28 agosto 2008

gossip



A boa noticia
Chegou hoje ao meio século o ex-rei da pop, ex-artista negro, ex-rico, ex-relevante, Michael Jackson...yeahh..bocejos....whatever...nada mau para um transformer...
.
A má notícia
A activista lésbica e veterana Del Martin (à direita) morreu ontem, com 87 anos de idade. Pioneira na luta dos direitos civis das lésbicas. Del, foi estrela dos noticiários, sites e blogs GLBT dia 16 de Junho de 2004, quando finalmente se casou com a companheira, Phyllis Lyon, de 83, após mais de 50 anos de relacionamento (duplamente heroina-os casamentos hetero já não estão a passar dos 10...)

12 comentários:

dalloway disse...

Não conhecia Del Martin... e o seus mais de 50 anos de relacionamento parecem-me tão mas tão...que não consigo encontrar uma palavrinha que seja!

Os 50 do Michael Jackson parecem mais que meio século pelos momentos de genialidade, de confusão, de tesão, de pigmentação ou falta dela, de aberração...

Bartolomeu disse...

mmm...
Confesso, a minha intuição nunca foi lá grande coisa e, ao ler este post, suspeito que piorou.
Veja lá Cristina, que deduzo estar a querer dizer-nos que se o nome de cima figurasse na notícia de baixo e vice-versa, então o mundo seria coerente.
Ai as minhas capacidades sensitivas, estão cada vez poior.

Pézinhos N' Areia disse...

Cara Cristina, enviei-lhe um mail, que veio devolvido, "de modos que" tentei novamente, usando o mail que está mencionado aqui no blog.

se não fôr pedir-lhe muito, confirme por aqui, ou por mail, que recebeu o citado mail.

abraço e BOM FDS.

Pézinhos N' Areia disse...

http://tsf.sapo.pt/PaginaInicial/Vida/Interior.aspx?content_id=1005987


um assunto importante.

tenho uma amiga com doença oncológica que não consegue qualquer seguro.

Cristina disse...

pezinhos
diz a noticia...
Estranho» é a expressão usada pela associação para tentar explicar o facto de «todas as queixas terem sido arquivadas».
«doentes e pessoas com deficiência são diariamente discriminados pelas seguradoras, que se recusam a celebrar contratos, ou cobram valores incomportáveis, tornando impossível o sonho de comprar uma casa».

não percebo......mas é evidente que há discriminação! as seguradoras trabalham sobre o risco, se o risco aumenta, aumenta o preço do seguro, é mais que óbvio. qual é a seguradora que faria o mesmo seguro a uma pessoa saudavel e a outra com doença? só se fossem loucos ou quisessem fechar as portas a seguir....é chato mas é assim mesmo.

beijinhos

Cristina disse...

ahh sobre o mail, tenho que facto outro mail netcabo que é o que esta aqui. quando chegar a casa vejo. :)

Pézinhos N' Areia disse...

Cara Cristina, sabe é que .... tenho a sensação, que muitas vezes os seguros são feitos a pessoas supostamente saudáveis, com a maior das facilidades, sem grande apuramento, se de facto, são ou não saudáveis, e às vezes até nem o são.

e quando se trata de "tecla 3", cai logo tudo em cima. quando em bom vigor apesar de o serem, isso poderá não querer dizer, de que a deficiência de que padecem, os torna mais capital de risco, do que aqueles que são pseudo saudáveis.

percebe o que eu quero dizer ?

Não haverá aqui um fenómeno de uma certa descriminação excessiva ?

Pressinto que há... mas não tenho certezas.

Cristina disse...

percebo, mas deixe-me dizer-lhe que se há organismo que explora a fundo se a doença ja existia quando a pessoa morre são os seguros. mesmo que a pessoa diga que é saudavel, em caso de morte por doença, é pedido um relatorio ao hospital, eu ja fiz alguns, para saber se a doença se iniciou antes ou depois de fazer o seguro. se encontram qualquer coisa, é o suficiente para dizer que a pessoa mentiu e portanto...nada de pagamentos. ou seja, não adianta mentir.

quanto ao risco, tambem é das companhias de seguro que saem as mais importantes medidas de prevenção. são eles que estão implicados no risco de andar de mota sem capacete, no risco da obesidade e do aumento do perimetro abdominal nos enfartes e nos avcs, etc, etc. acredite que em se tratando de risco, eles sabem o que fazem. são duros porque têm a certeza do que estão a dizer.

amiga, discriminação excessiva não existe, ou o risco está aumentado naquela pessoa ou não.isto quer dizer: ou a pessoa tem, devido á sua deficiencia, uma esperança de vida INFERIOR à população normal, ou não. é só uma questão de costas e eles aplicam-nas friamente.

beijinho

Pézinhos N' Areia disse...

Cristina, tb sugeri o tema ao Professor Salvador Massano Cardoso. A opinião:

http://quartarepublica.blogspot.com/2008/08/discriminao.html#comments


Ser saudável ou ser deficiente para obter um seguro, pode ser discutível. É o que depreendo daquilo que o Professor escreve.
Talvez haja "saudáveis" que morrerão mais depressa de doença que algumas pessoas com certos tipos de deficiências ....

Cristina disse...

pezinhos

eu compreeendo o que quer dizer mas, mais uma vez, são numeros. as companhias de seguros regem-se por probabilidades e nada mais. são companhias privadas e não me fazem um seguro se entenderem que eu não tenho uma probabilidade elevada de não o pagar. é tão simples quanto isto. não os podemos condenar....


li o post que refere e desculpe, mas, na minha opinião, é de uma ingenuidade...é idealista, digamos. e eu sou basicamente pratica. nunca me passaria pela cabeça exigir a uma companhia de seguros que não discrimine segundo a esperança de vida de cada um, é o trabalho deles, que diabo..

Bartolomeu disse...

Desculpem a intromissão, para colocar duas questões à Cristina.
Concebe o mundo, habitado por humanos, desprovidos, ou desequipados da característica "ideal"?
Não lhe parece que por exemplo a profissão de médico, para ser entendida e abraçada, necessita de uma dose importante de idealísmo, de ingenuidade tambem e de altruísmo?
das companhias de seguros não se pode esperar caridade, estamos de acordo, são empresas que numa primeira análise, desenvolvem uma actividade que visa o lucro, a contra-partida è garantirem que o bem, ou seja, o capital que o bem vale fique assegurado para o credor. Nesse âmbito, o rigor,o materialísmo e a ausência de sentimentos têm perfeito cabimento.
Contudo, a questão que a cara Pézinhos levantou, e que foi intrepertada pelo caríssimo Prof. Massano cardoso, entram num âmbito diferente da dimensão humana, que não estão abrangidos por qualquer companhia de seguros.
Contudo não deixa de ser um problema social que atenta directamente com os princípios e direitos humanos que a constituição defende... no papel.
Desculpem-me a intromissão.

Cristina disse...

bartolomeu

a profissão medica precisa primeiro, de saber. segundo, de algum espirito de sacrificio para trabalhar às horas em que o organismo pede descanso.. terceiro, de alguma generosidade. e depois, de sorte.

em relação aos seguros, se calhar, o que se devia defender era uma companhia estatal(que não vá à falencia) que absorvesse o prejuizo mas permitisse às pessoas que têm expectativa de vida inferior à população normal comprar casa.