeeeeeeeeeesmo, Dalloway!

Fado Alexandrino disse...

Fui rever o filme.
Afinal a linha é branca.
Vou deixar de bebeler durante uns tempos.

Anónimo disse...

Eu Não sei o que seria da minha vida sem bagos de zimbro !!!!
Amo mtu td isso!!!


Bjos pessoal .. aproveitem bem o nosso maravilhoso planeta pode nos oferecer com os destilados de bagos de zimbro