24 junho 2009

há muitos muitos anos


que não sentia verdadeiro fascínio pela música de um compositor português. Gosto de muitas coisas, mas, nem sei bem se alguma vez o tive, até agora. Rodrigo Leão é uma pérola completamente à parte de tudo. Já tinha gostado dos primeiros discos, deslumbrei-me com o "Portugal retrato social", e agora isto. A mãe. Este disco é fascinante. Tem muitas coisas. Tem Cinema Ensemble (Celina da Piedade, Ana Vieira, Viviena Tupikova, Marco Pereira, Bruno Silva, Luís Aires e Luís San Payo), tem Neil Hannon dos Divine Comedy que interpreta «Cathy», tem o argentino Daniel Melingo que canta deliciosamente «No nada», e tem mais: tem Stuart Staples, dos Tindersticks, que eu a.d.o.r.o e a quem dediquei um post, a dar voz a «This light holds so many colurs».
Este encantamento com a música de Rodrigo Leão, talvez seja porque a sinto tal como o próprio a descreve:
«sempre muito abstracta, muito cinematográfica, no sentido em que transmite tranquilidade, podemos estar a filosofar, a pensar na vida, em coisas diferentes». Isso.
É como aqueles amigos com quem temos tanta intimidade que podemos estar um dia inteiro a fazer coisas diferentes, em silêncio, só pelo prazer de estarmos juntos.

Parem um pouco e ouçam.


this light holds so many colours - stuart a staples

3 comentários:

francis disse...

Brilhante.

Fado Alexandrino disse...

Coloquei o "Cinema" no meu blog.
É um artista excepcional.

Romeu disse...

Parabéns pelo bom gosto, que também partilho.
Como não podia deixar de ser, o novo CD já cá canta. Sublime