14 outubro 2008

eu não tinha reparado


mas a Joana Lopes, chamou a atenção para um post do 5 dias publicado por Maria João Pires e que diz a determinada altura, em certos temas, não se pode desligar bom senso e moral. Exemplo prático: para mim prova de bom senso é levar a minha filha adolescente à ginecologista para que lhe seja receitada a pílula. Outras pais e mães acharão, pelo contrário, esta atitude prova de uma tremenda irresponsabilidade porque estarei (há gente com cabeças estranhas, mas é assim mesmo) a incentivar a criatura a ter actividade sexual. Ou seja, aquilo que para mim é o mais básico bom senso está forçosamente dependente da minha moral.
Parece que caiu por lá o carmo e a trindade.
A Joana escandaliza-se com respostas como
«Porque está a empurrar a adolescente para a prática (perigosa) do acto sexual sem preservativo?»....
ou
«A pobre criança ver-se-á aflita para não ter relações sexuais impingidas pela mãe.»....
ou«Pode não ser sensível a valores como a fidelidade e o respeito pelo próprio corpo e pelo corpo do outro (isto é no fundo o que significa a abstinência) mas alguns jovens podem sê-lo.»....
ou
«Como dizem as adolescentes americanas que começam cedo: ”tanta coisa para ter umas cócegas no fundo da barriga”.»
Tem razão, Joana, Sarahs Palins há-as em todo o lado. E muitas. Curiosamente, ainda ontem(?) lá disse isso a propósito de uma outra polémica que, para mim, tecnicamente, nem dúvidas oferece quanto mais polémicas. Adiante.
Trouxe o tema, para dizer que também teria várias dúvidas -quem não tem?- como a autora, embora nada tenha a ver com as filhas adolescentes, nem com o inicio da sua vida sexual como facto em si, e praticamente inevitável, mas com as circunstâncias e especificamente com o método. O resto, fica por conta deles embora nós julguemos que não. Só faria diferente num "pequeno pormenor"...enquanto a autora de certo modo se "defendeu" dizendo que não tinha sido ela a impor nada e que não tinha influenciado na escolha..... pois eu direi que se me for possível influenciarei SIM! E para reforçar, dizer que a primeira coisa que hei-de enfiar na cabeça da minha "rica filha" (coitadinha, já comecei...) é: Nem pílulas, nem calendários, nem temperaturas, nem abstinência (como se se pudesse exigi-lo...), mas a realidade crua e aquilo que ultrapassou há muito a nossa noção de bom senso ou de moral: as hormonas da adolescência aliadas à irresponsabilidade e à ignorância total e alarmante. As gravidezes existem, mas as doenças existem infinitamente mais, as oportunidades surgem e os nossos queridos filhinhos não são diferentes dos outros. Logo ..... PRESERVATIVOS. Preservativos sempre, seja com quem for, onde for, a que horas for e QUALQUER que seja a "conversa" do parceiro, nem que este garanta a pés juntos que é virgem!
Apesar de tudo, poderei ficar mais descansada.....não há gravidezes, não há hepatites B,C,D,.., Y, Z, não há HIV's, não há HPV's (cancro do colo), não há clamydias, não há sífilis nem gonorreias nem merdas do género....
Isto, MESMO QUE SE USE A PILULA, que será sempre um reforço do primeiro.

10 comentários:

Brancaleone, o que foi esquecido na volta da côrte... disse...

Eu por qui tenho duas filhotas: Uma de dez e outra de dois anos. A mais velha já daqui uns anos começará achar utilidade para os meninos e muito pior que um neto é ela contrair uma doença. filhos e netos são vida e doenças são a morte. Prefiro pois os primeiros e por isso sei que daqui a algum tempo começam aquelas conversas de "mãe para filha" e eu vou ter que explicar para minha pimpolha mais velha para que ela NÃO faça com os outros o que eu quando jovem queria fazer com as filhas do outros...
Entre a pílula e a camisinha? Sem dúvida nem riso, os dois!!!

Brancaleone, o já conformado com o abandono... disse...

Já quanto a precocidade da vida sexual atual, é hipocrisia negar que os adolescentes estão sendo erotizados pela mídia, pelos ambientes e pela sociedade. Condená-los a uma adolescência celibatária quando nós adultos ostentamos sexualidade é burrice.
Já já algum "Gênio" me vem com algum tipo de cinto da castidade. Dizem que o inferno está cheio de bem intencionados...

Anónimo disse...

Claro, borrachinha sempre por todos os séculos, séculos amen.. e, não esquecer, se começamos cedo, eles mais cedo começarão :-))

abraço

intruso

Cristina disse...

brancaleone

prazer grande, este de o receber por aqui! o tempo tem estado muitissimo mais curto cá deste lado, é por isso que não me tem visto tanto :)

concordo consigo, SEM RISCO só mesmo usando os dois. e mesmo assim, explicando bem que é do PRINCIPIO AO FIM e não só nos finalmentes...

parece óbvio mas pra 80% das pessoas não é. e como vovê diz, a maior burrice é pensar que eles têm a obrigação de saber ou que nascem ensinados.


um grande beijo e volte muitas vezes que eu gosto.

Once disse...

de facto Cristina .. a "melhor" consequência de um acto irreflectido ou irresponsável é sem dúvida uma gravidez.

Francis disse...

bom senso, muito, e boa educação.

vai mamãe.

Desinformador disse...

Realmente não há muito mais a dizer. E quem pensa que se está a incentivar os adolescentes a praticar sexo seguro, e que o melhor seria não falar em nada para que não caiam na tentação, não podem estar a pensar da pior maneira possível. Com este pensamento, a única coisa que conseguem é que pratiquem sexo inseguro, e os queridos paizinhos só irão saber que as suas filhas ou filhos andaram a fazer "poucas vergonhas" em duas situações: "ou vão ser avós aos 35 anos, ou os seus rebentos contraíram uma DST..."

'Educação é liberdade', já dizia o outro! E informação também, acrescento eu.

Rosa disse...

Estou 100 por cetno contigo. Preservativo SEMPRE. Seja com quem for.

Sofia Loureiro dos Santos disse...

Pois eu tenho 2 filhos e defendo em todas as circunstâncias, sempre, sem nunca esquecer, o preservativo. Aproveito todas as oportunidades para o aconselhar, recomendar e lembrar o que pode acontecer se não se usar - HPV, HIV, Hepatites várias, sífilis, gonorreia, clamídia, etc, e também uma gravidez indesejada.

Anónimo disse...

Informá-los sobre as doenças, dar-lhes preservativos e pílulas tb é importante! Explicar-lhes a mecânica da coisa também é fácil, os afectos já é mais complicado.

Ora, muito antes da adolescência é preciso fazer um bom trabalho de casa: transmitir bons valores, ensinar e dar bons exemplos, …o relacionamento com os outros e por aí fora. Sem isso, bem podemos fornecer-lhes 2 preservativos com piripiri no meio... :-

Tino.