29 janeiro 2009

inexplicável, estranho e de duvidosa coerência


.
Não concordo e entendo perfeitamente a posição do presidente do Conselho Nacional do Médico Interno que considerou esta hipótese uma injustiça em relação a quem não entrou na faculdade cá.
E é!
Vejamos um exemplo: Um aluno que acaba o secundário com média de 17. É uma média muito alta e este é seguramente um excelente aluno; no entanto, para este país, ele não é suficientemente bom para entrar numa Faculdade de Medicina. Vai para outra coisa qualquer. Enfermagem, psicologia, farmácia, biologia, qualquer coisa serve. Ou então, faz um curso técnico tipo fisioterapia, cardio-pneumo, etc... Ou desilude-se, arranja um emprego e borrifa-se nos estudos. Ou desilude-se e não faz coisa nenhuma, também acontece. Entretanto, um outro aluno que acabou com média de 13 e que tem uma família que até pode pagar, vai fazer o curso para Espanha ou República Checa, o mais habitual. Passado um ano ou dois, vem o governo português e convida-o a ingressar nas nossas faculdades que temos muito gosto em que acabe o curso cá....
Isto é correcto???
Porque é que o Ministério da Saúde, ou da Educação, ou quem de direito, não convidam a estudar nas nossas faculdades os tipos que se esforçaram durante o ensino secundário todo para chegar a médias de 17 ou 18, que bem mereciam, mas que depois vêm goradas as esperanças de fazer o curso de que realmente gostavam?? Isto sim, é ridículo! Mas enfim, neste país a inteligência transborda, podemos desperdiçá-la à vontade.....

19 comentários:

francis disse...

Quando li esta noticia lembrei-me logo de ti.
Óbviamente que é uma injustiça. Então agora que estamos à rasca de médicos mudamos as regras ? Tipico tuga.

E a tua opinião sobre as médias pedidas em Portugal ? Achas que são realistas ? Ou não há capacidade para ter mais alunos e eleva-se a média ?

Dúvidas de leigo.

Cristina disse...

Francis

são ridiculas. são ridiculas por duas razões fundamentais: precisamos de médicos e é uma loucura não permitir a tipos com media de 19 fazerem o curso que querem. nenhum país com um minimo de ordenação e gente inteligente à frente se daria a este luxo.

há pouca capacidade, mas há. as turmas podem ser maiores. os profissionais podem ser motivados a ensinar. nota: A FML tem os alunos no Amadora -Sintra porque ja não têm assistentes...pudera, não lhes pagam! e a nós também não, é só até nos fartarmos...


as condições podem ser criadas, se se ultrapassarem alguns medos de que se passe o mesmo que em Espanha, onde quem quer fazer o curso faz sem dificuldade e depois fica no desemprego...por isso é que eles emigraram para Portugal. O que também é extraordinario e diz muito da capacidade dos governantes, é que em meia duzia de anos quase resolveram o problema. muitos dos espanhóis estão a voltar.

mas enfm, não corremos esse risco nem correremos em breve. há uma massa enorme de médicos que se formaram após o 25 de Abril, quando havia cursos de 1000 alunos, agora são de cento e tal, e que estão a reformar-se. portanto, vamos passar outra vaga terrivel de falta de medicos.

para resolver o problema é preciso que dois ministerios tenham vontade: saúde e economia, que é quem lhes vai pagar. as vagas também dependem do tribunal de contas uma vez que o serviço nacional de saúde acaba por absorver a maioria.

outro problema é o surgimento dos hospitais privados. com a formação das EPE's e o acabar das carreiras medicas, os profissionais tendem a aceitar melhores contratos na privada. essa foi outra machadada na existencia dos médicos do SNS.

conclusão: ha trabalho para todos, no SNS e na privada. se descerem 2 valores que sejam à entrada na Faculdade, é o suficiente para se formarem os necessarios.

francis disse...

Estou esclarecido, muito obrigado.

Fado Alexandrino disse...

se descerem 2 valores que sejam à entrada na Faculdade, é o suficiente para se formarem os necessários.

È aqui que está a minha dúvida de leigo e que coloco para aumentar o debate.
Dizem-me que há limites para o número de alunos que podem ser ensinados na prática que precisam nos diversos Hospitais e que era necessário abrir mais uma ou duas Faculdades de Medicina.
Uma aliás esteve pensada para a Covilhã.
Mas depois dizem-se que não as abrem por falta de profissionais que dêem um ensino competente.
Ou seja com o que há não se pode fazer mais.
O que há de verdade nisto?

mar disse...

E acontece mtas vezes que alunos/as que provávelemente dariam optimos médicos, pq é isso q sempre quiseram, pq é isso q querem, não entram pq têm "apenas" média de 16, 17 ou 18. Adolescentes estes q são empurrados para cursos que ñunca quiseram, e onde mais tarde, com o curso acabado provávelememte não irão ser bons profissionais, pq vão fazer o q não queriam.
Mas o oposto tb acontece, alunos com média de 19, sem vocação alguma para medicina, vão para medicina apenas para mostrarem quão bons alunos são, ou pq o q está na moda é ir para medicina, ou pq os pais o querem, ou.... Provávelmente não vão ser bons médicos, por mt boa q possa ser a nota com que concluam o curso, irá faltar-lhes sempre algo A VOCAÇÂO...
Mas de cereteza que seriam optimos noutras àreas.
É urgente mudar as regras

Anónimo disse...

eu estou a estudar em Londres e entrei aqui com média 18,0. A minha familia não é de de uma "classe socialmente favorecida" como a associação de estudantes de medicina diz. Eu tenho dois trabalhos part-time e uma bolsa-empréstimo. Não se podem por as pessoas no mesmo saco, na República Checa entra-se com qualquer média desde que se pague e é realmente bastante caro, mas não podemos generalizar. Eu vou estagiar em Harvard em Agosto e fico muito desiludida quando penso que se um dia quiser voltar a portugal vou ser marginalizada.

Anónimo disse...

Gosto de ler o seu blogue.
Sou visitante habitual há muito tempo.

Já se perguntou que média terão tido os jovens que estão no Estrangeiro?

Tenho lá um filho que teve mais de 18 valores e não entrou cá!
A maioria dos seus colegas tiveram mais de 17 valores!
Duvido que haja alunos com média de 13 valores!

Também lhe digo que muitos já não estão interessados em voltar!

É preferível importar médicos da América do Sul e de Leste ou aproveitar jovens portugueses que vão para o estrangeiro, com enorme sacrifício financeiro familiar, (sei do que falo)e desejam voltar?

É um problema complexo, mas o corporativismo egoísta e a defesa de interesse dos médicos instalados é que provocou esta situação.

Sabe que no Algarve há um Curso de Medicina exactamente para os que não conseguiram entrar e se licenciaram em cursos próximos: Enfermagem, Farmácia, etc?

A VERDADE tem sempre muitas faces!

Continue, mantenha a sua "irreverência" e ter-me-á, sempre, como leitor.

Cumprimentos

dmO

Cristina disse...

Fado

nenhuma verdade.

Portugal, com as dimensões que tem não precisa de mais de 3 faculdades de Medicina, com boas condições e com bons professores. É mais que suficiente até porque o país é pequeno. somos 11 milhões, a população de algumas cidades.

oficiais, não precisamos. privadas não ha porque não temos mercado suficiente. ou seja, é um curso caríssimo e seria necessario entrarem muitos alunos TODOS OS ANOS, a pagar bem, para a Fac se aguentar. nao temos população para isso e não somos referência para estrangeiros.

o numero limite é relativo....como ja disse, no pos 25/abril, entraram 1000 cada ano e formaram-se. havia professores, assistentes, tudo. depois, foram entrando menos e isso significa tambem menos gente disponivel para ensinar. não é habitual os medicos dedicarem-se ao ensino, a maioria fa-lo em part time ou por carolice e a escolher, escolhem o mais rentavel, claro. isto é uma bola de neve: menos medicos, menos monitores, menos assistentes, menos professores, mais dificuldade em manter programas e cursos.

Cristina disse...

mar

exactamente, os dois são verdade.

é engraçado que ha pessoas que embora nunca tivessem pensado no assunto, quando têm grandes médias sentem quase uma "obrigação" de a usar num curso de altas notas...

ha de facto pessoas com pouca vocação, e mesmo que não gostam de ver doentes. estes colegas acabam por escolher especialidades que têm pouca clinica como radiologia, patologia clinica(laboratorio), anatomia, etc..

enfim, a malta adapta-se. agora o que é realmente pena é os excelentes alunos que ficam de fora.

Cristina disse...

anonimo
(8:05)

você teve 18 e escolheu essa via de ensino, tudo bem. seria assim qualquer que fosse o curso escolhido.
estamos a falar de Medicina e a maioria dos estudantes que saem do país, fazem-no porque não conseguiram entrar cá, como bem sabe...

Cristina disse...

dmO

eu sou médica, falo com colegas que têm filhos a estudar em Espanha e R Checa e falo com colegas mais novos que têm amigos a estudar lá fora.

Têm boas medias, porque obviamente o objectivo era entrarem cá, mas se tiverem 13 também conseguem um curso noutro país. Não é dificil. coisa que cá é impensável.

é muito possivel que não estejam interessados. se arrajarem empregos de que gostem, é normal.

só não sei de onde veio a ideia da marginalização dos portugueses com cursos no estrangeiro...é mentira.

pelo menos no meu hospital, temos quase mais estrangeiros que portugueses, muitos deles com cursos feitos la fora e todos trabalham ao lado uns dos outros sem problemas.
na minha equipe de banco tenho: africanos, 2 sul-africanos de origem portuguesa, uma boliviana, 2 espanhois, 2 russos, 1 cubano,1 do peru e agora até um palestiniano com curso feito na russia. se nos preocupassemos com discriminações estavamos tramados... :)))

Sofia Loureiro do Santos disse...

Tens toda a razão, Cristina. Também não concordo e acho uma injustiça.

Fado Alexandrino disse...

Mais gasolina na fogueira.

Melancia disse...

isto faz-me lembrar de como quase todos os assuntos são tratados em terras lusas. é isto dos cursos de medicina, é isto das politicas de natalidade em que por troca de 100 euros 'procriem lá, pois a população está a envelhecer', é isto de 'pois, agora que tenho filhos, não posso faltar ao trabalho porque estou a recibos verdes e se falto, como é?', das avaliações de professores, de alunos, é isto de...
como já aqui foi dito, mudam-se as regras ao sabor do vento. é de facto à TUGA e nunca nehum TUGA é responsabilizado...

Anónimo disse...

Que pena terem fechado a Universidade Independente, em vez de terem lá aberto o curso de medicina...

melgadoporto disse...

Esta “ideia” é mesmo de pessoal cheio delas – idiotas!
Fez-me lembrar um filme que anda aí.
Deitava-se na cama, cheia de post-it escritos com “ideias”.
De manhã as coladas ao corpo seriam as “notícias” do dia.
Terão estes, nossos homens plenos de ideias, feito o mesmo?
Como diriam, na sua linguagem actual, os nossos “aviltados” jovens:
- Só pode!
:-)

Pézinhos N' Areia disse...

a ministra entrou em roda livre desde que assumiu a pasta.

para além de manter a política de correia de campos apenas com alguns toques de cosmética tem dito coisas que são tiros no pé uns atrás dos outros...
já não deve ter pés coitada...

vejamos:

chamou mercenários aos médicos.

Ora para além de ser deselegante dado que ela tb é colega, quem é que produziu os ditos "mercenários" (palavras de ana jorge), ao destruir a carreira médica ?

Outro tiro no pé:
"os hospitais têm um problema organizacional".

Quem é que nomeia por critérios de confiança política os ditos administradores ?
E quem é que os tutela juridicamente e supervisiona ?
Quem é que permite que gestores e mais gestores, alguns deles que nada percebem de gestão de saúde, façam périplo pelos vários hospitais EPE ?

E este tiro no pé...

.... dos estudantes de medicina é uma afronta a todos os pais portugueses que gastaram montes dde dinheiro (e preocupações) para que os filhos entrassem em Medicina e viram o seu objectivo gorado, em anos sucessivos.



Hipocrisia, incapacidade de desempenho para a função ou ambas ?


Pessoalmente o que vejo é que os médicos do Sistema Público são pau para toda a obra. E que perderam a autoridade médica perante uma Enfermagem licenciada, mas arrogante e muito incompetente, parte dela oriunda de ensino privado de qualidade duvidosa.

E não há quem meta mão nisto. Os médicos começam a estar isolados. O juramento de Hipócrates está posto em causa, mais do que nunca.

Os pacientes sofrem e em muitos casos morrem, fruto deste status quo.

os médicos continuam em silêncio.....
até quando ?

beijinho grande
bom fds

cexy disse...

Eu passei pelo caso paralelo deste. Ou seja, tinha média de 16,5, que resultou da influência de disciplinas que não me agradavam de todo no 10ºano. Quando tentei entrar para biologia na fcl ( que era o meu verdadeiro sonho e em que era realmente boa) não consegui pois a faculdade estava atulhada de médicos "frustados" que não conseguiram entrar em medicina e colocaram biologia como 2ª hipótese. Acabei por fazer 2 anos de agronomia e aborreci-me.Muitas vezes penso como seria a minha vida se tivesse conseguido.. Se não houvesse tanta dificuldade em entrar em medicina,as outras ciências "relacionadas" não viam a sua média inflacionada pelos 18's e com certeza existiram mais profissionais realizados e felizes com as suas carreiras.
desculpa o post gigante, mas identifiquei-me e muitas vezes não se pensa vê o todo destas situações.
beijos

Cristina disse...

Pezinhos

tem toda a razão. em cada palavra.

e acho que sim, que Ana Jorge está a dar sinal de algum desnorte...

quando os médicos não se sentem seguros ou satisfeitos nos locais onde trabalham,quando sentem que não podem apostar em fazer carreira nesse local, acontece isso: começam à procura de quem lhes pague melhor. tão simples quanto isso. e humano, penso.