11 fevereiro 2009

A experiência de Pavlov


É só um político experiente achar que lhe dá jeito tocar a sineta e há logo quem, como aquele queria, comece a salivar.

E pronto, começou, cá vamos nós andar a debater como fundamental para a nação um assunto que terá directamente interessados uns 150 mil portugueses ou menos- talvez ainda menos que os professores da última grande manifestação.


Ficha técnica das causas fracturantes e dos defensores da moral: número de 150 mil baseado numa estimativa de 2% de população portuguesa homossexual dos quais 20% serão negacionistas da sua sexualidade e dos restantes 30% não estarão interessados em casar por opção ou por já serem de idade avançada. Obtemos assim 112 000 potenciais noivos/as em 10 milhões de portugueses.

6 comentários:

Álex disse...

ou então vamos debater a "lei Robin Wood" de tirar a uns pouquíssimos "ricos" para dar uns escassos cêntimos a uma classe média, a quem não aquecem nem arrefecem os tais dos cêntimos, e deixam-se os pobres na mesma... vide DN hoje
http://www.dn.sapo.pt/2009/02/11/nacional/socrates_tira_a_ricos_nao_ajuda_clas.html

Fado Alexandrino disse...

Oportunamente darei a minha opinião, por agora apenas uma boa gargalhada com o título do Correio da Manhã:

Sócrates quer casamento gay

o que me leva a pensar que aqueles números podem não ser de fiar.

Mad disse...

Esqueceu-se de contabilizar os amigos e familiares desses 2%, já para não falar dos que só querem viver numa sociedade justa. Chega com certeza aos 10%.

Mad disse...

Pensando melhor (a matemática não é o meu forte), acho que não conheço ninguém que não tenha um amigo gay. Não me diga que é o seu caso!

Pêndulo disse...

É o meu caso! Não tenho nenhum/a que se diga ou desconfie sê-lo.
O que me chateia nisto tudo é que, conforme eu disse, os directamente interessados são pouquíssimos e andam os tais 98% restantes a discutir se podem ou não casar como se isso os afectasse de algum modo.
Eu não quero saber se casam ou não ou quem amam ou com quem têm relações sexuais. Não é da minha conta nem me preocupa.
Querem casar? Que se casem. Que cataclismo virá daí?

Acho esta discussão tremendamente ridícula. Há uns anos a preocupação era onde os homossexuais homens metem a pila ou as homossexuais se esfregam. Agora parece mal falar disso e, no fundo, continua-se a falar sob a capa de "casamento".
Preocupo-me com a minha pila e com o meu casamento.
Não quero saber da pila dos outros nem dos seus casamentos.
Deixem todos casar e não se perca tempo com argumentos idiotas como casamento com cavalos etc.
Preocupemo-nos é com o desemprego que aí vem e com o Freeport e não salivemos à campaínha tocada por quem há poucos meses rejeitou o casamento homossexual.
Para esse peditório e cortina de fumo não dou.

dalloway disse...

Pois o que eu gostei mesmo mesmo mesmo foi a forma como o Pêndulo respondeu.