25 janeiro 2009

este homem vale quanto pensa...


Sapo «Não tenho memória, admito que isso possa ter acontecido, mas não tenho memória que o meu tio me tenha pedido para receber os promotores do Freeport»

RTP: José Sócrates admite poder ter mantido uma conversa com o seu tio a propósito do projecto Freeport de Alcochete, mas diz que não tem memória de tal reunião.

Público O primeiro-ministro José Sócrates disse hoje na Alfândega do Porto que a reunião que manteve com os promotores da Freeport aconteceu unicamente a pedido da autarquia de Alcochete e que a sua intervenção no caso se limitou à participação nessa reunião.

"Tenho afecto e estima pelo meu tio. Mas tenho de dizer com clareza que não tenho nada a ver com as suas actividades empresariais" nem com as dos seus filhos. "Cada um assume as suas responsabilidades". No entanto, admitiu que o tio lhe tenha pedido para receber os promotores, mas diz não ter memória dessa conversa porque aconteceu há já alguns anos.

10 comentários:

Fado Alexandrino disse...

Vasco Polido Valente resumiu tudo isto quando disse que esta gente entende o Estado como propriedade pessoal.
Um favorzinho?
É pra já!

DE-PROPOSITO disse...

Pois é.
Já nem se pode conversar.
Felicidades.

Pêndulo disse...

O pior de tudo é que ele até pode estar a falar verdade mas nós não admiraria que houvesse gato. Quem diz "ele" poderia dizer outros. E isso é o mais triste, esta perda de confiança generalizada na classe política. É que toda essa gente chega ao poder por eleições.

Cristina disse...

sabes que Portugal é uma aldeia não sabes? e conhece-se sempre alguém que conhece alguém..

é esse o drama, é dificil aopstar em gente incorruptivel na politica. nem sei se existe, se queres que te diga.

Anónimo disse...

Era interessante que a Cristina nos explicasse se existe algum macanismo selectivo da memória que nos torne amnésicos só para o que não nos interessa. O que seria interessante e muito salutar, oh, oh! Que bom uma memória só de coisas agradáveis!
Pedro C.

Animal disse...

é ler o 1984. os gajos do IngSoc resolveram isso muito bem. por cá, vão tentando implementar o sistema.

António Balbino Caldeira disse...

Cristina

Como é sabido, a memória é selectiva.

Portanto, o primeiro-ministro pode não se lembrar da conversa dos 4 milhões de contos para licenciar o projecto - nomeadamente, não se lembrar por que é que não participou imediatamente às autoridades judiciais o caso - mas já se lembrar de quem marcou a reunião.

Cristina disse...

Pedro

existe, aquele que nós próprios implementamos :))

beijo

Cristina disse...

António

Olá, prazer em revê-lo por aqui :))

realmente, quem é que se ia lembrar dum pormenor desse??? uma decisão corriqueira sem relevancia nem impacto nenhum...

tamem, andem a exigir demais do home pá...

Cristina disse...

Animal!!!!

ia mesmo fazer um post a chamar por ti pá!!! undé que tu andas??