06 junho 2008

Crisis? What Crisis?



Bilhetes para hoje para o Rock in Rio, estavam esgotadíssimosvários dias e a serem vendidos a 100 e 200 euros na candonga. Venderam-se. Tal como aconteceu no primeiro dia e não sei se nos outros. Leva cerca de 100 000 pessoas, o recinto.
No dia 31, em apenas duas horas, mais de 20 mil bilhetes foram vendidos para o concerto de Madonna. 60 euros cada um, esgotaram em 6 dias..
De que diabo de crise é que vocês falam??

13 comentários:

Pêndulo disse...

Sabes que estamos todos direccionados para o consumo. É a alienação total.
Ainda há pouco tive um exemplo. Tomava café com um amigo. A empresa onde trabalhou desde os 18-19 anos fechou há uns meses. Agora recebe subsídio de desemprego. Com 44 anos e 2 filhos o futuro é preocupante e falámos disso. Tem um computador portátil e um de secretária. Passado um bocado perguntei como ia o filho mais velho na escola, parece que melhorou de pois de uma fase má. Depois disse-me "Esta semana comprou um portátil com o dinheiro dele que lhe iam dando avós e padrinho". Eu pensei em algum brinquedo até ele me dizer que custou € 850. "Que idade tem o rapaz agora?
- Vai fazer doze anos no mês que vem."
E eu fiquei a pensar"Este gajo perdeu o emprego, não tem curso nenhum. Para arranjar outro com a idade que tem vai ser um problema e nunca voltará a ganhar o que ganhava, e , tendo um portátil razoável, deixa, aliás foi ele que tratou da compra, que o puto torre 800 euros que daqui a dois ou três anos lhe vão fazer falta para comprar lápis? Está doido?"
É a fuga para a frente.

atento disse...

Então não sabes!?
Anda, de facto, por aí um boato. Olha que, até a televisão no quarto da criança de uma família pobre, já foi cobiçada.
Foi a matemática que falhou? 100 mil pessoas, é apenas uma amostra do poder de compra no inicio do mês. Temos concertos musicais em países onde a pobreza é mais visível e o povo não deixa de ir curtir o seu som, levantando mais poeira que a passagem de uma manada de búfalos.

Desinformador disse...

Honestly my dear, I don't give a dam! Não entendo esta súbita obsessão em criticar as escolhas de algumas pessoas, no que a concertos, ou festivais se refere.
Eu comprei 3 bilhetes para Madonna no tal dia 31 às 10h num site de venda de bilhetes, e não tenho de me preocupar se esgota ou não.
Não entendo que não se critique quem semana após semana gasta rios de dinheiro, para acompanhar um equipa de futebol, para sofrer e ver mau futebol durante 90 minutos... por exemplo!
E porque não criticar quem tem um espírito sádico, e, por isso, não perde uma tourada?
Encontrei bilhetes para este concerto em Setembro, noutras bilheteiras electrónicas entre 99 libras, e 600 euros... por isso, veremos quantos destes 50 mil que vão a Madonna são realmente tugas.
Música, mesmo sendo pop, também é cultura... Se fosse, e já aconteceu, um concerto de Tony Carreira no Atlântico a esgotar em horas já não haveria motivo para críticas.
No Público online, já se arrasta esta polémica desde o anúncio da venda de 20 mil bilhetes para Madonna logo durante as primeiras horas, e os comentários são demasiado mesquinhos para merecerem resposta...

Fado Alexandrino disse...

Um por cento dos tugas faz esses tais cem mil.
Ora acontece que um por cento dos tugas são ricos ou são mesmo muito ricos e podem ir a todos os eventos, e vão!
Quando deixam algum lugar livre, vão os outros que depois não pagam aos padeiros e na mercearia.
Isto eu sei, porque em sonhos fui a um desses concertos, entrevistei cem pessoas e nenhuma era padeiro ou merceeiro.
Outra coisa curiosa era que a maioria respondia ao inquérito em brasileiro, ucraniano ou angolano.
Vá lá perceber-se isto!

Sofia Loureiro dos Santos disse...

É tudo uma questão de prioridades.

Cristina disse...

P

de facto, é um fenómeno estranho, este de toda a gente ser obrigada a aparentar desafogo.
lembro-me desde pequena que fazia muita confusão à minha mãe ver pessoas que ela sabia que andavam sempre aflitas de dinheiro a tomar o pequeno almoço no café. dizia ela que o preço de um pequeno almoço dava para pão e leite prá semana toda em casa, o que é verdade. sempre foi assim. outro factor importante é que ninguem se contenta em ter uma prestação da casa para pagar, têm que lhe juntar a prestação de um bom carro, do plasma, dos computadores, de boas mobilias, e se preciso for até das férias....acredito que muitas das dificuldades, independentemente de os ordenados serem baixos, que são, é má gestaão e incapacidade para lidar com o famoso "ser menos que os outros".

ps- sabes que na minha primeira casa pus mobilia de quarto em segunda mão e a mobilia de escritorio foi oferecida por uma instituição que ia deitar tudo fora? uma secretaria de uma madeira espectacular com estantes fechadas iguais. muito bonito mesmo.
e na sala tinha uma mesa e cadeiras de campismo e uma arca com uma televisão a preto e branco, velha,em cima.
foi em 1991. não são muitos anos.

Cristina disse...

atento

pois, é uma coisa um bocado abrasileirada: pode não haver pra mais nada, mas vamos e amanhã deus dirá como será.

Cristina disse...

desi

se as pessoas compram é porque têm dinheiro e pronto. é uma questão de prioridades. o meu espanto é: perante tanta queixa diária sobre a crise, de onde é que sai tanto dinheiro??

e tens razão, não é só espectaculos é na quantidade de bens que não são de primeira necessidade! Portugal é dos paises mais consumistas da Europa. é incompreensivel mas é verdade..

Cristina disse...

fado

loooool:)) tens razão, não estão la os merceeiros. já os filhos, se calhar estão. e olha que são 100 000 por dia. são 6 dias de festa.

é muito povo a gastar dinheiro...

Cristina disse...

sofia

exacto.

olá, bem vinda à casinha virtual ;)

immortal disse...

cristina
achei graça ao p.s. para o pêndulo, pela simples razão que eu enquanto a minha vida não estabilizar, talvez lá para os 50 anos, e com sorte, não me posso dar ao luxo de ter mobílias "boas", quer por o dinheirito não esticar quer por andar sempre a mudar de casa, portanto tudo o que tenho é reciclado, tudo coisas que em casa não tinham serventia,e como tenho jeito para raspar e envernizar tenho uma casita pratica e arranjadinha sem gastar muito dinheiro, e penso se alguma vez serei capaz de me desfazer disto

Cristina disse...

immortal

acredita que muitas dessas coisas dei-as agora quando mudei de casa?? tinha duas casas (no mesmo andar) cheias, portanto, obriguei-me a desligar da maioria das coisas.

mas também lhe digo, amiga, que quem tem jeito para cuidar bem das mobilias e lhe junte algum bom gosto não precisa de gastar muito dinheiro e acaba por fazer uma casa muito agradavel. e nas lojas em segunda mão arranjavam-se, na altura, moveis bem agradaveis..é como o vestir, ja tenho visto "fortunas" gastas, que valha-lhes deus....

immortal disse...

nem mais :)