20 março 2008

falando em vintages e clássicos

aqui vai um documento para memória futura

quando os netos dos nossos netos virem isto num ciclo de curtas do início do milénio vão ficar com uma clara ideia dos tempos difíceis que os jovens do nosso tempo suportaram, sob a ditadura dos setôres, que os impediam de usar o telemóvel nas aulas, vejam só! The horror.... the horror......

substituí o video por este da SIC Notícias, pois as identidades dos intervenientes estão filtradas. para evitar visitas dum advogado de alguém...

18 comentários:

Francis disse...

não tenho palavras.
espero, sinceramente, que uma filha minha nunca faça esta figura.

a falencia da autoridade.

Cristina disse...

pá, alguém providencie acompanhamento psicologico prá rapariga...e mesmo assim não sei se vão a tempo de evitar o pior, o stress pós traumático, claro.

e o governo não fez nada?

e-ko disse...

com a educação que tantos têm em casa, não surpreende nada... e ainda não vimos tudo!

dalloway disse...

Esta professora merece-me todo o respeito, como me merecem todos os professores espalhados por este mundo fora.

O "acompanhamento psicológico" que a Cristina fala devia ser extensivo à sociedade no seu todo!

A.J.Faria disse...

...cena lamentável!
O diagnóstico está feito, aplique-se medidas adequadas de forma a desmotivar semelhantes comportamentos.
Eis uma boa oportunidade para ser aplicado o recente estatuto do aluno...

Animal disse...

e as associações de pais deixam? bem, estamos na época em que os coelhos põem ovos... porque não acreditar nisso também?

sarol disse...

a professora, com um bocado de sorte ainda vai ter que aturar os pais da menina.

Pêndulo disse...

Pergunta a Cristina, em tom jocoso: "e o governo não fez nada?"
O pior é que tem feito, se bem se lembram esta é a ministra que disse "perdi os professores mas ganhei a população".
Obviamente a culpa não é exclusiva deste governo, o mal vem de trás e é muito mais abrangente que as paredes de uma sala de aula ou uma faixa etária, mas no caso da Educação estes senhores ajudaram a isto e muito.

Entretanto no JN fiquei a saber que a professora tomou este ano contacto com o "mundo real":
A docente chama-se Joaquina, está no topo da carreira e regressou este ano à escola, após vários anos a desempenhar funções como coordenadora do Parlamento Europeu dos Jovens.

Foi nesta escola que foi colocado o professor Charrua que teve um conflito com a DREN Margarida Moreira.

Desinformador disse...

E a esta hora já esta 'Cátia Vanessa' ligou ao Bobby e ao Tareco, para fazer a folha a esta stora, carago!

Cristina disse...

pendulo

eu acho como a ek-o, é exclusivamente uma questão de educação. esquecemo-nos frequentemente de que a escola dá formação, mas quem dá a educação é a familia ponto final

o que se passa, é que se assistirmos a algumas reuniões de encarregados de educação, percebemos imediatamente quem é que tem filhos destes. é linear..o modo como os pais encaram a figura do professor passa sem espinhas para os filhos.

ou seja, o que é que o governo pode fazer?? reprimir, como no tempo da outra senhora. o "respeito" também se conquista pelo medo do castigo. aliás, tenho pra mim que toda a gente nasce selvagem..

Woman Once a Bird disse...

A atitude lamentável não está apenas na aluna. A restante turma tem um comportamento deplorável, que revela em muito a forma como as coisas têm vindo a funcionar.
Aliás, o facto de o vídeo começar a circular no you tube é bem reveladora; na perspectiva destes miúdos, toda a situação não passou de uma piada, não conseguindo sequer vislumbrar o desrespeito profundo pela docente. E de repente, o feitiço volta-se contra o feiticeiro.

Anónimo disse...

E pq nao meter video vigilancia nas salas de aulas?!....Suiça

e-ko disse...

isto não vai com apoios psicológicos... nas famílias onde a permissividade é muito grande em que não se educa para o respeito pelos outros (todos os outros e não só os professores), e não se trata de uma questão de classes sociais, a indisciplina é muito frequente. estes jovens têm uma fraca resistência a qualquer frustração.

sou contra a educação repressiva anterior ao 25 de abril em que imperava o medo e não a aprendizagem do respeito pelos outros e por si próprio e também, por essa europa fora,se viu muita coisa deste género após maio de 68 em que a palavra de ordem era "é proibido proibir" e que deu origem a muitos excessos porque os pais deixaram de exercer as suas responsabilidades de educadores, mas ao ponto a que isto chegou em Portugal não creio.

hoje, países como a Inglaterra e mesmo a França, estão progressivamente a responsabilizar as famílias pelos comportamentos mais ou menos delinquentes dos seus rebentos e a obrigar muitos pais a seguir formações no sentido de tentar irradicar certos comportamentos.

jovens como a que vemos no vídeo, que visivelmente não sabe gerir minimamente uma pequena frustração, estão condenados ao acompanhamento psicológico e psicoterapeutico para o resto da vida, precisamente porque não aprenderam o mínimo que lhes permita viver numa sociedade que não dá tudo de mão beijada...

sem valores e respeito pelo outro (todos os outros e não só os professores) isto será uma selva!

isto, que é uma questão privada, da educação e transmissão de valores pelas famílias, acabará por tornar-se numa questão a resolver pelo estado como em Inglaterra na possibilidade de criminalizar os jovens a partir dos 8 anos, se as famílias não tomarem consciência de que a educação começa em casa (mas muitos deles já tiveram uma educação dificiente ou inexistente) e que não podem deixar que a criança-rei que criam se tornem em tiranos mal educados.

mais um assunto sobre o qual não posso falar de forma ligeira... agora vou ler os postais do camarada Koprotkine!

feliz Páscoa a todos

Cristina disse...

e-ko

no fundo tudo se resume a duas ou três palavras: familia, educação, e uma completamente fora de uso:disciplina, acho que ja ninguem sabe o que isso é...

e-ko disse...

como é que pode haver disciplina, se as criancinhas não vão de casa já educadinhas e que por vezes nas escolas não existe exigência suficiente ? é um ciclo vicioso!

Cristina disse...

um comentário que deixei nos marretas:
bonita é a cabecinha do gajo que filmou!

é como assistir a um acidente e em vez de ajudar ficar a filmar a coisa para deleite proprio e de quem não teve oportunidade de assistir...aí está como se transforma um cobarde em heroi.


quanto aos pais, ó animal, de acordo contigo. basta assistir a uma reunião de pais e ficas a saber sem grande margem pra erro quem é que tem filhos destes...completamente atrasados mentais..é por isso que ja não vou a nenhuma.

ahh, na ultima a que fui, havia uma mãe que como não deixa o filho ir a visitas de estudo nem a festas e às vezes nem às aulas (não confia em ninguem para acompanhar o filhinho...). este ano ja atingiu o limite porque segundo dizem os colegas à segunda fica sempre a descansar do fim de semana. mas dizia eu, na tal reunião, a madame, queria obrigar a escola a fazer menos visitas de estudo porque o filho, como não ía a nenhuma, ficava prejudicado.....:/ (ameaçou até fazer uma queixa num sei a quem,...

agora imaginem lá que filhinho será este..

Animal disse...

volto a dizer: no mínimo vai a secretário de estado...

e-ko disse...

claro que isso depende da escola... e do pedigree dos rebentos.

os da escola secundária do Porto que vimos no vídeo nem para empregados de balcão, as empresas preferem brasileiros, porque são mais educados...