22 setembro 2008

gosto mas não quero agora


portanto, ainda bem que o João Tunes do Água Lisa e a Joana Lopes do Entre as Brumas da Memoria já fizeram o favor de dar conta da confrangedora mesmice de Das Neves reproduzida em série Segunda após Segunda -qual sequela de múltiplos acidentes isquémicos cerebrais-, e escancarada em exuberantes colchas coloridas de retalhos mentais povoados pelas mais variadas figuras da mitologia cristã.
.
Enquanto isso, deixo que se encaixe malandramente um fim de tarde preguiçoso neste primeiro dia do inevitável Outono. Prazer em revê-lo.

3 comentários:

dutilleul disse...

E atenção aos jarros; começam agora a furar a terra que os abrigou do sol.

Joana Lopes disse...

Eu já tinha paasado por aqui e estranhado o silêncio sobre o texto de hoje, porque o homem excedeu as suas próprias expectativas!!!

Abraço

Anónimo disse...

nunca li um artigo do das neves. e assim vai ser ate ao fim dos tempos.parece que traumatiza. e farto de estupidez estou eu