21 setembro 2008



espectáculo, já imaginaram o que uma mala com painel solar evita de preocupações?? Inventada na Universidade do Universidad Estatal do Iowa . Imaginem: uma mala capaz de alimentar todos os aparelhos electrónicos que transporta. Nunca mais pensar em carregadores. Telemóvel sempre com carga . Computador portátil a funcionar em qualquer lado. ipod. escova de dentes. secador de cabelo. epilady. O power nas nossas mãos, senhoras. Literalmente.
.
ps-haverá sapatinhos a combinar??

14 comentários:

Anónimo disse...

E a lista não está completa! Faltam aí umas vibraçõezinhas... Será que também carrega?

Pézinhos N' Areia disse...

sorry the off-topic, mas este assunto é muito importante para mim, talvez não só para mim.... O falecimento recente do meu pai (2 setembro), num hospital público, levou-me a questionar muitos aspectos relacionados com o problema do ERRO MÉDICO, erro que parte das vezes, a responsabilidade não é, a meu ver, do médico. Mas toma o seu (dele) nome. Gostaria que a Cristina, quando lhe apetecer abordasse esta importante e actual questão, face aos problemas que se verificam nos hospitais públicos portugueses.

um beijo grande.

http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Sociedade/Interior.aspx?content_id=1015323

Médicos erram em 10% dos casos

2008-09-19

Os utentes devem estar conscientes que quando vão aos serviços de saúde "as coisas podem correr mal", apesar de "normalmente correrem bem", alertou hoje um cirurgião, a propósito do erro médico, que afecta um em cada dez doentes. Em média, o erro afecta 10% dos pacientes.

José Fragata é director do Serviço de Cirurgia Cárdio-Torácica do Hospital de Santa Marta, em Lisboa, e irá sábado falar do erro médico durante um seminário sobre a "Segurança do Doente".

Em declarações à Agência Lusa, José Fragata defendeu uma discussão livre e aberta em torno do erro médico e que este não esteja tão envolto em "culpas", mas sim em "responsabilidades".

O clínico reconheceu que "os médicos não gostam de assumir o erro", pois este "é sempre a frustração de um resultado".

Na sua opinião, "mais importante do que perguntar quem fez isto [o erro] é tentar saber como é que isto aconteceu".

"Normalmente as coisas correm bem, mas as pessoas devem estar conscientes que, quando vão aos serviços de saúde, as coisas podem correr mal", disse.

E correm mal para uma em cada dez pessoas que recebem cuidados de saúde, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), que também reflectem a situação em Portugal, de acordo com José Fragata.

O cirurgião acrescenta que não existem especialidades médicas isentas de erro, porque "a medicina é feita por humanos e errar é humano".

Os erros devem, contudo, servir para a aprendizagem de quem está nos serviços, porque, "aprendendo com os erros, é possível evitá-los", disse.

O médico enalteceu os dispositivos de segurança que fazem com que hoje em dia os erros possam ser muito mais evitados.

José Fragata dá o exemplo dos alarmes nos monitores cardíacos que alertam para qualquer anomalia com o doente, ou a cor das mangueiras no fornecimento de anestesias, que informa quais os mecanismos que devem ser accionados.

São dispositivos de segurança que funcionam na medicina como o cinto de segurança ou o airbag na condução e que "ajudam os profissionais a errar menos".

O cirurgião alertou ainda para as condições em que o pessoal da saúde trabalha e que "condicionam os resultados".

"Um serviço com menos meios humanos não pode exigir aos seus funcionários bons resultados", disse, estendendo a ideia à capacidade de quem lidera e ainda às condições técnicas.

Perante o erro, José Fragata lembrou que este "faz sempre duas vítimas: o utente e o médico".

O seminário que irá abordar esta temática tem como objectivo promover a notificação, a análise, a prevenção do erro médico e dos acontecimentos adversos ou complicações decorrentes da intervenção médica.

JN

Ana.B disse...

sempre tem sapatos pra combinar. Eh só ter bom senso. Achei teu blog no portal dos blogs e achei os tópicos muito legais, parabens.

Eric Blair disse...

poderias ter posto aí umas reticencias; é que assim evitavas que a coisa descambasse ;)

e-ko disse...

sapatos a condizer... hummmmm!!! com paineis solares... das duas uma ou é para voar com umas asinhas nos pés como Mercúrio ou então uma alternativa ao automóvel pessoal e tranportes públicos... nestes tempos de economias de energia e de aquecimento climático, comprava já os sapatos e a mala e rescindia o contrato com a EDP!

mar disse...

deve haver.. ha sempre algo a combinar com outro algo.......



bjs e boa semana

Mocho Falante disse...

Bolas

mas o que faltará ainda estes sócios inventarem...fosga-se

Beijos

Cristina disse...

pezinhos

é um assunto interessante sim. e existe, como em qualquer profissão. falar dele seria levantar muitas questões e tentar responder a todas elas. não me causa nenhum problema a não ser o tempo que leva..seria um post para um fim de semana

beijos

Cristina disse...

ana b.

obrigada, volte sempre :)

Cristina disse...

Eric

a coisa descambou?? não dei por nada, pá.

Cristina disse...

e-ko

hehehe. só se calçares o 86 pá, e mesmo assim, era arriscado...:))))

Cristina disse...

mar

obrigada, para ti também :)

dutilleul disse...

Eu não percebo nada destas coisas de trapos mas acho a malinha catita. Para sair à noite…

Woman Once a Bird disse...

Curioso como escolheram um indivíduo do sexo masculino para a segurar, enquanto lemos que é uma "power purse". Será maleta para os homens andarem por aí?