01 março 2008

Coerência nos outros, é com eles.


O Tomas Vasques, diz que Os militantes do PCP que hoje à tarde integrarão a Marcha pela Liberdade, em Lisboa, deviam lembrar-se de Ingrid Betancourt. Há 6 anos presa. Sequestrada. Sem acusação, nem julgamento. Muito doente, segundo os últimos testemunhos. Ninguém defende a liberdade quando é cúmplice de sequestros e prisões desta natureza.
.
Pois é Tomas, como diz um analista do Noticias 24,
Pelo menos aos olhos de alguns, porque para Miguel Urbano Rodrigues, esse grande "analista político internacional do PCP" e revolucionário exemplar, Renova a esperança confraternizar com revolucionários desta têmpera no limiar do século XXI, na era da globalização neoliberal, neste tempo de covardia intelectual e de abdicação. A epopéia das FARC-EP, a sua inquebrantável confiança na vitória distante, sem data, transporta e transmite a esperança da humanidade.
Portanto, Tomas, nada de preocupações exageradas. Muito mais importante agora, é gritar pela nossa liberdade, livremente, pelas ruas de Lisboa, sem incómodos de maior que não seja eventualmente o sol quente, do alto do conforto desta nossa velha Europa, desta nossa velha e solarenga Lisboa, e acabada a festa, beber uma cervejola em qualquer esplanada da capital.
Muito Melhor.

11 comentários:

OBSERVADOR disse...

Será que a liberdade é um termo com significados diversos?

Marchas...
Pois pois.

Pêndulo disse...

Eu concordo. Até porque as FARC são as filhas bastardas das filha-da-putices que os Estados Unidos da América do Norte têm feito.
A senhora está há muito em cativeiro e parece já estar com problemas de saúde sérios. Felizmente Hugo Chavez está a mexer-se para a salvar e ele já conseguiu a libertação de alguns reféns.
Só não entendi o último parágrafo do post. É condenável gritar pela liberdade na Europa? Quais são as zonas geográficas em que tal é aceitável? Quais são os critérios para que se possa faz~e-lo? E quem os define? E porque os define? E que autoridade tem para os definir?


Talvez o tempo em que tínhamos um país das maravilhas e não havia manifestações que não as de apoio ao Sr. Presidente do Conselho e a paz social era imposta na António Maria Cardoso fossem eticamente mais correctos, não? Afinal havia sempre quem estivesse pior, muito pior.

Cristina disse...

P

o hugo chavez está em casa, não chegou ao poder pela força??? então.

qual é a falta de liberdade na europa mesmo, comparativamente ao resto do mundo?? eu tinha quase vergonha, se queres que te diga. acho que esta malta nem noção tem do que é falta de liberdade...protestam de barriga cheia, como dizem os brasileiros que por ai trabalham.
talvez se emigrassem uns meses para cuba ou china, aí tinham a certeza do que é falta de liberdade e muitas razões para fazer manifestações. mas até aposto que não fazim...

Cristina disse...

observador

MUITO diversos. falta de liberdade não é seguramente o mesmo aqui ou na china. ou na Colombia..

Pêndulo disse...

Fica a partir de agora definido por decreto de Sua Majestade D. Cristina I Regina de Sintra, Massamá et Óbidos( Tás a ver? Já te arranjei forma de reivindicares o Palácio de Sintra. Óspois arranjas-me hospedagem ;-)) que expressões como:
- Está um frio do cara...
- Está um calor que derrete.
- Tenho uma fome que comia um boi
e outras similares, passam, a partir desta data, a ser terminantemente proibídas, pois, como é do conhecimento geral:

Frio a valer têm os esquimós

Calor apanham os tuaregues

Fome a sério é na Etiópia.
Concomitantemente ficam os cidadãos obrigados a, sempre que pretendam emitir uma queixa sobre algo, verificarem se são o desgraçado mais desgraçado à face da Terra. Caso não o sejam deverão abster-se de lamentos e comentários negativos e críticas destrutivas.
Só expressões de felicidade, alegria, e agradecimento aos governos pelo bem que nos fazem serão aceites no espaço europeu. Excepção feita a Chipre onde um comunista ganhou as eleições. Aí todos os protestos devem ser incentivados.

A bem da felicidade da Europa




Quanto ao ditador Chávez, indo ao texto original, lemos:
Avergüenza en lo más profundo de la venezolanidad que Hugo Chávez, venezolano, muestre su auténtica ralea aliándose con esa pandilla de facinerosos y abogue por elevarles sus status del terrorismo que practican al elegante denominativo de “fuerzas beligerantes”

É uma ditadura estranha a que permite que se escreva aquilo num jornal. Talvez os venezuelanos não tenham também razões para protestar. Por exemplo em Cuba não se pode ler algo do género sobre o presidente. É, os venezuelanos também protestam de barriga cheia, segundo a tua óptica.

Cristina disse...

P

Claro que tudo é relativo, mas a lamuria sistematica dos europeus a queixarem-se de falta de liberdade, ou de falta de direitos ou de regalias sociais é sentido pelo resto do mundo quase como um insulto... isto é a impressão com que fico quando ouço os imigrantes. e sabes que lido com muitos. e na verdade é...se quisermos ser honestos.

ainda não percebi de que falta de liberdade se queixam exactamente as pessoas, tu sabes? achas que a Europa corre algum risco especial de se aproximar de Cuba ou China?? ja a venezuela....a Venezuela ainda é melhor que Cuba, ainda! lembras-te da derrota de Chavez no referendo e o que ele significava? porém, ele avisou que não se dava por satisfeito na sua luta pela revolução bolivariana, veremos. agora está em operação de charme..

Odete Pinto disse...

Parafraseando João Tunes, no Águalisa, é caso para perguntar às mentes intelectas do pcp: Está tudo grosso?

Cristina disse...

pois!!

hilariante...o João Tunes:

No editorial do “Avante” de hoje, o PCP explica o seu conceito de coerência que unifica o apoio entusiasmado e acrítico à ditadura cubana que eleva ao altar do “exemplo” (arriscando-se, aqui, a ser rapidamente ultrapassado pela realidade e a fazer figura de “mais papista que o papa”) com o significado da marcha que está a organizar para o próximo sábado (1 de Março) pela defesa da liberdade e da democracia em Portugal..

LNT disse...

Prefiro deixar uma e outra coisa no seu distinto lugar:

As Farc, a sua militante guerra de iniquidade e os seus aliados como o PCP no banditismo e misturar uma e outra coisa na liberdade de cada um se manifestar, em democracia, por aquilo que entende de mais justo.

Esta confusão de tentar justificar o mal com o mal é coisa que me atrapalha o juizo, minha cara amiga Cristina.

Cristina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cristina disse...

LNT

é exactamente isso: a liberdade de cada um se manifeatar continua integra, COMO SE VÊ. . a democracia, parece-me que também....queixam-se de que falta de liberdade e de que falta de democracia??

é que eu acho que a malta ja perdeu a noção de que vive de facto numa democracia e que tem liberdade sim!