31 março 2008

susto do dia II



As respostas deste senhor à reportagem sobre as inenarráveis e humilhantes condições de trabalho e de sobrevivência da nossa polícia.
Perguntava um dos entrevistados porque é que os policias eram tratados de forma tão diferente de outras forças? Simples, porque os policias sempre foram vistos pelo poder como os "broncos" que vinham da província para a policia porque era a única maneira de virem para a cidade com cama e comida garantida, ou quase, que não tinham opinião, nem instrução, direitos muito menos, que não protestavam e se possível ainda agradeciam......
Bom, ficámos a saber que, pelo menos as espeluncas onde vivem vão melhorar....."ainda hoje dei ordens para que se construíssem camaratas"....que ferro! pra que é que estes gajos precisam de água quente e camas com lençóis e casas de banho limpas? paneleirices...ahhh, já não são os broncos de há 50 anos? porque é que ninguém me avisou pá? um gajo ver uma reportagem assim a ter que fazer estas figuras pá, tá mal...

Especial Informação - Entre o Dever e o Medo

7 comentários:

Luís Bugalhão disse...

olá cristina. long time no see...

e quem disse que as outras 'forças' são tratadas de forma diferente?

gnr, polícia marítima, guardas florestais... e já agora militares, é tudo tratado abaixo de... imigrante do 'anterior dostracizado'. as excepções são para as cúpulas, alinhadinhas e subservientes (e broncas, já agora), cm o sr secretário de estado.

e o pior é que é preciso aparecerem dois broncos (e não, não é racismo), numa tv cm a tvi, para as pessoas verem o que se passa.

agora é claro que aquilo é tudo comunas: o sec estado, a jornalista, e principalmente os polícias que falaram de cara aberta e cara tapada e voz distorcida...

não vá o p. de sousa tecê-las.

bj

Cristina disse...

Luis

por acaso acho que os policias sempre foram tratados abaixo de cão, desde sempre mesmo. davam-lhes um falso poder em troca de cama e comida. e se um filhinho de papá os insultasse numa esquadra ainda tinham que lhe pedir desculpa. quantas vezes...

Cristina disse...

só uma duvida...porque é que usas sempre a palavra comuna em todos os comentarios??

Luís Bugalhão disse...

pq é uma muleta ;-);

e pq é também um sinónimo do termo que o pinto de sousa usa (e sus muchachos tb) para designar quem está por trás de tudo o que seja dizer mal do 'oásis' a que chamamos nosso país. seja em manifs, anedotas, no trabalho ou nos jornais, com civis e militares, enfim...;

e pq há umas cenas freudianas que m'afloram ao discurso de vez em quando. alguns entendem-nas como provocação.

e tu como é que a entendeste?

bjs

Luís Bugalhão disse...

agora o que acho é que todos devíamos conhecer esta e outras realidades.
porque os governos passam, não são responsabilizados pela merda que fazem, que perder eleições é só um intervalo até voltarem, aproveitado para uma carreira (muito, muito!) compensadora nos privados, os governos passam, dizia, mas as Polícias ficam e as FFAA ficam. e estes que ficam, para além de serem vistos como privilegiados e incompetentes pelo resto do povo que servem (que servimos o povo português, não os governos que passam), não podem dizer nada sem verem os seus já limitados direitos democráticos violados pelas tutelas várias que temos tido.

daí que apareçam estes espectáculos, autênticos gritos de revolta, para confrontar o teleeleitor com a triste realidade que o discurso do poder e os OCS lhe negam. e depois o povo não sabe: pensa como o 'mandam' pensar. ou como o 'mandam' dizer que pensa.

tu conheces a realidade da polícia por razões pessoais. e sabes que isto que apareceu na 'peça' (chamemos-lhe assim) é tudo verdade. e sabes que fica muito mal ver polícias na rua; e sabes que fica muito mal no quadro que se quer montar de felicidade e recuperação de um país que, não fosse o p. de sousa, já teria desaparecido, aparecerem peças destas, feitas por estagiárias (às tantas a recibos verdes), ainda por cima com aquele cabelo e a falar sempre aos gritos; e sabes, finalmente, que daqui a dois dias já ninguém se lembra da reportagem sobre a polícia: lembram-se é desses privilegiados (com dois coletes anti-bala para repartir por umas dezenas de camaradas) que, quando vêm o ladrão no mato, viram-se p'ró morro.

e eu tb sei, que tu sabes que eu sei, que tu sabes ;-)

mas é triste... é terceiro mundista... e não há pensamento positivo que apague essa tristeza. nem que mate as ganas de mandar quem nos governa, em sucessivas gerações, desde a morte do sebastião josé de carvalho e melo, p'rá real senhora que os pôs no mundo!

por isso... olha, brigados pelo divã. um dia destes passo por cá outra vez, que as tuas consultas são baratas, apesar de não serem dedutíveis no irs.

bjs

Luís Bugalhão disse...

olha! escrevi p'ráí 400 palavras e 'comuna' nunca apareceu. juro que não foi propositado. se calhar 'tou 'curado', não?!

lol

Cristina disse...

Luis

curado não afiançaria mas...bem melhor :)

pois é, eu conheci bem esta realidade e as queixas de muitos e a vida miseravel que faziam durante muuitos anos. policias, viviam em camaratas e quando casavam viviam em quartos alugados ou, na melhor das hipoteses, em "partes de casa". mais ou menos como os ucraneanos fazem agora.
instrução, quanto menos melhor e sempre caladinhos e obedientes.

tinham uma coisa boa,ficavam bem nas anedotas e serviam de diversão aos lisboetas.