06 setembro 2008

ainda não percebi bem, se os meios de comunicação


não se fazem assessorar por quem ponha ordem nas noticias do foro médico, ou se fazem e isto é intencional, ou se a figura de parvos é mesmo completamente gratuita..
No Correio da Manhã, e já ouvi o mesmo num telejornal qualquer, o titulo-bomba: Medicamentos perigosos à venda em Portugal.
Quatro medicamentos para o tratamento da artrite reumatóide, três dos quais à venda em Portugal, apresentam riscos graves para os doentes, alertou esta sexta-feira a agência norte-americana dos medicamentos (FDA, na sigla original). A Infarmed remeteu informações para mais tarde.
Os medicamentos em causa são o Humira, Cimziam Enbrel e Remicade, que, de acordo com os responsáveis da FDA, apresentam riscos de efeitos secundários graves, como o desenvolvimento de infecções pulmunares.

Fui à procura de uma noticia, uma que fosse, que mostrasse algum interesse em perceber do que se estava a falar e que explicasse que tipo de doença é a AR e que tipo de medicamentos são usados para o seu controlo....nada.
Então, é o seguinte: a Artrite Reumatóide é uma doença que interfere com a imunidade, grosseiramente, aumentando-a.
Isso, à partida, seria uma coisa boa uma vez que sempre ouvimos dizer que a diminuição das defesas ou da imunidade é má e torna o organismo mais susceptível a doenças e por aí fora.....mas, o contrário não é necessariamente bom. A AR é um exemplo disso, já que faz parte de um grupo de doenças chamadas inflamatórias, ou auto-imunes, em que a imunidade aumenta, mas, a reacção que em circunstâncias normais deveria acontecer contra corpos estranhos ao organismo, ajudando-nos a libertar deles, acontece contra os tecidos e estruturas normais que os (auto)anticorpos passam a reconhecer como estranhos, destruindo-os estrutural e funcionalmente. No caso da AR, esta reação de auto destruição, chamemos-lhe assim, acontece primariamente contra os constituintes das articulações provocando inflamação dor e deformações, principalmente ao nível das mãos.
Como é que se trata?
O tratamento faz-se basicamente com anti-inflamatórios e, medicamentos que actuam, justamente, sobre a imunidade: os imunomodeladores ou, basicamente, imunossupressores.
É bom de ver que, qualquer medicamento imunossupressor diminui as defesas. De entre estes, o mais conhecido de todos é a a cortisona, largamente usada nestes casos, mas que pode ir até medicamentos muito mais potentes, mais eficazes na doença, e com os efeitos secundários adjacentes, nomeadamente infecções, como também julgo que é fácil de entender. É um risco calculado e sobejamente conhecido de médicos e doentes e para isso é possível tomar determinadas precauções no sentido de evitar essas infecções.
Resumindo: fazer crer que os imunossupressores usados na AR, e, talvez mais importante, que determinados imunossupressores são medicamentos perigosos à venda em Portugal, cheira-me sempre a esturro...ou se embarcou em qualquer guerra comercial, ou se leu um estudo qualquer, entre centenas que se fazem sobre cada droga e ainda bem, sem saber interpretar o que se está a ler e zás, aí está uma "bomba". Até porque, faz tanto sentido como dizer que a quimioterapia usada no cancro, que usa as doses mais altas de imunossupressão com as consequências que os doentes bem conhecem e que podem ir até ao seu isolamento com infecções graves, são "medicamentos perigosos". Pois são. Perigosíssimos. Potencialmente, até, fatais. E daí? Os doentes sabem disso... e mesmo assim alguém deixa de os fazer? Não. E também não é, nem nunca foi, notícia.

4 comentários:

Fado Alexandrino disse...

É isso mesmo:

Os jornalistas tem algumas certezas.

Notícias médicas são mortais.
Notícias sobre acidentes de viação são autênticos desastres.
A palavra Guinness é escrita mal em 98% das vezes.

Eric Blair disse...

"Jornalistas perigosos à solta em Portugal" ...

Anónimo disse...

..À solta e serem pagos pelo que escrevem, nuitas vezes sem fundamento. Hoje em dia quase toda a gente sabe ler e escrever mas parece-me que há mais analfabetos...
Há quem brinque com isso, ganhe muito dinheiro, gere confusão e não seja responsabilizado.
Isto é portugal!?

Tino.

Raimundo Narciso disse...

Olá, já não nos víamos há que tempos. Tudo por minha insdescritível falta de tempo para blogar. Agora com esta leitura atenta sinto-me quase médico (ou quase farmacêutico?)