01 janeiro 2009



Desde as margens do rio Tamisa à praça Sintagma em Atenas, entre o deslumbrante foguetório e o erguer das flutes de champanhe, a Europa deu as boas vindas a 2009.
Na Faixa de Gaza, os foguetes são outros e matam pelo sexto dia. Negros festejos. Uma certa ironia, diria. Ou, Nada que afecte o nosso café com leite, como diz Veríssimo.
Por cá entre a bruma e o que resta da euforia festiva, começa-se o ano com a célebre história de uma mulher presa num corpo de pássaro e de um homem desesperado por amor. Menos mau. O amor.
No Coliseu dos Recreios.

4 comentários:

Pedro disse...

:) Não há melhor maneira de começar o ano do que com ballet. Esse.

Feliz 2009!

Lucília disse...

Tens razão, menos mau.
Bom 2009!

Cila disse...

espero que seja super bom
Feliz anooooooooooooo
beijinhos

Charlie disse...

Enquanto as bombas não nos caírem em cima, bailemos, bailemos.
Uma taça de champanhe ergo num sorriso.
Dos escombros renasce sempre o amor até que se consuma novamente em chamas e nada reste que o gérmem e Génesis das cinzas...