07 janeiro 2009

sendo assim, a gente agora interrompe a guerra


às 13h que é pra vocês irem lá alimentar os gajos! Pensavam o quê, que eramos alguns selvagens? Pois fiquem a saber que é contra os nossos princípios rebentar com tipos a cair de fome que apresentem sinais de falta de força nas canetas pra fugir......sim, que ele há mínimos....
.
mas aviem lá isso depressinha que os bombardeamentos recomeçam às 16...

14 comentários:

Desinformador disse...

Isto faz-me lembrar uma cena do Raul Solnado... um sketch sobre a guerra que está fechada até às 17h para a siesta...ou algo do género!!!

Animal disse...

e no sabath? fecham a guerra para descanso do pessoal ou fazem a coisa por turnos?

João Amador disse...

A guerra é um assunto sério, e os terroristas do HAMAS, não são diferentes dos que colocaram bombas em Londres e Bombaim. São igualmente cobardes, por se refugiarem entre a população civil e por tentarem usar essa população como escudo. São tão criminosos, como Mladic e Karadzic na Sérvia ao aprisionarem soldados holandeses para se proteger dos bombardeamentos da NATO. São iguais e não merecem perdão

Cristina disse...

tão criminosos como os israelitas, quer dizer...

isso sim, um país formado por bandidos e assassinos que entretanto se refinaram e muito. que a partir das fronteiras que lhes deram, numa só noite, por exemplo, avançaram e mataram tudo o que puderam...
que teve um chefe, até ha pouco tempo, que foi um dos maiores assassinos da história condenado pelos tribunais do proprio país, e não foi por matar israelitas. Ariel Sharon.

enfim, como "deus é grande", dizem, caiu nas mãos dos judeus que lhe cortaram o cerebro às postas e fazem questão de o manter a apodrecer em vida.

Manel disse...

A guerra é a guerra, quer seja no Céu quer seja na Terra.
No Olimpo, deuses como o Alá e o Jeová, entendem-se enquanto na Terra os seu devotos ou pseudo devotos, se matam uns aos outros estúpidamente.
Os Israelitas a tomarem posições no tabuleiro internacional e a fazem campanha eleitoral interna, matam cobardamente e indescriminadamente quando invadem as terras dos outros. Os Hamas, tão cobardes quanto eles escondem-se no meio da população propositadamente.
Puta que os pariu!
Cristina, desculpa o desabafo.

Manel

Ulysses disse...

Este é um problema muito complicado que certamente não terá um fim a curto nem a médio prazo. Aquela gente odeia-se há muitos séculos e as feridas são muitas. Ponho-me no lado dos palestinos e entendo a sua posição que reclamam a terra que lhes foi retirada e os os locais sagrados. Coloco-me no lado dos israelitas que são diariamente bombardeados com rockets e ataques suicidas e entendo o seu direito a se defenderem. Por outro lado, já não entendo qual o objectivo dos israelitas ao atacarem as zonas civis dos palestinos com uma tão desproporcional força. Penso que os israelitas vivos, nasceram todos naquela terra e logo, aquela é a sua terra. Assim sendo, eles não tem outro local para onde ir viver. Não podem sair todos dali e ir viver para a Lua ou para Marte. Assim como os palestinos tem direito às suas terras e aos seus locais sagrados, reivindicados à séculos. Entendo perfeitamente a frustração e a impotência deste povo, tão odiado por árabes e por judeus e que vive naquele enclave, com pouca ou nenhuma simpatia e ajuda das potencias ocidentais, que poderiam fazer muito mais e ajudar a criar um estado com fronteiras bem definidas e inquestionáveis, de forma a garantir a paz na região. Neste momento o ódio é tanto e mutuo, que não há saída para a situação a não ser a morte e a destruição. Paradoxalmente vejo entrevistas a israelitas a manifestarem o desejo de fazer o mesmo aos palestinos, que os nacional socialistas alemães lhes queriam fazer a eles. Penso que o que israel necessitava nesta altura, não era um muro, mas era um escudo protector, daqueles como há na guerra das estrelas, onde bala e granada não entra. Mas isso ainda não existe.

Saber mais sobre a Palestina

immortal disse...

nao sei se deva ter vergonha ou não, mas sou sincera, desde que comecei a ter consciência do mundo em meu redor, nunca consegui perceber o q se passa naquele lado do mundo, nunca soube perceber quem é o bom e o mau, talvez porque quem me instruía nestas questões também ter como que perdido o fio à meada e deixou de entender

João Amador disse...

É assim a vida, cheia de contradições. Quem surge aos olhos do mundo como vitimas num instante comete as maiores barbaridades no minuto a seguir.

Os bombistas suicidas de Telavive, de Londres de Bagdad ou de Bombaim, não deixam de ser terroristas e criminosos porque um Israelita também o possa ser. Mas ainda assim não consta que estes últimos costumem pilotar aviões cheios de inocentes contra paredes de betão.Factos são factos.

Na minha opinião o ininterrupto lançamento de rockets, acaba apenas para aumentar o òdio, a guerra e dificultar qualquer caminho para um entendimento comum.

Lembro-me sempre de Gandhi e dos MASSACRES dos nossos aliados ingleses contra os pobres dos indianos. No entanto, sem armas e sem bombas e sem terrorismo conseguíram vencer os Ingleses num espaço de tempo bem inferior ao que já dura aquele conflito na Palestina.

joao Amador disse...

«A Shi'ite Muslim man prepares to gash a baby's head with a knife, ahead of Ashura, in Amroha in the northern Indian state of Uttar Pradesh» [Telegraph]
Ver em http://jumento.blogspot.com/....dia 08jan09

mar disse...

Nesta guerra, como em todas as outras, quem mais sofre é quem nada tem a ver com o assunto.......

Anónimo disse...

-A história daquela zona do mundo não começou nos anos 48 e 49 do século passado;
-Os judeus já por lá andavam dez séculos antes de Cristo;
-Ensinou Mao Tze Tung que só se enfrenta um adversário quando temos forças superiores;
- Os palestinianos devem lamentar-se, essecialmente, do seu governo, que eles próprios escolheram (estariam como nós que, venha o Diabo e escolha).
- Se os palestinianos resolvem chatear não se devem admirar de levar em cima com todo o poder bélico de Israel: essa coisa de 2escolha a arma e o padrinho" já passou à história.
Pedro C.

Cristina disse...

Pedro

é verdade, os árabes têm muito que se queixar de si proprios sim.
ainda hoje devem estar para perceber como é que deixaram acabar uma das civilizações mais espantosas e evoluidas quando a Europa ainda nem sabia o que isso era.
paciência, agora vão perder tudo depois de serem completamente esmagados.

a não ser que o Irão consiga rapidamente poder atómico. aí..veremos.

Cristina disse...

Manel

à-vontade :))

Cristina disse...

João
eles não costumam pilotar aviões cheios de inocentes, eles matam os inocentes no chão mesmo.

em meia duzia de dias foram praí uns 400. ja nem sei em quantos vai, mas acho que se começarmos a contar mortos....nem fales nos EUA, o país que mais gente deve ter morto na história da humanidade.