17 março 2008

para o serão, a diferença que os blogs fazem.



do David de Ugarte, via pedrodoria,

6 comentários:

Animal disse...

atão a ContraCapa é uma bitácora... e um gajo convencido que estava a colaborar num honesto blogue...

Cristina disse...

pá, isso faz de mim o quê?? :/

Animal disse...

hmmm... uma bitácoreira? ou na língua dos gajos, una bitacorera?

ai, quanto mais velho estou, mais dúvidas (e dívidas) tenho... só coisas que matormentam!

dalloway disse...

Gostei muito de ver esta reportagem. Muito elucidativa e incisiva.

Confesso que me projectei um pouco nisto atendendo àquilo que foi dito acerca do atentado em Londres e Madrid. Perdi amigos no atentado em NY e no atentado em Londres. No caso de Madrid fiquei com o coração nas mãos porque o meu irmão tinha ido a uma reunião para aqueles lados nesse preciso dia. A sorte foi o avião ter saído de Lisboa atrasado. De lisboa tentei contactá-lo via telemóvel, sms e não consegui. Foi através do pc que conseguimos noticias dele. Quando as ligações telefónicas foram estabelecidas era demasiado tarde para toda a ansiedade sentida, causada não só pela tragédia como pela falta de informação.

Estava em Londres na altura do atentado e os telemóveis foram fundamentais. Tinha comigo dois. Um com contacto português e outro inglês. Foram fundamentais para sabermos dos amigos que sabíamos que estavam a usar o metro naquela altura. A net e muitos blogues foram cruciais na nossa busca de informação nesse e nos dias seguintes.
Senti a tal "cumplicidade ou sintonia entre aqueles que procuram a noticia e aqueles que a editam", (referida nesta reportagem), como também senti um descrédito total nas informações dadas, com agravante de serem actualizadas com um intervalo de tempo muito longo. Conseguimos "apaziguar" os corações através daquilo que nos era dito por pessoas que viram tinham estado lá, que ouviram, sentiram, partilharam...pelas fotos....pelas imagens...pelo cheiro....

A urgência de ser informado, nestas situações em especial, é tal que a busca torna-se alucinante e vivida de forma surreal.
Vim a saber da possibilidade de um dos meu amigos ter morrido via net...a certeza veio depois.

Mas fica a (quase) certeza que é verdade aquilo que foi dito acerca do "modelo broadcast" e o "modelo a la carte". A importância de um e de outro e a evidência (que não pode ser negada) dos paralelismos de informação e tantas outras coisas aqui ditas.

Obrigada Cristina!

Cristina disse...

animal

olha, e eu na mesma....:))

Cristina disse...

dalloway

de facto, penso que a maioria das pessoas ainda não percebeu o alcalce da coisa. quem passou por essas situações acaba por se sentir muito mais seguro e acompanhado se tiver um meio de comunicação à mão. e para quem está de fora, imagino que cada minuto sem informação são seculos de ansiedade.

eu achei a reportagem girissima e muito mais elucidativa do que muito do que se possa escrever sobre o assunto. não sei é se a maioria a viu....:/

um beijinho