03 junho 2008

concordo


com o João Tunes: foi mesmo uma miséria televisiva que nem merecia referência, mas, já que se fala nisso, só dizer que a total ignorância com que o pelotão de fuzilamento da internet falou daquilo que queria fuzilar, só demonstra a mesquinhez dos opinadores e, pior que tudo, que Portugal ainda está na pré-história da rede. REDE no seu verdadeiro sentido, de comunicação e inter-acção em tempo real para a qual contribui brutalmente a blogosfera. De facto, esta gente não sabe o que é comunicar, esta gente exibe-se. E só. Também concordo em absoluto com o post do Boca de Incêndio quando diz:

Chegou-se ao cúmulo de incluir nas actividades correntes da blogosfera o branqueamento de capitais, o tráfico de armas e a formação de terroristas!... Já se sabia que os jornalistas sempre olharam para a blogosfera como se fosse o quintal das traseiras da respeitabilidade. Precisamente até editarem um blogue. Como é hoje a regra. Passaram então a importar para os jornais os piores hábitos da blogosfera. Esquecendo-se que as regras intrínsecas desta são distintas das dos meios de comunicação convencionais. Por outro lado, o alarmismo induzido contra os blogues, promovido por quem deveria analisar este mundo com serenidade, acaba por denunciar o pavor sentido por algumas figuras públicas - produzidas pela indigência televisiva, pelo défice crítico, pelo espírito de seita, pelo manto do amiguismo, pelo discurso oficial seguido informalmente pelos media tradicionais, pela genuflexão pavloviana, pela auto complacência, pelos sindicatos do gosto - de que o seu valor seja realmente escrutinado por uma opinião pública informada, livre e aberta.
Tal e qual!
.
adenda:

10 comentários:

Pêndulo disse...

Ver o Miguel Sousa Tavares exigir identificação para se publicar foi ver a imagem da decadência. Só lhe faltou dizer "no meu tempo...".
Isto é, nitidamente, uma questão do poder instalado e controlador ver algo que lhe escapa surgir e agigantar-se. As elites sempre reagiram mal à concorrência. Vimos disto quando a burguesia ascendeu e começou a colocar em causa o poder aristocrático. Agora a história repete-se.

immortal disse...

o também vi o senhor MST tão indignado que...não gostei...
acredito que muitos não gostem de ler sobre si...mas o mediatismo tem duas faces

Eric Blair disse...

já no tempo da GR o gajo me exigia identificação sempre que mandava para lá um bitaite. Uns talibões, é que nós somos.

Brancaleone da ex-colônia disse...

O problema é que a internet não tem controle e se tem uma coisa que líderes, sejam de esquerda, direita ou de qual religião for, odeiam acima de tudo, é não poder controlar alguma coisa .
Esta aparente anarquia blogosférica tem um quê de liberdade, de independência e isso é inadmissível.
A imprensa oficial teme a internet por ser ela uma segunda, terceira, quarta ou enésima opinião sobre algum assunto. A imprensa tradicional perdeu poder, os grupos políticos e religioos tambem e isso é pavorante para eles.

Manel disse...

A coisa mudou, e a mudança assusta os instalados.

Cristina disse...

P

não só o poder como a legitimidade da "fama"...agora, qualquer um fora do circuito do varios lobbies pode escrever qualquer coisa do tipo: mas que merda é aquela? aquele gajo é conhecido porquê, o que é que faz de jeito?

e isso é uma valente chatice...

Cristina disse...

immortal

eu concordo com muitissimas opiniões do MST. não é o caso desta. acho de um primarismos pachecopereirista..

Cristina disse...

eric

eu acho mesmo que um gajo contigo nunca está seguro. ha que ter cuidados...

Cristina disse...

brancaleone

justamente! é quase como a igreja catolica e o aborto. a perda o controlo sobre parte tão intima das pessoas vai fazer mais mortes entre os crentes do que entre os embriões.

Cristina disse...

manel

pois é, e com tendencia a agravar. nada a fazer.