13 fevereiro 2009


Desafio tramado, este, ó Espumante! São seis características, pelo que percebi. Huuuum...boas ou más? Vou pôr as assim-assim...

-Adoro pessoas com sentido de humor e adoro responder em tom de brincadeira. O humor resolve qualquer constrangimento.

-Odeio injustiças. Ingratidões, igualmente. Duas coisas que tento fortemente combater nas minhas atitudes.
-Sou pouco (às vezes nada) tolerante com pessoas por quem não tenho grande consideração.
-Ao contrário do que possa parecer, vivo relativamente fechada no meu mundo, que abro poucas vezes.
-Gosto de pessoas, sou fiel às amizades, mas não corro atrás delas nem cobro o facto delas não correrem atrás de mim. São bem vindas quando quiserem vir. E por obrigação, nunca. Quem me conhece sabe que é assim.
- Estou geralmente de bem com a vida porque não acredito que ela me possa dar muito. Paz, já é uma bênção. Se houver momentos bons todos os dias, não peço mais.
Agora, outros seis que gostaria de saber como se vêem.
O Baidauei (quem sabe se ele não responde mesmo, ein?)
O Fado Alexandrino ( duvido.....mas gostava de ver a resposta, ó Fado!)
O Animal (este vai-me mandar dar uma curva, mas prontuus, não custa tentar)
A Joana Lopes (se pachorra houver..)
A aNa (no intervalo do namoro :)
António P. ( já que é sexta feira 13....)

6 comentários:

Animal disse...

curvas, agora num dá munto jeito, cando cumas vertiges esquisitas... deve ser cera a mais nazórêlhas ou muito ar à volta do neurónio...

mazé pra fazer uquiê?

Cristina disse...

lol...vertigens?? não tens uma explicação mais de acordo com as afiadas papilas gustativas tugas?? :))

era pra te veres ao espelho e dzeres qualquer coisa..

António P. disse...

Por ser 13 - 6ª feira, Cristina, guardo para amanhão ou depois a resposta ao desafio sejam eles "características " ou particularidades"...que não são exactamente a mesma coisa.
Bom fim de semana

Animal disse...

pá, tenho medo de olhar pró espelho: tá sempre lá um gajo mal encarado a olhar pra mim com um ar muito crítico...

Fado Alexandrino disse...

Eu, sinceramente, não me vejo de maneira nenhuma.

Aliás para mim um dos grandes mistérios é como é que as pessoas me conseguem ver de tão insignificante que sou.
Acredito que todo nu, no Estádio da Luz em dia de grande final e com um turbante de índio na cabeça ainda ia ser ignorado.

E falando nisso até que vou começar a pensar neste teste para a última jornada quando formos comemorar este campeonato que como dizia Churchil é de “sangue, suor, lágrimas e um bom pontapé em alguns árbitros”.

aNa disse...

como é para ti, amanhã estará respondido! :)
beijoca!