28 abril 2009

e aí está.


Transmissão pessoa-a-pessoa em evolução.
Resta-nos a esperança de que, o facto de ser um virus já conhecido (com algumas alterações) e para o qual já há alguma protecção pela vacina do Inverno passado, torne os casos existentes mais "leves", e que, se detectados precocemente, se tratem com eficácia e a tempo. Existem meios e planos de actuação, é preciso usá-los com tempo e sem alarmismo.
A palavra de ordem é
cortar a corrente dos contactos, evitar as zonas mais afectadas.
evitar aglomerados de pessoas.
recorrer rapidamente a uma instituição de saúde se a suspeita for grande.
Entretanto, foi criado um mapa do Google - por um utilizador, Niman, morador da Pensilvânia, Estados Unidos - que acompanha a evolução da gripe suína em todo o mundo. Até ao momento, o vírus já vitimou cerca de 149 pessoas, todas no México.
O H1N1 Swine Flu Map definiu uma legenda para acompanhar o vírus. A cor rosa é destinada aos casos suspeitos, a roxa para os locais em que a doença já foi confirmada e amarela para os casos negativos.

Quanto a Portugal, aqui ficam as afirmações utilíssimas de Jaime Mina, virologista do Instituto Ricardo Jorge
"Não é uma situação tão grave como a verificada em 1918, que era um vírus completamente novo e não havia nenhuma imunidade cruzada contra ele, e é mais grave do que o vírus do ano passado contra o qual todos tínhamos mais ou menos imunidade", acrescentou.
O virologista admitiu a possibilidade de poderem vir a ser detectados casos de infecção pelo vírus da gripe suína em Portugal, adiantando que o tratamento destes casos pode ser feito com recurso a antivíricos que existem no mercado como o Tamiflu, também usado no tratamento da gripe aviária.
"Se for dado no início o Tamiflu é muito eficaz, daí que Direcção-Geral de Saúde insista para que as pessoas que estão doentes vão rapidamente aos serviços de saúde. Se a pessoa ficar uma semana em casa, o antivírico já não faz nada", acrescentou.
Jaime Nina lembrou que existe "um stock bastante largo" deste medicamento na Direcção-Geral de Saúde para responder a uma eventual emergência.
"No caso de haver uma emergência para além do [Tamiflu] que há no circuito comercial há umas largas dezenas ou centenas de milhares de caixas armazenadas na DGS", disse.
Para já, segundo Jaime Nina a única forma que os médicos têm de distinguir a gripe suína de uma gripe normal é apenas com a informação de que a pessoa em causa esteve numa zona afectada.

O virologista lembrou que "o vírus da gripe não se transmite por via digestiva", sendo seguro continuar a comer carne de porco.
"Aparantemente[o vírus] tem mais apetência pelos humanos que pelos porcos. Está a circular nos seres humanos não há qualquer evidência que esteja a circular nos porcos", disse.
O virologista adiantou ainda que este não é o pior cenário em matéria de gripe, lembrando que a passagem do vírus da gripe das aves, o H5N1, aos seres humanos "seria uma situação muito mais grave" por se tratar de um vírus completamente novo.
"Este não é a as nossas defesas imunitárias, mesmo sem antivíricos, podem defender-se parcialmente", sublinhou.
Lembrou por outro lado, que "a haver um vírus esta é a melhor altura possível" por estarmos no fim da estação da gripe.

"Antes de vir o Verão, altura em que, no hemisfério norte, não há transmissão, o vírus tem muito pouco tempo para se propagar. Depois desaparece de circulação e temos uma série de meses para nos prepararmos e com um bocadinho de sorte em Setembro temos vacinas contra esta estirpe", concluiu.

5 comentários:

dalloway disse...

Este blog é tão bom, que até arrepia!!!

Cristina, hoje apetece-me dar-lhe duas grandes beijocas, daquelas que fazem barulho mas são muito carinhosas, tá a ver quais são?

Cristina disse...

sim, querida. estou a ver e agradeço. preciso horrores delas. :)

estão aqui dois bracitos ao dispor.

Anónimo disse...

Obrigado Cristina por este relevante exercício de cidadania. Bem haja!
Abraços
Pedro C.

Maria Faia disse...

Boa noite Cristina,
Passei por cá por indicação da amiga Carminda do Fórum Cidadania. E, ainda bem que passei porque, a informação que nos traz é muito importante para evitar o alarmismo que parece estar a ser criado em torno desta questão, apesar dos cuidados que devem ser seguidos e que claramente aqui nos indica.
Como diz o comentador que me antecede, este é um verdadeiro exercício de cidadania.
Muito obrigado.

Um abraço,
Maria Faia

Cristina disse...

Pedro e Maria

obrigada também pelo imerecido estatuto. trago apenas informações que me parecem úteis.

beijos