19 abril 2008

Roubo!


Dois milhões de euros foi quanto custou ao Governo a participação de Tiago Monteiro na Fórmula 1 (F1). A falta de alguns dos patrocinadores que iriam suportar a participação do piloto nos Campeonatos do Mundo de 2005 e 2006, obrigou o Estado a disponibilizar directamente o montante em falta, face aos compromissos assumidos pelos executivos de Santana Lopes e José Sócrates junto da Jordan (que passou a designar-se Midland).

Entendo que deve existir apoio do Estado a um atleta se houver interesse em que, pela criação de "heróis", a restante população seja incentivada à prática desportiva. Admito-o também a provas desportivas se elas proporcionarem um retorno por via do aumento das receitas turísticas.
Dizer, como disse Telmo Correia: “Um português na F1 teria um claro interesse para promover a marca Portugal, mas não condicionei qualquer decisão. é fazer dos portugueses pagadores de impostos parvos. Alguém vem a Portugal por ver uma bandeirinha no cinto de Tiago Monteiro? Quando há poucos dias Paulo Portas bradava, com alguma justeza, diga-se, pela responsabilização de funcionários no caso das penhoras ilegais das Finanças sorri ao ver tanta vontade de sede. Pena que não comece pelo partido de Jacinto Leite Capelo Rego.

Este era o único apoio que Tiago devia ter tido.







Adenda : Segundo o Sol "O contrato não estipula qualquer obrigação de Tiago Monteiro publicitar a marca Portugal."

17 comentários:

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Descobri este blog há muito pouco tempo, passou já para os meus fav. o Portugal profundo em bom :-)

Obrigada pelo sorriso, ás vezes amarelo.

Pêndulo disse...

Ana,
Leia lá nos astros se ainda vamos ganhar dinheiro com este blog?

Cristina disse...

não conheço melhor comentário que a frase do Anarca: "neste país é carnaval todos os dias" :)))

Lola disse...

Pendulo,

É a forma de apoiar o desporto à governo português.

Esse dinheiro distribuido pelas colectividades, que de facto promovem o desporto nos jovens, teria sido uma
festa.

Mas ser amigo do amigo do ministro é sempre melhor para o desporto e para o resto.

Rui Perdigão (Vida) disse...

Há três que gostava de ter comentado, mas faltou o tempo. São "Porra que não se pode ser velho!" com piada qb, "Casa onde não há pão...", uma nota de abelinha a zurzir nas (má)consciência, e o Yes, de Obama que, creio, será o próximo presidente dos EUA.
Saudações
Rui Perdigão (Vida)
http://vida-das-coisas.blogspot.com

Cristina disse...

Olá Rui

obrigada pelas visitas. Olhe, não sei bem o que se passa mas acho que anda meio mundo a cem à hora nesta altura..

vamos com calma dentro do que o tempo permite.

um abraço and yes, he can ;)

Susana Barbosa disse...

Enfim...

Olha Cristina, bom fim de semana!

Bjs

atento disse...

Então, quem é que vai ganhar?
O senhor Só gaba-se de ser o mais rápido.
A corrida continua.

Abraço

Desinformador disse...

Dois milhões de euros não é assim tanto dinheiro, se compararmos com o que se gastou no Euro '04, ou na Expo '98... Com a agravante, de que por exemplo o Estádio do Algarve foi usado apenas para 2 ou 3 jogos do Euro... e se em média cada estádio custou 10 milhões de euros...

Eu já aqui tinha defendido o Tiago há algum tempo, e continuo a acreditar que a participação dele na F1 foi mais benéfica para Portugal do que agora querem fazer querer...

Mas isto até poderia levar a outra discussão...

Porque é que o estado português não outras condições aos praticantes de desporto?

Caso não saibam, um desportista para ser apoiado pelo estado, tem de no mínimo terminar em terceiro lugar sua modalidade, num europeu ou mundial.

Sem isso, não tem apoios, não tem facilidades nos estudos, não tem nada... e em Portugal, há muitos e bons desportistas, e em várias modalidades, que suam de manhã à noite para treinar e competir, pagam do seu bolso as deslocações a provas. A maior parte das vezes têm de agradecer aos seus 'paistrocínios', porque nada nem ninguém lhes dá um cêntimo de apoio...

É por isso, que havendo que possa ter a oportunidade de receber um apoio do estado, a deve aproveitar...

Pêndulo disse...

Desi
Da notícia do Sol
"Em termos comparativos, no mesmo período, o Comité Olímpico Português recebeu 2,2 milhões de euros e a Federação Portuguesa de Atletismo teve direito a 3,1 milhões."

O que eu ainda não entendi foi em que é que foi benéfica para Portugal a participação de Tiago Monteiro.
Um Carlos Lopes, uma Rosa Mota, Uma Naide Gomes, podem, eventualmente, pôr os portugueses a correr e saltar. Um Tiago Monteiro põe os portugueses a conduzir mais devagar e com mais cuidado?

Pêndulo disse...

Lola

Não imagina como me revi nas suas palavras. Costumo dizer que o Unidos do Bairro do Sei Lá, é mais importante que o Benfica, Sporting e Porto juntos, porque no Unidos jogam o Nelo Barrigudo e o João Fominhas, até eu poderia jogar. No Benfica só os craques. E essa deve ser a função do desporto, corpos saudáveis, activos, não o levar ao extremo para fornecer um espectáculo "desportivo" por trás do qual parece ocultar-se a escória da sociedade.

Cristina disse...

xii

mecheste com o Tiago, mecheste com o Desi.
(ja eu, outro dia levei uma tareira aí do nosso querido amigo ;)


de qualquer modo...tens toda a razão em relação à promoção do desporto. acarinhar os nossos campeões, mas principalmente, ajudar a encontrá-los desde pequenos. com senso, não em formulas não sei quê, onde não podemos concorrer ao mais alto nivel.

Desinformador disse...

pois, obviamente que patrocinar uns par de sapatilhas por temporada não move os mesmos montantes que patrocinar um piloto de fórmula 1, que no caso do Tiago, teve de comprar o seu lugar durante dois anos, sim, eu sei, com grana do erário público. mas e os rios de dinheiro que o estado dá à FPF? Para depois vermos o seleccionador nacional a mostrar dotes de pugilista a defender... um cigano!?

O grave disto tudo, foi não terem seguindo apoiando o Tiago, porque se o tivessem feito, ainda hoje estaria na F1. Isso sim, foi uma má decisão. Porque não tenho dúvidas que a continuar, poderia progredir, mudar-se para outra equipa que não lhe exigisse que comprasse o seu lugar, e daí em diante tinha a carreira lançada...

Na F1 sempre foi assim, quem quer competir, tem de comprar um lugar, e depois demonstrar que é bom, a partir daí vai ascendo na carreira... o Ayrton Senna no seu primeiro ano, com a Toleman Hart, foi terceiro no GP de Portugal... e o carro também não andava para a frente, e hoje em dia é o maior mito deste desporto!

O que me causa repulsa, é que o estado português, através IND, tenha instituído que só apoia qualquer atleta, em qualquer modalidade, se no mínimo terminar nos lugares do pódio num europeu ou mundial. Mas e para chegar ali? Para alcançar um lugar destes não é só querer. Há nos de treino, de lesões, de separação da família, de sacrifícios, de aulas perdidas, de anos chumbados... porque ou se escolhe competir, ou se escolhe estudar! Ninguém tem condições para fazer as duas coisas em Portugal.

E é isto que me chateia!

E 3.1 milhões para o COP e outros tantos para a FPA são verbas irrisórias! O nível competitivo que atingiu o mundo de alta competição é demasiado exigente, e para estabelecer um plano anual de treino e competição, 3 milhões de euros, em atletismo servem para dois ou três atletas... ou a solução será competir só em Portugal... mas se não medirem forças com atletas do mesmo nível ou mais alto, então também não vão evoluir...

Já agora, porque será que o Francis Obikwelu está a treinar em Madrid?

Eric Blair disse...

desculpa a grosseria, mas o título deste post deveria ser "o dedo no cú".

Pêndulo disse...

Desi

Concordo com muito do que dizes.
Se calhar, vendo os montantes envolvidos, o melhor mesmo seria criar uma secretaria de Estado dos Espectáculos Desportivos onde se metia o futebol profissional, os atletas de alta competição, os corredores de desportos motorizados, enfim, toda essa gente que não pratica desporto mas que está de algum modo relacionada com ele.Punham-se a pagar impostos e a trabalhar como os restantes cidadãos-
Obikwelu foi para Espanha, e? Não tinha vindo para Portugal pelas mesmas razões que o levaram agora a mudar de país.Aliás ainda não entendi porque é que lhe foi concedida a nacionalidade portuguesa. Por correr? Anda aí tanta puta brasileira há anos e anos a tentar legalizar-se e não consegue e este, como está ligado ao desporto consegue tudo e mais alguma coisa.
Já que falei de putas brasileiras, digo que me parece que o Estado está de pernas bem mais abertas a tudo o que cheire desporto que elas na sua profissão.

Desi,eu gosto de desportos motorizados. Tanto que participo algumas vezes por ano em passeios todo o terreno como acompanhante. Não são corridas porque faltam os euros.
Todavia ainda não entendi os benefícios para o país de ter um corredor na F1. Quais são?

Desinformador disse...

Não há uma resposta simples para essa pergunta Pêndulo... mas talvez, Pêndulo, o benefício seja semelhante, para não dizer igual à organização do Euro '04, ou da Expo '98... e só custou 2 milhões de euros... o que até acaba por ser um valor bem mais aceitável.
Quantos às brasileiras, eu por mim resolvia o problema facilmente, legalizava a prostituição e concedia-lhes o estatuto de estrangeiras residentes no país. E com os benefícios fiscais que isto acarretaria, o mais simples seria dirigi-los para a saúde, não fechando urgências, ou SAP's...

mas isto sou só eu a falar...

Rui @t Blog disse...

Concordo plenamente e digo mais:
Não haverá aqui o pagamento de alguma toca de "favores" como po exemplo apoio em campanhas ?
Eles não fazem de nós parvos...nós somos mesmo parvos porque não reagimos e esquecemos tudo na hora das eleições.