03 agosto 2008

como diz o meu amigo Blair, é mandá-los para a Quinta da Marinha, que é onde moram os restantes portugueses que não pagam impostos.

Miguel Sousa Tavares no Expresso (assinantes)
Não é simplesmente tolerável que brancos rejeitem viver com negros por perto ou que negros rejeitem ser vizinhos de ciganos, como sucedeu recentemente na Quinta da Fonte. E, todavia, isso não encerra a questão.

Também não é tolerável que uma determinada comunidade ou etnia se torne de tal forma anti-social que ninguém queira viver ao seu lado por medo ou desconforto. Por mais teorias igualitárias que se construam, a realidade é que o mito dos ciganos vagabundos, últimos aventureiros e homens livres do Ocidente, está de há muito esgotado. Nas povoações do interior, os ciganos sempre foram olhados com desconfiança pelo facto de andarem armados, dedicarem-se ao pequeno furto e envolverem-se em frequentes rixas. Traziam problemas e conflitos aos locais por onde passavam e era natural que as populações só descansassem quando os viam longe. A maior parte da comunidade vivia, porém, do contrabando e, embora não fosse uma actividade propriamente legal, sempre foi mais ou menos tolerada como mal menor. Mas a abolição de fronteiras na Europa acabou com o único modo de vida mais ou menos estável dos ciganos. Infelizmente, a alternativa a que lançaram mão foi o tráfico de droga e tudo o que ele arrasta consigo de crimes associados.
80% das famílias ciganas recebem o Rendimento de Reinserção Social, vivem em casas cedidas pelas autarquias com rendas simbólicas, que muitas vezes nem sequer pagam, como se viu na Quinta da Fonte, dispõem de escola grátis para os filhos e assistência médica. Isto é o que a comunidade lhes dá. E o que dão eles em troca? Nada: não trabalham, não pagam impostos, não cumpram as leis do Estado que os acolhe. Reclamam-se uma diferença sociocultural que os exime de responsabilidades semelhantes às de quaisquer cidadãos, mas estão sempre na primeira linha a exigir tudo e mais alguma coisa a que se acham com direito.
Ora, eu aqui dou razão a Paulo Portas: o Estado assistencial não pode perpetuar a dependência de quem tem capacidade para viver de outra maneira. A ajuda pública existe para ocorrer a situações de emergência social, de miséria absoluta, e criar condições para que as pessoas, pelo seu trabalho e pelo seu esforço, possam então ter uma oportunidade para sair do fundo do poço. Mas não existe para alimentar, sem fim à vista, a preguiça, a indolência, a desresponsabilização. Se é que a comunidade cigana está organizada por uma hierarquia estratificada, como dizem, é altura de os seus líderes reflectirem e imporem a sua autoridade à comunidade, para que esta decida se querem ser cidadãos ou marginais. Não podem é ser cidadãos para os direitos e marginais para os deveres.

18 comentários:

Bartolomeu disse...

Ha 10 anos decidi deixar de morar em lisboa, comprei um terreno no conselho de alenquer, construi uma casa e comecei a aprender a semear e a plantar, mas continuo a ter de vir todos os dias para lisboa. A vantagem é que regresso todos os dias ao campo. Quando me mudei, passei a comprar no comércio local mais perto do meu monte, arruda dos vinhos. E, comecei a reparar num pormenor, todas as lojas sem excepção exibem quer sobre o balcão ou na montra, um sapo, geralmente em loiça.
Intrigou-me aquela profusão de sapos e um dia perguntei à senhora do café onde ía com mais frequência. Olhou-me meio desconfiada e acabou por responder à pressa "é por causa dos ciganos".
Dos ciganos!?
Mas o que é que os sapos têm a ver com ciganos?
-Sabe?! é que eles são muito supersticiosos e não entram onde houver um sapo.
Não me diga... é mesmo?
É!
Então e as pessoas das lojas não querem que eles entrem porquê?
- Então, é que eles quando apanham uma loja onde estiver só uma pessoa, entram em grupo e enquanto um entertem o logista, os outros espalham-se pela loja e roubam o que lhes apetece, depois vão-se embora.
hmmm...
Então para grandes males, grandes remédios, neste caso, o remédio é menor que o mal.

A.J.Faria disse...

Bem, esta é a visão do MST, conforme já tivemos oportunidade de ler no Expresso.
E a sua?
Poderemos saber?
Suponho que deve ter pouca disponibilidade para escrever, só assim se compreende a colagem na integra de artigos de jornal.
De qualquer forma, a discussão sobre o tema seria mais enriquecedora se exterioriza-se o seu pensamento, não acha?

Até breve!

Cristina disse...

ajfaria
é a vantagem do blog ser meu: escrevo cá o que bem me apetecer.
o que eu acho.... é que depois da merda toda que ja fez neste blog, e apesar de ha anos lhe dizer que não é bem vindo nem me interessam as suas opiniões, desde o inicio, continua a mandar o barro à parede e a rastejar por aqui. triste, mesmo triste. se tivesse uma inteligencia uns meros pontinhos acima das amebas, seria o suficiente para entender que não se deve visitar alguém quando não se é desejado, mas, fazer o quê... como ja lhe disse inumeras vezes, quem nasce rastejante morre rastejante, que o amor proprio ou nasce connosco ou nunca se terá.

isso é o que eu acho.

Desinformador disse...

Hummm, se o sistema do Bartolomeu ou de Arruda dos Vinhos, funciona, acho que o melhor é encher Portugal de sapos... pode ser que desapareçam... e levem os políticos com eles!

Bartolomeu disse...

penso que com os políticos não surta efeito... aquela rapaziada farta-se de engolir sapos e nem princípios de indigestão, são estômagos muito resistentes...

João Videira Santos disse...

Um texto interessante, uma opinião com a qual concordo

Cristina disse...

João

eu também, em absoluto. já não ha pachorra para esta gente mais saudavel que muitos de nós, assumirem a posição de coitados dos descriminados da sociedade, inda por cima não têm vida para ter um emprego, portanto, enquanto eu e tu e outros se queremos uma casa trabalhamos para a pagar, estes gajos vivem à nossa conta, fazem os filhos que lhes apetecer e depois nós todos temos obrigação de os sustentar..porque ELES têm direitos.

Cristina disse...

bartolomeu

já várias pessoas me disseram o mesmo. é capaz de ser verdade...até já pensámos pôr uns sapos à entrada da urgência :))

Francis disse...

todos prá roménia...ou sérvia.

Anónimo disse...

Essa dos sapos ta boa! Como o bartolomeu demonstrou, não serve para os politicos.
Eu acho que para os ciganos deve estar fora de prazo...
Um amigo meu, estava em casa, eram cerca de 10h da manhã, estava a pintar, com a porta aberta. A certa altura ouviu barulho e qual não foi o seu espanto quando viu ali mesmo perto dele um grupa de 4 ciganos a levarem-lhe os pertences.
Eu faço uma ideia da sensação...
Bom, o tipo agarra-se a um lado da porta de aluminio que estavam a tentar roubar, o cigano do outro lado puxava e mandava cala-lo "caluda".
O meu amigo tem fibra, fez o curso de tenente no exercito mas os tipos eram 4 e colocaram-se estrategicamente. Com a confusão que se gerou, gritos, puxões violetos e as ameaças "caluda já ou queres ficar estendido"...Veio um por trás e acertou-lhe na cabeça. O meu amigo caiu, largou a porta, outro com um ferro ameaçava rebenta-lo. O tipo levantou-se agarrou em pedras e começaram a afastar-se...
Meus amigos isto não é ficção e passou-se este ano num sitio entre Faro e Loulé chamado cerro da golra (local lindissimo, tem uma vista panoramica sobre o mar e sobre a serra).
Resultado, os ciganos levaram o que puderam, nem o cão ladrou - um galgo tb é mais para as lebres não é verdade!?

O meu amigo conseguiu, com alguma dificuldae, ver a matricula Uma carrinha MERCEDES VITO, novinha. Apresentou queixa na GNR de Loulé e agora não vos vou contar o episodio seguinte...fazem uma ideia não fazem!?

Desculpem lá! eu fiquei bastante revoltado e isto é tb um desabafo...

Então e não é que no meio disto tudo havia um sapo! O sapo deve ter cerca de 60cm de altura está a ser feito por etapas...Os ciganos não perceberam que era um sapo!? mas então eles não são uns belos artistas?

Tino

Bartolomeu disse...

Tino, eu não posso garantir que o sapo produza efeito com todos os ciganos. Em minha opinião, o problema das etnias e convivência das raças, resolve-se com determinação e... perdoem-me a expressão "não mijando contra o vento".
É que, nenhum país, governo ou sociedade, pode querer ter em simultâneo, mão-de-obra barata e subjugação a regras de escravatura (refiro-me ao pessoal de raça africana) e ter as mesmas pessoas a viver em guetos. Sim, os concelhos limítrofes eliminaram as barracas, construíram bairros sociais e colocaram lá todas essas pessoas. Mas não os isolaram da restante sociedade, nem isso seria possível, tão pouco desejável.
Então, aquilo que todos desejamos é que, brancos, negros, ciganos ou de leste, tenham a oportunidade de ter uma vida digna, trabalhando, educando os filhos, não passando fome efectuando descontos e usufruindo das mesmas regalias sociais, inclusivé acesso à saúde.
Mas queremos tambem e sobretudo, que essas mesmas pessoas, observem as regras sociais e sejam cidadãos de pleno direito. Para tanto, não pode o estado virar costas às suas responsabilidades como mentor da ordem pública, punindo exemplarmente quem comete crimes, pertença a que raça pertencer. É um dever consignado na constituição da república, sobre o qual os nossos magistrados fazem vista grossa.
Mas... os genes do intendente Pina Manique ainda não se voltaram a reunir num só indivíduo...

defunto disse...

agradeço a homenagem póstuma

Cristina disse...

Tino

que horror...e depois?

Baidauei disse...

Qdo o MST concorda com o Paulo Portas... É o armagedão!!! Caro a.j.f venha ao meu blog despejar a sua raiva e mandar tudo cá para fora... já estou habituado a rastejantes. Largue lá a menina cristina.

Anónimo disse...

Cristina, o meu amigo há dias foi ao tribunal, antes que o delegado começasse a ler o processo, um calhamaço, nem queria acreditar que fosse só o dele, disse "sim pode arquivar". Não sei quem "mijou contra o vento"!?

Agora o sapo já está estrategicamente colocado, há tb um gafanhoto (o jovenal), é muito engraçado! As antenas do jovenal são antenas de rádio.

O sitio chama-se cerro da Goldra, avista-se a cidade de Faro e toda a zona litoral (ilhas, Quinta do Lago,Albufeira e, sem saír do mesmo sitio, Loulé e a serra que ao longo do dia apresenta tonalidades diferentes, conforme a ilumiação e a umidade do ar.

Qdo a minha oficina/galeria estiver a funcionar convido todos os que gostem de apreciar as artes..."Ciganada" não, já há cá muita.

Tino:)

maria disse...

Cristina:

Eu estou completamente de acordo consigo. No entanto, quero acreditar que há alguns ciganos decentes. Lembro-me quando era pequena, pr`aí há uns 35 anos atrás, de uma cigana velha que passava periodicamente pela nossa casa para vender toalhas,colchas, e atoalhados em geral a crédito, que era impecável, educada e super correcta nas contas. Deve haver alguns decentes, agora que a maioria é execrável também é verdade. Cá em Braga eles estão alojados em Sta. Tecla e outros sítios e aquilo só visto,são os bairros mais degradados de Braga e, por coincidência, exclusivamente habitados por ciganos. São portas arrancadas, persianas estropiadas, fachadas às cores, lixo pelo chão, etc. A minha irmã, quando era nova, andou a trabalhar nas férias a contactar os ciganos em casa, já não sei bem para quê e contava que eles tinham galinhas a viver na banheira, burros metidos nos quartos, porcos a vaguear pela casa, enfim, só visto.
Outra coisa que me revolta é eles retirarem as miúdas da escola, eu sou professora, para elas não conviverem com os rapazes e principalmente não perderem a virgindade. Às vezes são miúdas muito espertas e queridas, é um crime e não devia ser permitido.

Enfim, o comentário já vai longo e não quero abusar da sua paciência. Continuo a adorar o seu blog.


Maria

maria disse...

Cristina:

Eu estou completamente de acordo consigo. No entanto, quero acreditar que há alguns ciganos decentes. Lembro-me quando era pequena, pr`aí há uns 35 anos atrás, de uma cigana velha que passava periodicamente pela nossa casa para vender toalhas,colchas, e atoalhados em geral a crédito, que era impecável, educada e super correcta nas contas. Deve haver alguns decentes, agora que a maioria é execrável também é verdade. Cá em Braga eles estão alojados em Sta. Tecla e outros sítios e aquilo só visto,são os bairros mais degradados de Braga e, por coincidência, exclusivamente habitados por ciganos. São portas arrancadas, persianas estropiadas, fachadas às cores, lixo pelo chão, etc. A minha irmã, quando era nova, andou a trabalhar nas férias a contactar os ciganos em casa, já não sei bem para quê e contava que eles tinham galinhas a viver na banheira, burros metidos nos quartos, porcos a vaguear pela casa, enfim, só visto.
Outra coisa que me revolta é eles retirarem as miúdas da escola, eu sou professora, para elas não conviverem com os rapazes e principalmente não perderem a virgindade. Às vezes são miúdas muito espertas e queridas, é um crime e não devia ser permitido.

Enfim, o comentário já vai longo e não quero abusar da sua paciência. Continuo a adorar o seu blog.


Maria

Cristina disse...

Maria

lamentavelmente a maioria é completamente anti-social sim. e não sei como se dá a volta a isso. é que eles não têm mesmo "feitio" para serem integrados...

beijos