26 julho 2009

além disso,


tenho estado também entretida com o meu Smartphone Palm (finalmente o tão desejado Palm mas tive que ir a Espanha para conseguir encontrar e até encontrei em saldo no Corte Ingles uma coisa que aqui parece inacessível), com sistema operativo Palm.
A facilidade de utilização, é quase infantil comparando com o windows mobile. Nomeadamente, o telefone e os programas técnicos. Não tem ambiente de trabalho, logo, os programas, aplicações e funções usados estão todos à vista mal se abre. Fantástico. Não consigo entender porque é que está em vias de extinção. Mesmo.
Uma outra coisa que facilita a escrita, mas isso é comum a todos os smartphones é o teclado Qwerty. Já agora, se também não sabiam, chama-se QWERTY porque são as 6 primeiras letras no teclado, e fui ver qual é o fundamento desta distribuição aparentemente anárquica das letras. Temos por experiência que é mais fácil de usar que um teclado em que as letras estão por ordem alfabética, como num telefone normal, mas não sabia porquê. É interessante.
Assim:
[WP] A disposição das teclas foi patenteada por Christopher Sholes em 1868 e vendido à Remington em 1873, quando foi visto pela primeira vez em máquinas de escrever.
Nesse layout, os pares de letras utilizados com maior frequência na língua inglesa foram separados em metades opostas do teclado. Ao alternar o uso das teclas, o arranjo evita o travamento de teclas nas antigas máquinas de escrever: enquanto uma mão acerta uma tecla, a outra localiza a tecla seguinte. É por isso que de facto, sem perceber alternamos a "batida" dos dedos entra a esquerda e a direita. Nunca tinha pensado nisso, mas também nunca tive nenhuma formação nesse sentido. Adiante.
O layout QWERTY é adoptado com alterações em algumas línguas formando os teclados AZERTY e o QWERTZ, em que as letras Y e Z estão trocadas. Símbolos, diacríticos e caracteres acentuados estão em posições diferentes nas variações internacionais do QWERTY.
Os teclados também podem ter outras variedade de arranjos de teclas. O mais conhecido é o Dvorak, que recebeu o nome de seu criador, August Dvorak. Uma disposição Dvorak coloca todas as vogais do lado esquerdo do teclado e as consoantes mais comuns do lado direito. As pessoas que preferem a disposição Dvorak dizem que aumenta a velocidade da digitação e diminui a fadiga (será?). De qualquer modo, o mais usado continua a ser i Qwerty.
E sobre teclados, é isto.
.

Adenda:

Prontus....inda mal uma pessoa descobriu que as letras não foram amandadas à sorte pra cima das teclas, e vem logo um gajo falar de testes feitos pela marinha dos US of A e segredos de estado e do biólogo Gould e mais o cientista político Frost...........fonix, frost tou eu........vou ali meter um dedo nas carnívoras já venho.

7 comentários:

dalloway disse...

Aqui está uma coisa que bem podia pedir-me até porque nesta fase a minha vida é passada entre Barcelona e Lisboa.
Ainda bem que vi a foto e li o texto para perceber melhor do que fala!
Depois disto vou ali descansar o único neuronio que tenho e imaginar o que eu poderia fazer com o tal de Palm...

Piotr Kropotkine disse...

mais intereçante ainda é porque é que o teclado Dovorak foi considerado perigoso! e os testes feitos pela marinha dos US of A foram considerados segredo de estado até 1980....

e porque é que todos os concursos de dactilografia começaram a ser ganhos pelos adeptos do teclado Dvorak até que os concorrentes do Dvorak (que morreu maluco e sem cheta ... e foi professor numa Universidade dos américas) eram assaltados antes dos ditos concursos e os dedinhos curiosamente quebrados ....

um dos contributos prá explicação foi dado pelo biólogo Gould e pelo cientista político Frost e por outros gajos de gestão do MIT (imagineçe) que revelaram que quando na tecnologia (utilização de técnicas por uma sociedade) se instala um design dominante (mesmo que seja um sub óptimo) a inércia social encarregaçe de assegurar que fica como standard mesmo em face de melhores alternativas (windows anyone?!)

neste caso dos teclados a Remington e a Royal cujos custos de reorganização da produção por causo do Dvorak eram inçanus resolveram a coisa com o aiutu da Máfia local...

e pronto sobre teclados é istu...

dalloway disse...

Eu não sei se me ri mais com a sabedoria do Piotr se com as ganas da Cristina em fazê-lo aos bocadinhos...

Como eu me divirto, caramba!

:))))))))

Pêndulo disse...

Ora bem, creio que o qwerty só começou a impor-se em Portugal com os computadores. Nas máquinas de escrever dominavam o AZERT e o HCESAR que seria o "teclado nacional".Pelo menos é do que me lembro.

Enquanto espreitava na wikipedia descobri que os qwerty de Portugal e Brasil são diferentes. Deve ser por causa do sotaque.

Fado Alexandrino disse...

Ainda bem que citam o HCESAR que foi mais uma contribuição portuguesa para o Mundo.
Se se sentem patriotas não vão ler a sua história.
Escrevi nele centenas de cartas.

Pêndulo disse...

Fado tinha acabado de descobrir isso e ia postar para pôr gente mal disposta eh eh.

Cristina disse...

lool, HCESAR é muito bom :)))

e eu a pensar que Salazar não tinha feito grande coisa pelo pais. afinal....:)))