23 agosto 2008

um clube maior que o país. :)

Portugal 2 medalhas, Benfica 3. Um golo de Di Maria e mais uma medalha de ouro.

" Ah, se não fosse o Benfica, o que seria deste País? Duas medalhas já cá cantam. A de prata de Vanessa Fernandes e a de ouro ou de prata de Angelito Di María, esse portento argentino, titular indiscutível da selecção olímpica do seu país, incapaz de convencer a crítica portuguesa pela simples razão de ter orelhas de abanico."
(do punho da Leonor Pinhão, em 'a bola', há dias atrás e antes do Nelson Évora. Publicado pelo António Boronha)

3 comentários:

Charlie disse...

É que o Benfica é uma nação Portuguesa do tamanho do Mundo.
Eça é quééça

Anónimo disse...

Não vejo mal algum no artigo de Leonor Pinhão.
Vejo muito mal no aproveitamento do senhor Boronha que sempre que pode morde ... nos ossos de quem o impediu de consumar desgraças.
Mas como este post é sobre medalhas, uma de cortiça para o senhor Boronha e sigamos para bingo.

Anónimo de Faro e benfiquista

Luís Maia disse...

Coitados,

nessa matéria de atletas olímpicos o historial lampião é demasiado pobre para garganeirices, paleio arrogante nisso são os maiores

Quanto à D.Leonor Botelho, fica assim retirado do meu último post

Hoje chegaram os atletas olímpicos que ganharam as medalhas de ouro e de prata em Pequim, segundo a reputada jornalista Leonor Botelho, eu e mais uma meia dúzia de pessoas que não são adeptas do Benfica, segundo artigo seu publicado no pasquim a Bola, não devem ficar satisfeitos com o feito de Nelson Évora e Vanessa Fernandes.

A imbecilidade dessa senhora, não tem limites, é absolutamente asquerosa. Odeia toda a gente que não é do seu clube, esquecendo que teve que bajular uma condecoração no dia de Portugal, oferecida pelo sportinguista Jorge Sampaio, então presidente da República, sem mérito reconhecido, nem obra feita visível que ultrapasse o pasquim desportivo diário para quem escreve e qualquer que se passe no âmbito da sua rua.

A srº Botelho ás vezes dá pelo nome de Pinhão, gosta por certo de se escudar por de trás do apelido de seu pai, grande jornalista e grande benfiquista, que não precisou de o ocultar para ter o respeito de toda a gente.

Esse apelido não lho dou prefiro o apelido Botelho, de seu marido, esse sim benfiquista ao seu nível.

Mas não é ela que me vai impedir de ficar satisfeito pelos feitos desses magníficos atletas.