30 julho 2009

"A confiança política podem retirar sempre, a técnica é que não".

Pois, ó Pêndulo. Eu também acho que é tão sério que deixo aqui a entrevista por baixo do teu post para quem não se der ao trabalho de seguir o link. Talvez assim leiam. Acho-a fundamental para que se perceba de uma vez por todas que a um técnico interessam pouco as bandeiras políticas e a estratégia d' o-coitadinho-do-discriminado-é-que-dá-votos.
.
É evidente que a exclusão é sempre por comportamento de risco, nunca por grupo de risco. Está provado - todos os meses saem relatórios - que o risco do homem que tem sexo com outro homem é grande. De tal modo que os ingleses publicaram em Março uma resolução para poderem perguntar explicitamente aos possíveis dadores se tiveram sexo anal ou oral com outro homem. E não é por terem nada contra os gays. Nós fazemos as palavras deles nossas. Há factores de risco identificados e são exactamente esses factores que procuramos detectar. A nossa missão é dar o sangue mais seguro possível ao doente. É para isso que estamos aqui. O doente tem esse direito.
Mas por que considera que ser homossexual é ter um comportamento de risco? A pergunta não devia ser: Fez sexo desprotegido, independentemente da orientação sexual?
Todos os dados apontam no sentido de haver uma maior liberalidade do comportamento das pessoas que têm sexo com outros homens. E vou evitar usar a palavra homossexual, porque parece que não é politicamente correcto. Por causa do politicamente correcto, quase nos falta palavras para usar. Não posso falar de selecção de dadores, que me chamam Hitler. Nós não temos absolutamente nada contra os homossexuais. A doação de sangue é feita sem olhar a religião, a partidos, a nada. É feita porque há pessoas que precisam dela. Todo o esforço tem que ser o de encontrar o melhor sangue. Mas então toda a Europa, todo o mundo está enganado? Países muito liberais, como a Holanda ou a Suécia, estão enganados quando dizem que esse comportamento é de risco?
Homens que têm sexo com homens são excluídos em toda a Europa?
São, excepto na Itália. É evidente que tudo é baseado na confidencialidade. O dador chega e são-lhe feitas perguntas que são muito embaraçosas para qualquer pessoa. Mas se a pessoa quer dar sangue, tem que fazer isto. Sabemos quais as situações de risco e temos que perguntar até chegarmos àquele ponto em que consideramos: tenho dúvidas. E, na dúvida, não aceitamos.
Qual é a pergunta que faz com que a exclusão seja pelo comportamento e não pelo facto de serem homossexuais. É-lhes perguntado se usam ou não preservativo?
Pode ser perguntado. Temos dezenas de médicos a fazer rastreios, cada um tem a sua técnica. É evidente que não podemos hostilizar o candidato, mas precisamos que tenha a certeza que não põe o receptor em perigo. Só seleccionamos o sangue que temos quase a garantia que é o melhor sangue.
Mas qual é exactamente comportamento de risco nos homossexuais que faz com que sejam excluídos?
Múltiplos parceiros, relações não protegidas, fazer sexo oral e anal.
Mas todas essas perguntas também se aplicam, exactamente da mesma forma, aos heterossexuais.
E nós perguntamos.
Mas não os excluem à partida.
Excluímos. Esse é que é o equívoco. Todas as pessoas que têm estes comportamentos são excluídas. A média de exclusão é na ordem dos 27% a 30%. Às vezes vamos a escolas superiores e excluímos 50% ou mais. Não é porque estejam infectados, é porque basta uma relação sexual não protegida nos últimos seis meses para anular a dádiva. É muito desanimador quando vamos a um sítio destes e metade são excluídos por comportamentos de risco. Mas há uma diferença. Estes são eliminados e aceitam, os homossexuais não. E dizem que é discriminação.
E quando a relação é protegida?
A relação sexual nunca é 100% protegida, isso é outro equívoco. Há preservativos que se rompem, pode haver fuga de líquidos, outros contactos. Não estamos a dizer que não aceitamos homossexuais, mas que não aceitamos comportamentos de risco.
Um casal homossexual com uma relação estável e sem outros parceiros tem mais risco que um casal heterossexual na mesma condição?
Essa é uma pergunta difícil. A verdade é que não temos ainda, apesar das tentativas, um questionário que nos permita fazer a divisão. O comportamento de risco é analisado e avaliado, não sabemos qual é o resultado. Pode ser aceite ou não ser. Se a pessoa diz que não teve outro parceiro e o parceiro também garante que não teve outro, a decisão pode ser a de aceitar. Mas a experiência também nos diz que relações que em princípio eram totalmente monogâmicas não são tão monogâmicas assim.
Mas isso para toda a população, independentemente da orientação sexual...
Sim, para toda a população. Agora o que os dados apontam - e é isto que as pessoas têm que aceitar, tenho pena, mas têm que aceitar - é que os homens representam 85% da prevalência da infecção. É a coordenação para o VIH que diz isso...
A coordenação diz que os homossexuais deixaram de ser o grupo de maior transmissão do vírus há anos.
Há um problema com esses dados. Não dizem nada, estão encriptados. Os dados dizem que 58% infectadas são heterossexuais e 16,6% homossexuais. Acha que em Portugal existe um homossexual para cada três heterossexuais?
Esses dados aplicam-se aos casos de infectados, não à população em geral.
Sim, são dos novos casos. E aqui há discrepância. As estatísticas internacionais dizem que dois terços do total de infecção em homens - são homens que tiveram sexo com homens. A taxa de infecção naquela população é muito elevada.
O coordenador é epidemiologista e diz que não há razão para a exclusão.
Eu prezo muito o professor Henrique Barros, é um homem competente e tem uma tarefa terrível que é conseguir tirar Portugal do lugar que ocupa na infecção por VIH. Estamos no 52.º lugar de 53 países na Europa. Foi uma herança pesada que recebeu e tem que lidar com ela. Mas outra coisa é a doação de sangue. Há uma posição de conforto que é não ter que assumir a responsabilidade pela segurança do sangue. Nós é que somos os técnicos desta área, nós é que temos que decidir, não é uma pessoa que tem a tarefa ingrata de lidar com o VIH.
O sangue é sempre analisado, incluindo o de um homossexual que mente?
As análises só por si não são suficientes para garantir a 100%. Entre o momento em que se dá uma infecção e o momento em que ela é detectada, há um período de janela em que não conseguimos detectar nada. No VIH, eram 21 dias, agora são sete. Mas, mesmo com a nova tecnologia, o teste não detecta hoje uma pessoa que se infectou há uma semana. Só uma história clínica bem feita e a auto-exclusão podem ajudar. Se uma pessoa vier para ver se dá positivo, a infecção pode passar. Por isso, fico estarrecido com afirmações de líderes de movimentos activistas que vêm dizer que vão passar a esconder o facto de serem homossexuais. E ninguém se revolta? Isto é deliberadamente querer introduzir no circuito sangue contaminado. Ética, moral e criminalmente pode ser processado.
Qual é a percentagem de casos positivos detectados nas colheitas?
No ano passado tivemos oito casos, o que dá um para 25 mil doações.
E eram homens que tinham relações com outros homens?
Alguns eram.
Mas também havia heterossexuais.
Provavelmente. As pessoas devem estar informadas sobre o que os especialistas consideram comportamento de risco e devem aceitar. Esse é o apelo que fazemos: aceitem a nossa opinião. Os especialistas não estão todos enganados.
Mas qual é a base científica na qual se baseia para dizer que os homossexuais têm mais comportamentos de risco?
Eu não disse isso. A evidência que temos são inúmeros trabalhos que mostram uma maior prevalência de determinadas doenças sexualmente transmissíveis, e por transfusão neste grupo de pessoas que tem este comportamento. Isso está mais do que provado.
Que gays têm mais sexo inseguro?
Os números mostram isso.
Os números da infecção?
Não só por VIH. A sífilis aumentou na Austrália e no Reino Unido, sobretudo à custa das relações homem com homem.
Assume que há uma descriminação, mas justifica-a por segurança.
Não discriminamos. Mas temos por obrigação garantir que fazemos tudo pela segurança. Mesmo sendo injustos para algumas pessoas que poderiam dar sangue mas que, na dúvida são excluídas. A malha é muito apertada. Quando uma pessoa se apresenta assumidamente como homossexual e quer dar sangue, eu interpreto como uma provocação. Quem quer vir dar sangue não vem com esta atitude.
Volto à pergunta inicial, a exclusão é por grupo ou comportamento? Nesse caso, a pessoa até pode praticar abstinência sexual.
Algumas questões não fazem sentido. Ter uma relação homem com homem e ser excluído para o resto da vida. Defendemos que haja uma certa abertura. Homens que foram violados, não devem ser excluídos. Se for esporádico, é justo? Não. Estamos a falar em aspectos técnicos e são os especialistas que têm o conhecimento e a população deve aceitar os conselhos dos especialistas.
Mas os especialistas dividem-se.
Não. Uma coisa é o aspecto técnico. Outra aspecto é o politicamente correcto. Mas quem segue o politicamente correcto não tem a responsabilidade que nós temos. Com os doentes não há lugar ao politicamente correcto, mas ao tecnicamente correcto.
Em 2006, o IPS mudou as regras.
O que fez foi retirar a palavra homossexual e substituir por comportamento de risco. Politicamente correcto. Na prática, manteve-se o mesmo.
Não prevê nenhuma mudança?
No dia em que for possível detectar uma infecção no mesmo dia o problema ficaria resolvido.
José Sócrates disse esta semana na Blog Conf que a decisão o chocou e que merecia estudo. Foi contactado pelo gabinete do primeiro-ministro?
Não. A ministra deu o seu apoio.
Não lhe foi retirada a confiança política?
A confiança política podem retirar sempre, a técnica é que não.

.
Sobre o assunto, ler o post da Sofia Loureiro dos Santos.

3 comentários:

dalloway disse...

O post da Sofia é tão directo, conciso e objectivo que me parece dificil não perceber o rigor e a preocupação que os tecnicos desta area procuram. "...trata-se de usar os meios ao dispor da comunidade cientifica para a redução máxima do risco de um acto médico..."

Há um comentário no post da Sofia que merece ser lido até porque é feito por alguém que é dador já a algum tempo e o seu depoimento parece-me importante. Entre outras coisas diz: "Penso, sem qualquer preconceito, que dar sangue é um acto de grande responsabilidade, aquele questionário que preenchemos, solitariamente, tem de ser preenchido com verdade sob pena de, com uma inverdade que assinalemos, estamos a cometer um crime." (Paulo Santiago).

Só assim pessoas como o Piotr, que já recebeu litradas dele, poderá e deverá sentir-se seguro todas as vezes que precisar de sangue. Que não se arrepelem os cabelos... dele e nosso!

Álex disse...

assertiva a Sofia Loureiro dos Santos!!! Claro como água.
Bom Serviço Público de ambos!

Anónimo disse...

Vamos a factos:
Percentagem de infectados por HIV em Portugal:
Heterossexuais: 36% dos casos
Homossexuais (todos masculinos): 12% dos casos
Toxicodependentes: 46%

Percentagem de homossexuais masculinos na população geral: 5% (se aceitarmos os dados dos movimentos gay, uma vez que os dados das organizações de saúde são muito inferiores - cerca de metade)

Ou seja: 12% dos casos de HIV concentram-se em 5% da população -homossexuais, enquanto 36% em 94,5% da população - heterossexuais (e 46% em apenas 0,5% -toxicodependentes).
Isto que dizer que a taxa de homossexuais infectados com HIV é 6,5 vezes (650%) MAIOR que nos heterossexuais.
Não é grupo de risco? É comportamento? Então isso quer dizer que os homossexuais são 6,5 vezes mais irresponsáveis que os hetero??
E quando aparecer a vacina? Se não há grupos de risco os homossexuais e toxicodependentes não devem ser privilegiados???
É o que dá colocar convicções à frente dos factos.

Há um mal entendido que vem da massificação do conceito de que o preservativo é 100% seguro. Havia os que acreditavam na infalibilidade do Papa, agora há também os beatos do látex, que acreditam na infalibilidade das camisinhas...
Ora todos os estudos mostram que o sexo anal aumenta em muito o risco de rompimento do preservativo e, mesmo com preservativo, a possibilidade de causar lesões sangrantes (logo mais risco de transmissão) e de passagem de infecções como herpes ou HPV. Por outro lado, havendo uma incidência de mais de 6 x de infectados com HIV na população homossexual, a probabilidade de haver um encontro com um infectado é muito maior. Isto quer dizer que MESMO USANDO PROTECÇÃO, o risco é acrescido, o que configura a situação de grupo de risco e não de comportamento de risco. Não me interessa o que dizem as comissões politicamente correctas, mas sim o que é a realidade.
Dirão que os heterossexuais também fazem sexo anal. Mas acontece que segundo as estatísticas recentes (ver Visão de há 4 semanas) apenas cerca de 20% o praticam e desses apenas uma minoria o fazem assiduamente, enquanto que nos homossexuais é a prática sexual corrente e mais frequente.
Portanto, mais uma vez se mostra que é sempre bom elaborar as ideias em função dos factos e não distorcer factos para encaixarem em ideias, por muito bem intencionadas que sejam. É que a verdade e a Natureza não têm moral.

Fernando Costa (médico)