05 janeiro 2008

está uma bela tarde para ouvir Obama.

Acreditem, o homem tem O CARISMA, A VOZ, e a mensagem de MUDANÇA.Uma mistura explosiva guardada numa personalidade harmoniosa.
.
Escreve cfa no Corta Fitas, O seu discurso na vitória do Iowa é brilhante do ponto de vista formal: na duração, no ritmo, na mistura Luther King com W. Whitman, remetendo para a memória das intervenções mais marcantes de L. King (ir a Washington cobrar a factura), e de Kennedy ("Let us begin"). A "esperança" como refrão, por contraponto à "fé" (que é cega); os dois exemplos concretos de duas pessoas sem assistência médica; o despertar da paixão da América por si própria, num final quase apoteótico de apelo à unidade. Absolutamente profissional, em suma.
.
.

Pois bem, entre os democratas, que seja ele. E Boa Sorte.
.

13 comentários:

Repórter disse...

Direi mais, Cristina. Entre todos, que seja ele.
Barack Obama é o homem certo para o lugar certo.
Desde o primeiro instante me convenceu.
Se a máquina exterior (fait la lieson) não lhe puxar o tapete, a maioria dos estados vai seguir o exemplo do Iowa.
O homem tem garra, mas uma garra simples.
Conforta poder admitir ter gente desta a fazer a mudança necessária nos "states".

PortoCroft disse...

Cristina,

Desde o primeiro momento, achei que ele ou Hilary, ganhariam a nomeação do Partido Democrata. Assim será. Gosto dos dois. E que equipa, se pudessem estar os dois no mesmo ¨ticket¨.

Mas, conhecendo relativamente bem a América, ou muito me engano - e ¨Deus¨ queira que sim! -, se Obama ganhar a nomeação democrata, nunca chegará vivo às eleições. Há demasiados ¨lobbies¨ que nunca o permitiriam.

Pêndulo disse...

Os candidatos a cargos políticos não tardarão a provir do Toys R Us, tal o nível de "plastificação" e de adequação do discurso e imagem ao local que se tornou norma.
Fazem-me lembrar os vestidos da Barbie para as diversas situações: Barbie na praia, Barbie no campo, etc.

Votamos em representações mediáticas e não em pessoas.

Pêndulo disse...

Estou preocupado. Depois deste post a "crise existencial" sofre novo agravamento - V. SETÚBAL-BENFICA, 1-1 (Edinho 88'; Mantorras 72')

:p

Cristina disse...

reporter

não sei, era muito interessante mas, a guerra a serio ainda não começou..

Cristina disse...

portocroft

credo homem! olha que se ele conseguir uma dinânmica de vitória é capaz de ter um efeito de onda...
será que os americanos ainda não se fartaram das dinastias bush/clinton?

Cristina disse...

P

essa parte não me incomoda, não sou de perder tempo com moribundos... :)

dalloway disse...

Isto até Fevereiro vai ser de loucos...
É-me difícil comentar estas eleições porque a distância não ajuda, os (demasiados) candidatos ultrapassam-me e tudo o que ouço já vem filtrado ou é comentado por alguém com sólido conhecimento politico, económico e social da América.
(como nota deixe-me dizer-lhe que também tenho visitado Pedro Dória e lido sobre estas eleições)

O discurso aqui deixado só vem reforçar a importância do carisma, de personalidade forte, da persistência, da humildade e todas aquelas características que fazem guiar os olhos menos atentos ou sequiosos de novidade e alternância.

Continuo a achar que ainda é muito cedo para tirar ilações do que quer que seja. O povo americano já nos habituou a não confiarmos nas suas decisões e escolhas.

Termino sendo politicamente incorrecta e sarcástica:
Sendo a escolha entre uma mulher e um preto...é caso para dizer que estas eleições já ganharam!

Anónimo disse...

vai ser um ano de idiotice convicta, está visto

PortoCroft disse...

Cristina,

Uma coisa é conseguir uma dinânmica de vitória. Isso é possível que consiga, embora o Iowa, não seja um Estado cujos resultados possam ser extrapolados em termos nacionais. Outra é conseguir o apoio dos ¨lobbies¨ que, apesar de não serem eleitores, são quem realmente manda na América.

Sabes que, ser um ¨african-american¨, com um discurso socializante muito vincado, provavelmente irá desagradar a muitos interesses instalados: a industria de defesa, financeiras, seguradoras e as petrolíferas, para começar.

Finalmente, na ¨América profunda¨, ainda hoje ¨a nigger is just a nigger and nothing more than a nigger¨. E, contra isso, nem o apoio explicíto da Oprah Winfrey, o salvará. :)

Repórter disse...

Cristina
Sabes tão bem ou melhor que eu que os "states" têm um processo eleitoral diferente, onde os maiores estados ditam as leis.
Acontece que se perspectiva uma tendência pró Obama, na maioria desses estados.

A minha grande dúvida neste momento consiste num jogo de cintura dentro do espectro democrático que levará, em caso de uma "ameaça" de vitória de Obama, fazer com que Hillary desista em favor de ... Al Gore.
Este, por motivos conhecidos, poderia sim fazer frente a Obama.

Aguardemos.

Repórter disse...

Permite-me que acrescente que apesar de estarmos muito distantes, em tempo, das eleições que tudo decidirão, o que fôr sendo indicado nestes dois primeiros meses serão fundamentais.

Por outro lado, é preciso perceber o que quer a força extra política que terá uma enorme influência no desfecho.

Cristina disse...

Hillary desistir? mas nem morta! há-de chegar à Casa Branca, à Sala Ovale e ser apanhada com o primeiro estagiário que lá aparecer, aí sim! já pode dormir descansada :))