04 janeiro 2008

quem disse que pensar é bom?


Ultimamente tenho pensado muito em muitas coisas. Não tenho tido boas noites de sono, tenho questionado várias opções e tenho-me preocupado um pouco demais em relação a isso. Preocupação com a preocupação, hesitações várias, medos, alguns. Não é habitual. Acho que o meu subconsciente se está a tornar um pouco consciente demais. Que merda.
.
.
ps-não parece mas é um post de Ano Novo.

14 comentários:

Pêndulo disse...

Não estarás e precisar de umas férias curtas ? Sair daí e dar uma volta?
Dizer-te que não adianta preocupares-te porque na sua maioria serão assuntos independentes da tua vontade não adianta porque a nossa cabecinha é assim, não pára nem obedece.
Vai dar uma volta pah ! Passeia, bebe uns copos, apanha frio e chuva, vive !

Sapka disse...

Férias de viajar é levar a ansiedade para outro cenário. Comprimidos para dormir habituam, como o álcool. Esquecer as preocupações é inconsciência. Não é fácil encontrar o equilíbrio e, sobretudo, a paz. Mas que receios te invadem, feliz criatura aparentemente tão segura de ti?

Cristina disse...

P

lol, estar, estou mesmo. mas não posso. estes últimos seis/oito meses vou-te dizer que foram meses em que a cabeça mais parecia uma torradeira. sabes quando as torradas entram saltam queimam, põe-se outras queimam saltam põe-se outras...quando não se põem as mesmas sem querer...

é mais ou menos isso.

Cristina disse...

sapka

segura contunuo a ser, nas mesmas coisas. tenho é pensado muito mais noutros possiveis caminhos. será que não devia ser menos? menos segura, quero dizer? aí é que está o buzilis...

MariaTuché disse...

Amiga não penses mais nisso e tenta dormir um pouco, sei lá, não te digo para ires fumar um cigarrinho lá fora porque acho que já não fumas, imagino que para pensares isto algo se passa, ou trabalho demais ou cansaço.

Vou acreditar que amanhã NO PASSA NADA GUAPA!!

Besosssssss

Fado Alexandrino disse...

Belo post!

If a woman like Eva Peron with no ideals can get that far, think how far I can go with all the ideals that I have - Margaret Thatcher

antonio boronha disse...

mulher...
então?
tu sabes que, pelo menos desde o sartre, pensar é (logo) existir.
e isso, muitas das vezes, dá um trabalhão do caraças.

abraço.
cuida-te.

dalloway disse...

O Ano Novo tem sempre as costas largas porque é sempre culpado - mentira- da nossa inquietude porque fazemos balanço e coisa e tal e quem leva por tabela é o desgraçado que ainda é recem-nascido e fica à nora com o turbilhão de emoções, contusões, preocupações, com torradas queimadas, requentadas, reutilizadas e nunca digeridas.
Ufa!

Pois é Cristina, pensar dá sempre uma trabalheira do caraças e o mais chato é sermos confrontados com as nossas próprias fragilidades, dúvidas e todas aquelas palavras que são um desassossego quando sentidas.

Acho que é importante pensar...desarrumar para voltar a arrumar e assim redefinir coisas, anular outras, sentir medo na tomada de decisão, não ter certezas e não jogar sempre em território conhecido porque nos torna mais (falsamente) confiantes porque acomodados.
Desarrume sim Cristina mesmo que as noites de sono não sejam boas.

"Acho que o meu subconsciente se está a tornar um pouco consciente demais. Que merda."
Então trate-o por tu, Cristina...trate esse filho da mãe por tu!

Ou começa a digerir as torradas porque passados 8 meses tem que começar a escolher o "pão" que quer usar (não o das quartas, por favor :)....ou então vamos as duas ver estrelas numa planície mas sem a tal da D50.

Cristina disse...

maria

bem me apetecia, essa cena do cigarro...

um beijo miuda!

Cristina disse...

Fado

lool, aí está uma mulher que sabia o que valia :)))

um beijo. obrigada.

Cristina disse...

António

ena, que bom ver-te por aqui...sabes o que te digo? se sartre soubesse alguma coisa de existências, tinha escrito menos e vivido mais. :/

um beijo meu amigo. (o que faz a falta do campeonato...) :)

Helder Robalo disse...

como te percebo minha cara...

Cristina disse...

Dalloway

baloiçando, ou balançando, mas calma que as cordas não são de ferro, embora pareça, pela figura exposta :))

a verdade é que, primeiro que tudo, tenho vindo a fazer cada vez menos concessões. cada vez tenho melhor definido, ou mais assumido, o que não me interessa, essa tem sido uma grande mudança. e já perturba bastante.

muita tralha às costas amiga, muita mesmo. e pesada. :)

um beijo

Cristina disse...

HR

olá, fugitivo. ja tinha percebido que me entendias, não sei porquê, já tinha. :))

beijinho.